Antigos usos do enxofre

Escrito por lauren whitney | Traduzido por joanna riva
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Antigos usos do enxofre
O enxofre continua a ser um elemento economicamente importante (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)

O enxofre, décimo sexto elemento na tabela periódica e um dos elementos mais abundantes na crosta terrestre, era familiar à humanidade na antiguidade. Esse elemento não-metálico não possui odor ou gosto e possui uma coloração amarela distinta e estrutura amorfa cristalina, em sua forma elementar mais comum. O enxofre possui muitos usos industriais atualmente, assim como possuía em tempos antigos, apesar desses usos terem mudado.

Outras pessoas estão lendo

Pólvora

Embora a utilidade do enxofre ter variado através dos milênios, um dos usos abrange os tempos antigos e modernos. A pólvora negra requer enxofre como um dos seus constituintes. Enxofre, salitre e carvão compuseram as primeiras versões da pólvora; alquimistas chineses utilizavam essa substância inflamável em armamentos e fogos de artifício. Outras civilizações utilizavam pólvora quase exclusivamente em armas. Por volta do século 15, o enxofre na forma de pólvora era utilizado em canhões na terra e no mar com sua força explosiva.

Incenso purificador

Ao nariz moderno, a queima de enxofre e seus componentes tem um odor desagradável. Os primeiros alquimistas, xamãs e padres consideravam este aroma forte e amargo uma força potente para afastar maus espíritos ou ares. Rituais de purificação romanos incluíam a fumigação de edifícios ou pertences pessoais com a fumaça da queima do enxofre. Para suavizar este cheiro forte para os narizes mais delicados, os padres poderiam acrescentar aromas mais agradáveis, como mirra ou ervas secas.

Inseticida

Embora a habilidade do enxofre de afastar os maus espíritos possa ser difícil de se determinar, sua habilidade de afastar insetos se mantém útil hoje em dia. Queimar enxofre em casa supostamente afasta ratos, baratas e outros animais nocivos; enxofre em pó polvilhado nos cantos de despensas supostamente mantém a comida armazenada segura contra criaturas de fora. Carrapatos, pulgas e piolhos não gostam de compostos contendo enxofre. Para povos antigos que não possuíam as conveniências atuais, tais como água corrente ou máquinas de lavar, o pó de enxofre provia uma maneira de se livrar dessas perturbações desagradáveis.

Medicina

Médicos medievais e da antiguidade utilizam, frequentemente, pólvora em pó internamente como vermífugos e como forma de equilibrar os "humores" do corpo. A queima do enxofre era considerada por médicos medievais como um elemento colérico que neutralizaria doenças fleumáticas ou melancólicas. Os humanos sofrem poucos efeitos nocivos de pequenas quantidades de enxofre, porém, outro ingrediente comum da alquimia e medicina antiga, o mercúrio, provocava muito mais dano. O mercúrio, possuía tanta importância quanto o enxofre para médicos medievais. Zósimo de Panópolis declarou que "O enxofre é, de fato, o pai e o mercúrio, a mãe" da alquimia e, consequentemente, da medicina.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível