×
Loading ...

O que acontece em seu organismo quando você deixa de fumar?

Getty Images

Introdução

Fumar representa um fator de risco associado a diversas doenças. Acredita-se que uma em cada cinco mortes de homens e uma em cada dez mortes de mulheres está associada ao fumo. Apesar disso, estudos apontam que o tabagismo segue ganhando espaço nos países de rendimento médio e baixo, como a maioria dos latino-americanos. Mesmo que o cigarro traga consigo inúmeros riscos à saúde, abandonar esse hábito a tempo pode evitar o aparecimento de muitas doenças e ainda fazer com que a expectativa de vida do indivíduo seja igual à que ele teria se nunca tivesse fumado.

Getty Images

20 minutos

O cigarro contém substâncias tóxicas que atuam sobre o tecido endotelial, aquele que recobre veias e artérias. Essas toxinas diminuem o poder que elas têm de se dilatar, aumentando a pressão arterial e acelerando o processo de acúmulo de gordura e outros compostos dentro das artérias. Fumar de um a quatro cigarros por dia aumenta o risco de morte por patologia cardiovascular. Apenas 20 minutos depois de deixar de fumar a pressão arterial diminui ao valor anterior à primeira tragada, e a temperatura das mãos e dos pés se normaliza.

Getty Images

Oito horas

A queima do cigarro produz monóxido de carbono, uma substância tóxica capaz de causar danos irreversíveis ao organismo. O efeito daninho provocado por esse gás se deve a sua capacidade de diminuir os níveis de oxigênio presente nos tecidos corporais. O oxigênio é transportado para todo o corpo através dos glóbulos vermelhos em uma molécula chamada de hemoglobina. O monóxido de carbono tem 240 vezes mais afinidade com a hemoglobina que o próprio oxigênio: se uma pessoa fumar, estará mais propensa a desenvolver disfunção pulmonar e problemas relacionados com a falta de oxigênio. Oito horas depois de parar de fumar, os níveis sanguíneos de monóxido de carbono diminuem.

Getty Images

24 horas

Fumar aumenta consideravelmente os riscos de morte por cardiopatia isquêmica ou enfarto cardíaco. Estima-se que 29% das mortes por problemas cardíacos estejam relacionadas ao hábito de fumar. Os fumantes passivos, ou seja, aquelas pessoas que inspiram a fumaça do tabaco mesmo sem fumar, apresentam 25 a 30% mais risco de sofrer com uma doença coronária. Caso elas se exponham à inspiração de 20 cigarros por dia, algo comum quando se vive com fumantes, esse risco aumenta para quase aproximadamente 60%. 24 horas depois de parar de fumar, o risco de enfarto cardíaco começa a diminuir.

Getty Images

Dois a três meses

O cigarro estimula a aterogênese, que aumenta a probabilidade de que um trombo (coágulo móvel) seja gerado e, ainda, de que um acidente vascular cerebral (AVC), uma falha renal ou um enfarto cardíaco se desenvolvam. A fumaça do cigarro antecipa em dez anos a probabilidade de se desenvolver uma trombose nas artérias coronárias, se compararmos com os não fumantes. Se os trombos forem produzidos nas veias das pernas, é muito provável que cheguem aos pulmões, causando risco de morte. Nos primeiros três meses, quando se deixa de fumar definitivamente, a circulação melhora e a função pulmonar aumenta em até 30%.

Getty Images

Nove meses

A fumaça do cigarro nas vias respiratórias produz inflamação e destruição celular, além de aumentar o que se conhece como "estresse oxidativo". Por outro lado, a capacidade de reparação alveolar fica diminuída, o que faz com que apareçam com maior frequência patologias respiratórias como asma, bronquite crônica e câncer de pulmão, dentre outras. Durante os nove primeiros meses depois que se deixa de fumar, reduz-se a frequência de tosses, o congestionamento nasal, a fadiga e a dispneia, ou dificuldade de respirar. Além disso, algumas das células pulmonares recuperam sua função normal, principalmente aquelas encarregadas de limpar o sistema respiratório.

Getty Images

Um ano

O hábito de fumar causa danos ao coração de diversas formas. A frequência cardíaca aumenta, a dilatação das artérias é reduzida, a pressão arterial sobe, a frequência de espasmos nas artérias do coração aumenta, o endotélio cardíaco é danificado e ainda aumentam a coagulação dentro das artérias e o nível de colesterol. O fumo também interfere no funcionamento dos medicamentos que tratam o coração em pacientes com doenças cardíacas. Um ano depois de parar de fumar, o risco de sofrer um ataque cardíaco se reduz pela metade.

Getty Images

Cinco anos

O risco de se ter um acidente vascular cerebral (AVC) diminui cinco anos depois de abandonar o fumo. As plaquetas são as células do sangue encarregadas de formar coágulos quando o organismo se fere, e se esses coágulos se desprenderem e obstruírem as artérias cerebrais, é possível que se desenvolva um AVC. Diz-se que fumar dois cigarros aumenta a função das plaquetas em aproximadamente 100 vezes e, por isso, não é raro que fumantes venham a óbito decorrente de infartos cerebrais ou, ainda, que fiquem com sequelas.

Getty Images

Dez anos

O cigarro contém mais de 4.000 substâncias químicas, muitas delas cancerígenas, dentre as quais o alcatrão é uma das mais danosas. Essas substâncias causam diversos tipos de câncer. Acredita-se que o cigarro esteja associado a mais de 16 variedades da doença. Dez anos depois de abandonar o hábito de fumar, o risco de morte por câncer de pulmão é reduzido pela metade, em comparação a um fumante. Também diminui o risco do câncer de boca, de bexiga, de garganta, de esôfago, de pâncreas e de rins.

Getty Images

15 anos

Depois de 15 anos sem fumar, o risco de desenvolver uma doença cardiovascular equivale ao mesmo de uma pessoa não fumante. Isso é inversamente proporcional à idade em que se abandonou o hábito, ou seja, o grupo com maiores benefícios será o das pessoas que deixaram de fumar definitivamente ainda jovens e que não apresentem sinais de doença no momento do abandono.

Getty Images

Como parar de fumar

Há diversas terapias para quem quer parar de fumar. Algum tempo atrás, a Universidade Adventista de Loma Linda, nos Estados Unidos, juntamente com outros estabelecimentos educativos, desenvolveram um plano para deixar o fumo em cinco dias. Existem também terapias farmacológicas, como a bupropiona e a substituição nicotínica, que vai desde adesivos cutâneos até chicletes contendo nicotina. Para algumas pessoas, uma combinação dos dois métodos é o suficiente, mas outras talvez precisem recorrer a algumas ou todas as ferramentas disponíveis. Consulte o seu médico para obter mais informações.