Mais
×

15 Atrações imperdíveis no Recife

Reprodução: Flickr Andréa Rêgo Barros/PCR

Introdução

Banhada pelo mar e cortada por rios, Recife encanta logo à primeira vista. A cidade incrustada na lama dos manguezais, como cantou Chico Science, possui atrativos para todos os públicos e gostos. Além da riqueza histórica da vizinha Olinda, a capital pernambucana preserva um pouco do legado deixado por portugueses e holandeses durante o período colonial, ao mesmo tempo em que possui locais modernos e agitados, como a Praia de Boa Viagem. Selecionamos 15 atrações em Recife que você não pode perder!

Reprodução garcommenu.blogspot.com|Sol Pulquério

Instituto Ricardo Brennand

Apaixonado por armas brancas, o engenheiro e empresário Ricardo Brennand construiu um "castelo" para abrigar sua coleção e nele colocou desde espadas até réplicas de estátuas de mármore, quadros e armaduras. Foi daí que surgiu o Instituto Ricardo Brennand, cujo acervo inclui a maior coleção privada de pinturas de Frans Post. O local encanta tanto os visitantes de todas as idades que ganhou o prêmio Travelers Choice 2013, concedido pelo site de turismo TripAdvisor, com mais de mil avaliações positivas. O espaço abriga ainda coleções de pintura, armaria, tapeçaria, arte decorativa, escultura e mobiliário datadas dos séculos 15 a 21, com peças provenientes do Brasil, do restante da América, Europa, Ásia e África.

luiza_st/iStock/Getty Images

Praia da Boa Viagem

Ponto predileto dos recifenses nos fins de semana, a Praia da Boa Viagem possui 7 km de piscinas naturais de águas verdes. Além da faixa de areia, o bairro possui bons restaurantes e um calçadão bem estruturado para dar uma caminhada e beber uma água de coco nos diversos quiosques disponíveis. Essa zona nobre do Recife possui boa infraestrutura, com variedade de lojas, supermercados, shopping centers, além de contar com transporte fácil para os demais pontos turísticos da cidade.

Reprodução: www.skyscrapercity.com|Usuário: Renato Recifense

Parque da Jaqueira

Quem gosta de ar livre, não pode deixar de conferir o Parque da Jaqueira, no bairro homônimo, às margens do Rio Capibaribe. Além da árvore que nomeia o lugar, é possível avistar mangueiras, jambeiros, sapotizeiros, pitangueiras, entre outras espécies, além de sombreiros, flamboyants, palmeiras imperiais, espatódeas, paus-brasil, xinxás, etc. Nele, o visitante conta com pista de cooper e bicicross, ciclovias, rinque de patinação e outras atividades recreativas, além de ser o espaço ideal para fazer um piquenique em família. O local foi inaugurado em 1985 e abriga ainda a capela Nossa Senhora da Conceição da Jaqueira, construída em 1766.

Reprodução: Flickr Rafa Medeiros/Prefeitura do Recife

Oficina Brennand

Oriundo de uma família tradicional inglesa que abriu uma fábrica de cerâmica no Brasil, o artista plástico Francisco Brennand criou a Oficina Brennand. Além de ser o ateliê do artista, que produz arte com uma das cerâmicas mais resistentes do Brasil, o local possui um grande jardim que serve para expor as obras de Francisco. Algumas esculturas de Brennand são consideradas polêmicas devido à conotação sexual que carregam. Enquanto ao ar livre estão esculturas grandiosas, na parte interna existem outras menores de vários tipos. Um jardim e um espaço com pinturas e desenhos do artista também compõem o espaço.

Reprodução blogcolegioreinomagico.blogspot.com

Museu do Homem do Nordeste

Mais de 15 mil peças consideradas heranças culturais do índio, do europeu e do africano na formação do nordestino brasileiro formam o Museu do Homem do Nordeste. Fundado em 1979, pelo sociólogo Gilberto Freyre, o museu abriga materiais de construção oriundos dos séculos 18 e 19; bonecas de pano e brinquedos populares; cerâmica regional de artistas do povo, entre outro artigos que ajudam a explicar o ser nordestino. Considerado um dos mais importantes museus histórico-antropológicos do Brasil e referência na museologia contemporânea, o espaço oferece uma boa oportunidade para quem quer entender a formação do povo nordestino.

Reprodução: Flickr TURISMO PERNAMBUCO|Hugo Acioly

Casa da Cultura

Cada cela, uma lojinha com um pouco da cultura do estado. Este é o conceito que move a Casa da Cultura, uma prisão construída em 1867 seguindo o modelo de penitenciária mais moderno existente na época, na França. O edifício apresenta o formato de cruz e é composto por quatro raios correspondentes aos pontos cardeais. Desativadas há 40 anos, as celas que abrigaram presos ilustres, como Gregório Bezerra e Graciliano Ramos, foram transformadas em 150 lojas de artesanato, livrarias e lanchonetes – apenas uma permanece exatamente como foi deixada pelos presos. No local, também é possível experimentar as iguarias típicas da região: pamonha, canjica, tapioca, charque, arrumadinho, buchada, entre outras.

Reprodução: Flickr TURISMO PERNAMBUCO|Hugo Acioly

Capela Dourada

Literalmente "reluzente", a Capela Dourada é considerada uma das igrejas mais bonitas do Recife, além de símbolo da riqueza do Brasil Colonial. A capela, erguida entre os séculos 17 e 18, é formada por madeira recheada de detalhes em ouro. Além das pinturas sacras presentes na capela, o visitante também pode conferir o Museu de Arte Sacra, situado no mesmo local, o Convento e Igreja de Santo Antônio. A entrada custa R$ 3.

Reprodução: Flickr TURISMO PERNAMBUCO|Hugo Acioly

Recife Antigo

O Recife Antigo reúne um conjunto de atrações. Lá, é possível encontrar um dos pontos turísticos mais famosos da cidade, a Torre Malakoff, construída durante a guerra da Crimeia (1853 -1855) como entrada para o Arsenal da Marinha, e atualmente um espaço cultural, científico e observatório astronômico. É possível conhecer também o Centro Cultural Judaico de Pernambuco, que está situado no local onde esteve uma das primeiras sinagogas da América - a Kahal Zur Israel, descoberta por escavações há pouco mais de 15 anos. Já a Embaixada dos Bonecos Gigantes é um tributo aos bonecos que fazem a festa no tradicional Carnaval de Recife e Olinda. O local de fundação da cidade do Recife, o Marco Zero, situado na Praça Rio Branco, também vale a visita. Outra atração interessante é a feirinha de artesanato que acontece aos domingos na Rua do Bom Jesus, onde está situada a sinagoga histórica.

Reprodução: www.brasil247.com

Morro da Conceição

O Morro da Conceição é um bairro histórico onde foi erguido, em 1904, um monumento a Nossa Senhora da Conceição. Trazida de navio da França em comemoração ao cinquentenário do dogma da Imaculada Conceição no Brasil, a estátua mede 5,5 m de altura e pesa 1.806 kg e pode ser vista de vários bairros da capital. O monumento deu origem à Festa da Conceição, que reúne milhares de pessoas entre os dias 29 de novembro, com a realização da procissão da bandeira, e 8 de dezembro, dia dedicado à Nossa Senhora da Conceição.

Reprodução: Flickr TURISMO PERNAMBUCO|Hugo Acioly

Pátio de São Pedro

Engana-se quem acha que o Pátio de São Pedro é apenas uma praça histórica. Entre casinhas coloridas e as pedras irregulares, é um dos poucos locais que se pode observar o traçado do período colonial. Os sobrados da praça são ocupados por bares, restaurantes e ateliês que garantem a movimentação noturna do local, além da tradicional "Terça Negra", evento musical relacionado à cultura afro-brasileira. No pátio, está situada ainda a Catedral de São Pedro dos Clérigos, tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional.

Reprodução: Flickr Adolfo Santos Sonteria

Forte das Cinco Pontas

A história do Recife pode ser vislumbrada no Forte de São Tiago das Cinco Pontas, a última construção holandesa na cidade. Originalmente criado para proteger a capital de ataques estrangeiros e auxiliar na distribuição de água potável, o forte abriga atualmente o Museu da Cidade, que conta um pouco da história da capital pernambucana. Embora tenha perdido uma de suas pontas durante uma restauração, o nome "cinco pontas" continua a ser usado. A entrada é gratuita.

Reprodução: Flickr Rafa Medeiros/Prefeitura do Recife

Mercados

Os 17 mercados públicos existentes no Recife revelam uma cidade à parte. Tombado pelo patrimônio histórico, o Mercado de São José, construído em 1875, conta com 545 boxes, onde é possível encontrar artesanato em barro, corda e palha, além de ser um tradicional ponto do comércio de pescado. Tão antigo quanto é o mercado da Boa Vista, que já foi estrebaria, cemitério da capela e mercado de escravos. Seus 63 boxes comercializam de cereais e verduras até ervas e armarinhos. Já o Mercado da Madalena oferece a possibilidade de recuperar as energias dispendidas nas noitadas com iguarias nordestinas, como um bom cuscuz com bode guizado ou um sarapatel. Vale ainda conhecer o Mercado da Encruzilhada, que possui de tudo um pouco, e o mercado da Casa Amarela, que tem bares 24 horas.

Reprodução: Flickr Rafa Medeiros/Prefeitura do Recife

Praça da República

Margeada pelo encontro dos rios Capibaribe e Beberibe, a Praça da República abriga importantes construções. É o caso da sede do governo estadual, o Palácio do Campo das Princesas. Construído em 1841, chegou a servir de sede para o governo da República, na época do presidente Costa e Silva e do governador Nilo Coelho. Na praça, ainda é possível encontrar o Teatro da Santa Isabel, que possui arquitetura neoclássica do século 19, e o Palácio da Justiça, cujo estilo renascentista ostenta a maior cúpula do Brasil, com 45 metros, além de vitrais de Heinrich Moser e pinturas de Murillo La Greca. Conta-se ainda que o baobá existente na praça inspirou (acredite!) Antoine de Saint-Exupéry, antes de ele escrever "O Pequeno Príncipe".

Reprodução: recife-night-day.blogspot.com

Casa Forte e Apipucos

Quem gosta de história, não pode deixar de conferir dois bairros tradicionais do Recife: Casa Forte e Apipucos. Ex-engenho de cana-de-açúcar, Casa Forte foi assim denominado pela batalha homônima que se travou entre pernambucanos e holandeses em 1645, com a vitória dos nativos. Um dos bairros mais arborizados da cidade, ainda preserva construções históricas, como a Igreja Matriz de Casa Forte, de 1865, além de antigos casarões. O sangue pernambucano também foi derramado no outro bairro histórico da cidade, Apipucos (oriundo do Tupi "ape-puca", ou caminho que se bifurca). O local foi palco da invasão holandesa no mesmo ano da batalha de Casa Forte, quando teve sua capela saqueada e destruída, além de também ter sofrido com batalhas durante a Revolução Praieira.

franck camhi/iStock/Getty Images

Olinda

É impossível falar das atrações turísticas do Recife sem mencionar o município vizinho de Olinda. O Centro Histórico da cidade é bem preservado e possui quase tantos atrativos quanto a capital pernambucana. Vale a pena ir à Igreja do Carmo, datada de 1580, e conhecer os azulejos portugueses que retratam a vida de Francisco de Assis no Convento de São Francisco. Esculturas em madeira e pinturas também podem ser apreciadas no local. O convento foi construído em 1585 e é parte de um conjunto arquitetônico que inclui a Igreja de Nossa Senhora das Neves e a Capela de São Roque. Além disso, uma das mais belas vistas de Olinda e do Recife está garantida no Alto da Sé, principalmente do Elevador Panorâmico, e de algumas lojinhas de artesanato. O Mosteiro de São Bento, do século 16, também vale uma espiada.