Mais
×

Os 10 lugares mais perigosos do mundo para as mulheres turistas

ViktorCap/iStock/Getty Images

Introdução

O brasileiro tem viajado cada vez mais ao exterior. Promoções de pacotes de viagem divulgadas na internet e facilidades de pagamento oferecidas por agências de turismo são fatores que contribuem para a visita a destinos exóticos. No entanto, é preciso muito cuidado ao visitar tais lugares, principalmente se você for do sexo feminino. Isso porque as mulheres são as principais vítimas. Diversas entidades, como o Observatório dos Direitos Humanos, o Departamento de Estado Norte-americano e o site Business Insider criaram listas de nações com grande potencial turístico, mas que apresentam riscos para as mulheres. Não são lugares que devem ser evitados, porém exigem cuidados adicionais.

Hemera Technologies/AbleStock.com/Getty Images

Índia

Os recentes casos de estupros coletivos contra mulheres colocam a Índia no mapa dos destinos potencialmente perigosos. Alguns casos de agressões contra visitantes estrangeiras também têm sido registrados e, por isso, todo o cuidado é pouco. A cultura bramanista, dominante em todo o país, impõe às mulheres uma série de códigos de conduta repressores. As turistas que visitam o destino para conferir locais como o imponente palácio Taj Mahal (foto) devem redobrar a atenção.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Turquia

Visitar a cidade turca de Istambul é um deleite para qualquer viajante, seja pelas belezas naturais ou pelas construções históricas. Os passeios de balão pela região da Capadócia também são inesquecíveis. No entanto, no restante do território, as mulheres devem tomar o máximo cuidado: o número de casos de violência contra as estrangeiras cresceu consideravelmente nos últimos anos. Viajar sozinha pelo interior da Turquia pode representar um risco desnecessário para quem preza pela segurança pessoal. Apesar de se tratar de um país laico, com governo secular, o machismo impera entre boa parte da população.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Colômbia

Não é apenas nas nações islâmicas que as turistas devem tomar precauções extras. Na América Latina, também pode-se enfrentar situações de violência às visitantes. Embora não haja leis ou códigos de conduta que reprimam as mulheres, a cultura machista ainda predomina. Com grande potencial turístico, a Colômbia tem investido na infraestrutura para receber turistas estrangeiros, mas ainda é alto o número de casos de agressões contra as visitantes de outros países. A legislação que trata da violência de gênero ainda é mal aplicada, o que pode aumentar a sensação de impunidade.

Hemera Technologies/Photos.com/Getty Images

Guatemala

Com belas paisagens naturais, a Guatemala teria tudo para atrair a visita de milhares de turistas todos os anos. Banhada pelo oceano Pacífico e o Mar do Caribe, possui ainda resquícios preciosos da civilização maia. Mas, infelizmente, o país tem índices elevados de ocorrências violentas, especialmente contra as mulheres. Os registros de estupros em todo o território subiram 34% em dois anos.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

México

O México possui tesouros arqueológicos dos impérios maia e asteca, além de belíssimas paisagens. Tudo isso seria suficiente para que recebesse um grande número de turistas todos os anos. Infelizmente, problemas graves, como a violência, atrapalham o turismo. Casos de estupro e agressões têm se tornado cada vez mais frequentes nas últimas décadas.

Goodshoot/Goodshoot/Getty Images

Quênia

Uma das nações que atraem milhares de turistas, todos os anos, para visitar os populares safáris é o Quênia, na África. No entanto, por lá as mulheres sofrem, diariamente, em decorrência da violência. Os casos não acontecem apenas nas aldeias rurais mas também nas principais cidades. A situação é tão grave que até mesmo a Organização das Nações Unidas (ONU) já se pronunciou sobre os riscos. Por isso, as turistas que visitam o território não devem se afastar das áreas turísticas.

Comstock Images/Comstock/Getty Images

Egito

O Egito é um dos destinos turísticos mais conhecidos do mundo, graças aos tesouros arqueológicos, com destaque para as famosas pirâmides. No entanto, a área sofre com a instabilidade política. Antes dos conflitos, no entanto, o país já representava uma ameaça para as turistas. Passear sozinha em algumas regiões é extremamente arriscado. Nos últimos meses, cresceu o número de estupros contra estrangeiras. Infelizmente, tais episódios lamentáveis não contribuem para que cada vez mais viajantes desvendem a riquezas históricas do lugar.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Irã

O Irã herdou a cultura, o idioma e parte do território de um dos maiores reinos da história: o Império Persa. Monumentos antigos (foto) são atrações imperdíveis para visitantes de todo o mundo. No entanto, as turistas sofrem fortemente com o preconceito enraizado culturalmente por milhares de anos. Mulheres que estiverem com o rosto descoberto estão sujeitas a severos castigos impostos pelas autoridades policiais. Caminhar sozinha em qualquer lugar do país, por conta da cultura local, é absolutamente temerário. Infelizmente, não há perspectiva de que a situação mude a curto ou médio prazo.

Sam Robinson/Photodisc/Getty Images

Dubai

Imagine que uma mulher é estuprada e resolve denunciar o terrível crime do qual foi vítima. Ao comunicar o fato às autoridades, é presa e indiciada por "fazer sexo fora do casamento" e "atentar contra a decência". Esse relato é uma situação verídica e realmente ocorreu no emirado de Dubai, no início de 2013. A notícia chocou o mundo e mostrou outra faceta da região, conhecida pelo luxo de suas construções. A exemplo de outras nações islâmicas, é um lugar onde as turistas não devem andar desacompanhadas.

Comstock/Comstock/Getty Images

Brasil

Sim, o Brasil está incluso na lista de países perigosos para as mulheres. Para a entidade Business Insider, as turistas (sejam estrangeiras ou não) estão sujeitas a várias situações de risco. O caso de uma americana que foi estuprada em um ônibus no Rio de Janeiro, em 2013, chocou a opinião pública internacional e deixou evidente não só o policiamento precário, mas também a fragilidade da Justiça para punir os culpados. Em várias outras regiões do País, as mulheres não estão livres de ser vítimas de violência.