Características do Staphylococcus epidermidis

Escrito por edward j. lamb | Traduzido por kelly isayama
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Características do Staphylococcus epidermidis
O Staphylococcus epidermidis causa um grande número de infecções hospitalares (NIAID Laboratory of Human Bacterial Pathogenesis)

O Staphylococcus epidermidis causa um grande número de infecções hospitalares. Tratar infecções causadas por essa bactéria muitas vezes é difícil, devido às características genéticas e resistência crescente desse microrganismo contra antibióticos poderosos. Ao mesmo tempo, tratar pacientes com antibióticos, antes que eles se tornem infectados com S. epidermidis, frequentemente tem se mostrado eficiente no bloqueio dessa bactéria.

Outras pessoas estão lendo

Descrição

O S. epidermidis pertence à mesma família de uma bactéria mais famosa, conhecida como Staphylococcus aureus. Uma análise genética do S. epidermidis, relatada em 23 de Maio de 2005, publicada no periódico Microbial Drug Resistance, revelou que a bactéria sofre mutações com frequência, tornando difícil atingi-la completamente com antibióticos. Outra visão geral sobre a S. epidemidis, que foi publicada em Julho de 2001, no Journal of Medical Microbiology, observa que a bactéria está entre os patógenos mais encontrados na pele humana e nas membranas mucosas, tornando-se virulenta (i.e., causadora de doenças) quando ela desenvolve sítios de ligação nas membranas celulares, que elas geralmente não possuem. Diferentemente de muitos tipos de estafilococos, o S. epidermidis não contém uma enzima indutora de coagulação, como a trombina ou a renina. Com a ausência dessas enzimas, o S. epidermidis precisa ser capaz de produzir uma substância viscosa em sua superfície externa, que permita a sua ligação com os tecidos, infectando-os.

Doenças causadas

A bactéria S. epidermidis causa uma grande porcentagem de doenças infecciosas em pacientes hospitalizados e pessoas recebendo tratamento médico, que necessitam de substituição de cateteres ou implantação de dispositivos médicos, como substituição de quadril. Autores de diferentes artigos de periódicos identificaram o S. epidermidis como a causa de encefalomeningite, síndrome do choque tóxico, bacteremia, endocardite, sepsis/septicemia e ventriculite.

Incidência da infecção por S. epidermidis

Dados estatísticos recém-compilados sobre infecções hospitalares adquiridas, causadas especificamente por S. epidermidis, não existem. Os autores do Journal of Medical Microbiology, de 2001, observaram que entre 48% e 67% das infecções hospitalares resultavam de S. epidermidis, S. aureus ou outro estafilococo que não possui enzimas indutoras de coagulação. Um estudo mais antigo, relatado no dia 1 de Outubro de 1982, do Annals of Internal Medicine, diz que a cada 1000 dias que os pacientes com leucemia aguda passaram no hospital, 14 deles contraíram uma infecção por S. epidermidis. Atualmente, quase 10% de todos os pacientes que passam tempo no hospital adquirem infecções bacterianas por patógenos do próprio hospital, de acordo com um artigo da Emerging Infectious Diseases.

Tratamento da infecção

Assim como o seu primo S. aureus, o S. epidermidis desenvolveu uma ampla resistência contra meticilina. Cepas de S. epidermidis resistentes à vancomicina também surgiram. A Rifampina (e.g., Rifadin da sanofi aventis) tem se mostrado o antibiótico mais eficiente no tratamento de infecções por S. epidermidis.

Prevenção da infecção

Seguir protocolos de limpeza, lavagem de mãos e desinfecção geralmente não protege os pacientes das infecções por S. epidermidis. Fazer com que os pacientes tomem antibióticos antes e depois de um procedimento cirúrgico pode ajudar a prevenir infecções, e cirurgiões alemães até mesmo relataram, durante uma apresentação no encontro da Orthopaedic Research Society, em 1999, que eles tinham sido bem sucedidos na prevenção de infecções por S. epidermidis, ao misturar cimento ósseo com tobramicina. Pacientes com risco de uma infecção por S. epidermidis também receberam proteção, tomando doses de cefazolina (e.g, Kefzol), gentamicina e cefuroxime (e.g., Ceftin da GlaxoSmithKline).

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível