Mais
×

O que os astecas construíram

Atualizado em 17 abril, 2017

Os astecas dominaram a região central do México do século 15 ao 16. Embora sejam conhecidos por seus métodos de guerra e sacrifício humano, eram construtores primorosos. A civilização cobriu a paisagem com estruturas monumentais que refletiam seu poder e suas profundas crenças religiosas. Praticamente todos seus edifícios erguidos tinham um significado.

As ruínas da capital asteca estão debaixo da Cidade do México (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)

Cidades

A vida asteca girava em torno da cidade. As cidades astecas eram planejadas em volta de uma praça central com templos e prédios administrativos nas margens. Os astecas erguiam seus edifícios de acordo com suas complexas crenças nas quatro direções cardinais. Por exemplo, os templos eram erguidos na margem ocidental da praça, de frente para o oeste, seguindo o movimento do Sol. Os astecas compravam e vendiam comida, provisões e acessórios para casa em m mercado próximo ao templo principal. Lá também era onde as pessoas sabiam das últimas notícias, informações e rumores.

Tenochtitlan

Tenochtitlan, a capital asteca, situava-se em uma ilha no meio do Lago Texcoco, centro do México. Hoje, está literalmente debaixo da Cidade do México. Quando Hernán Cortés chegou lá, em 1521, sua população era estimada em 200 mil habitantes. A ilha era conectada ao continente por três pontes e tinha canais em vez de ruas. Aquedutos levavam água potável fresca, um sistema de esgoto levava os dejetos para longe e uma represa a impedia de inundações. A cidade era dividida em quatro distritos administrativos que possuíam templos e escolas. O Recinto Sagrado continha os templos principais, prédios administrativos e campos de bola. O "tlatoani", ou imperador, e os nobres viviam em palácios ornamentados com jardins, aviários e zoológicos.

Templos

Os astecas, assim como a maioria das culturas mesoamericanas, como os maias, rezavam nos degraus das pirâmides, consistidos de camadas de pedra retangular que diminuíam gradativamente conforme o templo se erguia. O topo da pirâmide abrigava um ou dois santuários onde os sacerdotes entregavam oferendas às imagens dos deuses. Templos dedicados do deus do vento Ehecatl eram em formato de cone e lembravam tornados. Embora as pedras sejam cinza atualmente, os astecas decoravam templos em cores fortes, como azul e vermelho.

Templo principal

Os astecas acreditavam que o templo principal em Tenochtitlan conectava o céu e a terra. Ele era composto de duas enormes pirâmides de 27 metros cada. A pirâmide da esquerda representava Tonacateptl, a Montanha do Sustento, casa do deus da chuva Tlaloc. A pirâmide da direita representava Coatepec, o berço de Huitzilopochtli, deus da guerra e do sol. O topo de cada templo abrigava santuários contendo as imagens desses deuses. Chegava-se aos santuários por grandes escadas decoradas com cabeças de cobras esculpidas na base e estátuas segurando coloridas bandeiras de penas e papel perto do topo.

Campos de bola

Os astecas construíam um tlachco, um campo de bola, em cada cidade. Eram em formato da letra "I" e continham paredes inclinadas, duas zonas finais e um campo de jogo com chão de gesso ou pedra. Historiadores acreditam que os jogadores passavam a bola de borracha, do tamanho de uma de basquete, com batidas de braço, cotovelo, nádegas ou quadris. Os pontos eram marcados quando a bola cruzava aros de pedra próximos às paredes. O jogo também era um ritual que descrevia o conflito entre o deus do sol Huitzilopochtli e a deusa da lua Coyolxauhqui. A bola representava o sol se movendo pelo céu.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article