O caminho do ar: do nariz até os alvéolos

Escrito por kathleen blanchard, r.n. | Traduzido por ricardo torres iupi
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
O caminho do ar: do nariz até os alvéolos
Conhecer mais sobre as vias aéreas é muito importante (Stethoscope and a medical book image by Monika 3 Steps Ahead from Fotolia.com)

O ar entra no corpo através do nariz. A troca gasosa ocorre em minúsculos sacos que revestem as vias aéreas, os alvéolos, na região das bases pulmonares. Nada acontece com o ar antes de atingir esses pequenos sacos em termos de receber oxigênio, mas toda a estrutura ao longo do caminho é vital. O trato respiratório necessita de um bom trabalho em equipe de seus componentes.

Outras pessoas estão lendo

Função

O ar entra no corpo através do nariz. Quando seu nariz está entupido, deformado ou com alguma anormalidade estrutural, a respiração pela boca é usada. Obviamente, isto não cumpre o mecanismo normal da inalação. O nariz serve para aquecer o ar do ambiente. Ele umidifica o ar através de revestimento, a mucosa. Do tempo que o ar atinge a região posterior do nariz até a parte superior da garganta (nasofaringe), ocorre a umidificação de 75 a 80 por cento do mesmo. O nariz proporciona um caminho para o ar entrar no trato respiratório inferior.

Características

Na parte de trás do nariz e da garganta encontra-se a faringe. A faringe é dividida em nasofaringe, orofaringe e laringofaringe (ou hipofaringe). A nasofaringe vai desde a base do crânio até a área macia do céu da boca (palato mole). As laterais da nasofaringe são abertas e contem os tubos de Sustachian. Amígdalas e adenoides estão na parte superior da nasofaringe. A orofaringe conecta com o palato mole, indo até a epiglote (a válvula que impede a inalação de alimentos, e fecha quando bebemos e comemos). A orofaringe comunica com o sistema respiratório e com o digestivo. A laringofaringe começa na epiglote e se estende até o esôfago. Em seguida, vem a laringe, e agora estamos começando a entrar nas vias aéreas. A laringe conecta as vias aéreas superiores e inferiores. Então há a traqueia, brônquios principais, brônquios lobares, brônquios segmentares e os brônquios subsegmentares - todas essas divisões dentro dos pulmões. Agora as coisas ficam menores. Mais abaixo estão os bronquíolos, ou pequenas vias aéreas. É aí que começamos a receber ar. Os bronquíolos são a fonte de fornecimento de oxigênio. No final, nos bronquíolos terminais, a condução (não troca) de ar termina. Estamos quase lá. Os bronquíolos respiratórios são o início de onde nós trocamos de ar, absorvendo oxigênio e expulsando dióxido de carbono.

Efeitos

Os bronquíolos respiratórios desembocam nos alvéolos, ou sacos de ar - o destino final de onde o ar pode ir depois da inspiração. Há aproximadamente 300 milhões de alvéolos nos 2 pulmões. Os alvéolos contém células muito especializadas e executam múltiplas funções.

Importância

O sistema respiratório tem uma infinidade de células especializadas que ajudam a combater infecções, crescimento de tumores, e continuamente produzem líquidos e enzimas que nos ajudam a desintoxicar substâncias que podem prejudicar o sistema respiratório. Quando somos atacados por substâncias que produzem alergias, os pulmões liberam substâncias químicas, como a histamina e os eosinófilos, para ajudar a estabilizar o nosso ambiente interno.

Considerações

Respirar é fácil. É involuntário. Agora você sabe que muita coisa acontece em cada vez que inspira um pouco de ar. Considere os efeitos da respiração profunda. Você perceberá que não é um mito que a respiração profunda voluntária é benéfica. O ar tem um longo caminho a percorrer antes da troca gasosa que ocorre no corpo. Essa troca ocorre lá embaixo, na base dos nossos pulmões.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível