Cardo mariano e extrato da semente do cardo leiteiro

Escrito por kim norton | Traduzido por ana rodrigues
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Cardo mariano e extrato da semente do cardo leiteiro
Flor do cardo leiteiro (Image by Flickr.com, courtesy of tinyfroglet)

O cardo leiteiro, uma planta que cresce ao longo do Mediterrâneo, no sul da Europa e em partes dos EUA, tem sido usado por cerca de 2.000 anos como alimento e remédio. Embora quase toda a planta possa ser utilizada para alimentação (deve-se remover apenas os pequenos espinhos sobre as folhas e o caule), são as sementes que são utilizadas para fazer extrato de sementes do cardo leiteiro. As sementes são a única parte da planta que tem a silimarina, substância utilizada para tratar doenças hepáticas.

Outras pessoas estão lendo

O que é o cardo leiteiro?

O cardo mariano, cardo santo ou leiteiro tem o nome científico de Carduus Mariae officinalis. É um membro da família da margarida (Asteraceae) e foi apreciado pelo naturalista romano Plínio por sua capacidade para tratar distúrbios do fígado.

O cardo leiteiro é uma planta com folhas verdes escuras pontilhadas com manchas brancas. Ele é capaz de soltar uma seiva leitosa, e é por isso que é chamado de cardo leiteiro. As suas folhas e os caules têm pequenos espinhos ou acúleos sobre eles. As suas grandes flores roxas contêm as sementes. A maior parte da planta é comestível. O cardo de leite entrou em uso popular na Europa como comida e remédio em volta de 1.500.

Como o cardo leiteiro é utilizado?

As folhas da planta podem ser utilizadas num tônico amargo ou chá, que é considerado bom para doenças estomacais e digestivas. As raízes e folhas podem ser comidas cruas ou cozidas (é importante aparar ou cortar os pequenos espinhos ou acúleos). As flores roxas também pode ser comidas.

Fazer um extrato de sementes de cardo de leite é preferível a comê-las, já que são duras e de difícil digestão, a menos que sejam bem moídas. A preparação comercial do extrato é melhor. O extrato de semente de cardo de leite é usado para tratar doenças do fígado, cálculos biliares, condições do baço, icterícia, hepatite e cólica biliar, além de defender o corpo contra as toxinas.

Silimarina - o principal componente

O extrato de semente de cardo de leite é preparado somente a partir das sementes e seu principal componente é a silimarina. Ele contém de cerca de 4% a 6% de flavolignana de silimarina, um antioxidante que oferece proteção ao fígado. A silimarina divide-se em quatro compostos: silibinina, isosilibinina, silidianina e silicristina, o que representa cerca de 50% de conteúdo de silimarina uma semente.

A silimarina contém antioxidantes que ajudam a prevenir os danos dos radicais livres e a aumentar a síntese de proteínas nas células do fígado. Ela também ajuda a prevenir a formação de leucotrienos, que são os ácidos graxos que causam a inflamação na asma e bronquite.

A dosagem correta de silimarina continua a ser estudada e debatida. Relatórios sobre o efeito de baixas e altas doses de silimarina foram feitos pelo Journal of Hepatology e Journal of Clinical Gastroenterology, respectivamente.

Nem todos os cardos são cardos leiteiros

O gênero Adans Silybum tem duas espécies principais. O mais conhecido é o Silybum marianum, também conhecido como cardo do leite, cardo leiteiro, cardo branco e cardo-de-nossa-senhora. O outro é Silybum eburneum, chamado de cardo santo. Ambos têm sementes que contêm silimarina.

Outras plantas de cardo (Cnicus ou Blessed Thistle, Sow thistle and Hare Thistle) não pertencem ao gênero Silybum. Nenhuma dessas variedades contêm cardo silimarina.

Efeitos colaterais

Os efeitos colaterais do extrato de semente de cardo de leite podem incluir indigestão e desconforto gastrointestinal suave. Também pode ter um leve efeito laxativo. Se você tem alergia a plantas da mesma família (margaridas, cravos, crisântemos e ambrósia), será alérgico ao extrato de semente de cardo de leite.

Além disso, a Universidade de Pittsburgh está pesquisando a possibilidade de diminuição da atividade da enzima no fígado pela silimarina. Se a atividade da enzima diminui muito, a medicação permanece no sangue por mais tempo, o que pode levar ao aumento dos níveis de fármaco no seu sistema e causar efeitos colaterais mais intensos. Se for provado, isso pode significar que a silimarina pode ser contra-indicada caso você esteja consumindo certos tipos de drogas.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível