Mais
×

Início das aulas sem trauma

Jupiterimages/Pixland/Getty Images

Introdução

Todo início de aulas é aquele chororô. Depois de quase dois meses de féria em casa, as crianças têm de encarar novamente a rotina de aulas, provas e trabalhos escolares. Pais e filhos enfrentam velhos medos, inseguranças e surpresas diante do novo. Nova sala, novos amigos, novos professor. Para amenizar essa fase delicada, as escolas criaram o período de “adaptação”, uma fase que envolve pais, filhos, professores e até funcionários da instituição de ensino. A equipe do colégio deve estar preparada para receber os estudantes e promover atividades de acolhimento e integração. O objetivo é fazer o possível para tornar esse período menos angustiante e mais tranquilo para todos os envolvidos.

Comstock Images/Comstock/Getty Images

Pais e escola: uma parceria

A escola tem de funcionar como um segundo lar para a criança e precisa estar em concordância com o tipo de educação dada em casa. Portanto, é fundamental que os pais estejam muito seguros da escolha que fizeram para seus pequenos. Eles precisam conhecer a linha de ensino, a filosofia, os valores e a disciplina da instituição e estar de acordo com eles. Ter um bom relacionamento com a diretoria, a coordenação pedagógica e os professores também é essencial. A relação com os profissionais que estarão cuidando diretamente de seu filho tem de ser de confiança e parceria. É imprescindível ter uma boa comunicação e liberdade para expor qualquer dúvida ou questionamento.

Stockbyte/Stockbyte/Getty Images

Quando é a primeira vez

A licença-maternidade acabou e chegou a hora de voltar ao trabalho. Ô momento difícil! Não importa se com algumas mais cedo e outras mais tarde: as crianças terão de enfrentar a escola. Algumas reagem muito bem, mas a maioria chora e faz escândalo, porém mais cedo ou mais tarde acaba se acostumando. Nessa hora, as mães precisam ser fortes e estar preparadas para enfrentar a própria angústia e ajudar seu filhote a passar pelo seu primeiro desafio, que é ficar longe dos pais, em um sistema educacional formal cheio de normas. Perder a mãe de vista causa pânico nos pequenos. Por isso, as escolas pedem a disponibilidade de uma semana para que as mães fiquem com as crianças nos primeiros dias de contato com a escola, a professora e as assistentes. É o tempo que ela vai precisar para estabelecer novos vínculos afetivos e se sentir segura.

Comstock Images/Comstock/Getty Images

A insegurança da mãe

Mesmo confiando na escola, na direção, na coordenação, nos professores e nos funcionários da instituição, é normal que as mães sofram, fiquem temerosas e inseguras (às vezes, até mais do que as próprias crianças). Quando a mãe está voltando a trabalhar depois da licença-maternidade é ainda pior. A rotina das crianças e a da própria mãe sofrerá mudanças. Uma boa dica é começar a visitar escolas com bastante antecedência, já que escolher o lugar onde seus filhos ficarão grande parte do dia não é tarefa nada fácil e leva tempo. Postergar a escolha da escola por medo de encarar a situação não vai ajudar em nada, pelo contrário. A mãe deve trabalhar seus próprios sentimentos de carência e insegurança. Quanto mais ela estiver tranquila, menos traumático será o processo de adaptação para as crianças.

Polka Dot/Polka Dot/Getty Images

Deixe seu filho participar

Uma boa maneira de ajudar seu filho nesse período é inseri-lo nas preparações que envolvem a volta às aulas. Leve-o com você para comprar o material escolar, o uniforme, os livros. Quem não se lembra com carinho da mãe encapando os cadernos e organizando a mochila? Você pode pedir ao seu filhote para ir riscando os itens já adquiridos. Mas, se a criança quiser comprar a papelaria inteira (por isso muitas mães preferem deixá-las em casa na hora de comprar o material escolar), aproveite para conversar sobre dinheiro. Essa é uma boa oportunidade de mostrar aos pequenos que nem sempre é possível satisfazer todas as vontades e que é importante encontrar alternativas. Esse processo vai ser muito rico sob vários aspectos. Além de curtir o momento juntos, pais e filhos estarão tornando positiva a experiência de ingressar ou retornar à escola.

George Doyle/Stockbyte/Getty Images

Vamos visitar a escola?

Uma medida simples e que pode ajudar muito no processo de adaptação do pequeno é levá-lo alguns dias antes do início das aulas para visitar as dependências da escola. Se a criança já frequentou o mesmo colégio no ano anterior, será uma maneira gostosa de prepará-la para o retorno. No caso da criança que nunca frequentou a escola ou que mudou de colégio, é uma excelente maneira de se familiarizar com o espaço físico. Um tour pelas salas de aula, parquinho, quadras, biblioteca pode “desfazer” uma fantasia equivocada e trazer tranquilidade à criança. Alguns colégios organizam encontros desse tipo, para dar boas-vindas aos pais e alunos. Mas caso a escola não inclua esse ritual na programação, peça à direção para agendar uma visita.

Brand X Pictures/Brand X Pictures/Getty Images

Que tal um cineminha lá em casa?

Para que seu filho não estranhe tanto o retorno à escola depois das férias, uma boa dica é marcar encontros com os amiguinhos de sala durante os dias de folga. Você pode entrar em contato com a mãe de um ou dois coleguinhas mais próximos do seu filho e combinar um dia de brincadeira ou uma sessão de cinema na sua casa. Se numa outra ocasião for a mãe de um amiguinho que convidar, leve seu filho e combine um horário para pegá-lo. Se preferirem, podem combinar um programa todos juntos, como, por exemplo, visitar o Jardim Botânico ou algum parque da cidade. Encontrar os amigos nas férias fora da escola é muito bom para a socialização da criança e uma oportunidade de os pais conhecerem melhor os pais e amigos de seu filho.

Jupiterimages/Goodshoot/Getty Images

A escolha da escola

Esta é uma tarefa difícil. Mas antes de começar a saga pela busca de um colégio para seu filhote, é bom ter bem claro que não existe escola perfeita. Alguns pontos importantes a serem avaliados são a linha educacional da instituição, o espaço físico e as acomodações e, principalmente, se ela está em harmonia com os valores da família e o estilo da criança. Um aluno oriundo de uma família liberal talvez encontre dificuldades em se adaptar a uma escola com disciplina rígida e com professores mais distantes. A localização também é um ponto importantíssimo e deve ser levado em consideração já que terá impacto direto na rotina de pais e filhos. Portanto, não deixe de calcular o tempo levado de casa até a escola. Outras questões que devem ser avaliadas: Os horários são flexíveis? A escola possui algum diferencial, como aulas de música ou de dança? Há algum programa de reforço escolar?

Jupiterimages/Pixland/Getty Images

Vamos entrar no clima?

Um bom jeito de já ir entrando no clima das aulas é retomar à rotina (para os que já estavam matriculados no ano anterior) e estabelecer a nova para as crianças que irão iniciar na escola. Isto significa fixar os horários de dormir, de acordar e de fazer as refeições de acordo com os horários em que serão realizados quando as aulas começarem. Uma semana antes, os pais já podem colocar em vigor os hábitos que serão adotados no período de aulas. Caso a criança volte à escola com sono atrasado, seu desempenho e integração poderão ser prejudicados. Ela poderá sentir fadiga e ficar sonolenta em um período em que deveria estar desperta e disposta para enfrentar os novos desafios do dia a dia no colégio.

Thinkstock Images/Comstock/Getty Images

Passeios culturais com as crianças

Escola e pais devem trabalhar em parceria no processo de aprendizagem das crianças. De um lado, a escola com o ensino formal e, do outro, os pais sempre estimulando de várias maneiras o pequeno com o objetivo de contribuir para o seu rendimento escolar. Visitar bibliotecas, galerias de arte, museus e cinema pode despertar o interesse das crianças por diversos assuntos estudados em sala de aula e fazê-las apreciar o conhecimento e aprender de várias maneiras. A leitura também é fundamental. Sempre compre livros e leia para os seus filhos. Esse é um hábito que se desenvolve desde a primeira infância.

Jupiterimages/BananaStock/Getty Images

A hora da tarefa

Desde o início das aulas é importante que a criança saiba das suas responsabilidades. Os pais devem estabelecer um horário para que a criança faça a lição de casa num lugar tranquilo e silencioso para que ela possa se concentrar. Deve-se estabelecer também um horário para que um dos pais olhe a tarefa junto com o filho, valorizando a realização da atividade. Se estiver bem feita, elogie. Isso estimula e eleva a auto-estima. Mas se não estiver lá essas coisas, os pais não devem deixar passar. Com jeitinho e explicando os pontos negativos do trabalho, chame a atenção e peça para que a criança refaça a tarefa.

Goodshoot/Goodshoot/Getty Images

Problemas no percurso

Caso a criança esteja passando por algum problema em casa, como doença, a perda de um ente querido ou separação dos pais, é fundamental que o professor esteja a par da situação. Crianças são muito sensíveis e absorvem tudo, mesmo que não tenham entendimento. Problemas emocionais refletem no rendimento escolar. Portanto, se os pais estiverem vivendo uma situação delicada, não pense duas vezes em marcar um horário com os professores e a coordenação da escola do seu filho. Esses profissionais estarão atentos ao comportamento da criança e irão ajudá-la, além de orientar os pais sobre como agir em determinadas situações.

Jupiterimages/Creatas/Getty Images

Converse com seu filho

De nada adianta seguir todas as dicas acima se os pais não escutarem seus filhos. Converse, pergunte como foi na escola, quais as atividades que ele fez, do que mais gostou no dia. Seja amigo, abra espaço e nunca minta. Ter uma relação de afeto e confiança com as crianças é fundamental para que elas se sintam amparadas e cresçam emocionalmente saudáveis. E, se alguma coisa não estiver indo bem, você será o primeiro a perceber / saber e terá meios de ajudar seu filho.