Que coisas ruins aconteceram a pessoas usando pulseiras magnéticas

Escrito por jeff mcdonald | Traduzido por nicolas sales
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Que coisas ruins aconteceram a pessoas usando pulseiras magnéticas
Cada vez mais, as pulseiras magnéticas se parecem joias normais (Zedcor Wholly Owned/PhotoObjects.net/Getty Images)

Atualmente, existe pouca evidência científica para sugerir que a terapia magnética seja um tratamento efetivo para qualquer condição médica. Entretanto, também existe pouquíssima evidência científica desaprovando sua efetividade. Independentemente das pulseiras magnéticas funcionarem ou não, é importante entender os riscos de usá-las. Os efeitos colaterais das pulseiras têm sido mínimos e não está claro o porquê da ocorrência deles. Embora não haja riscos maiores para o público geral, existem riscos para certos grupos de pessoas. Para elas, o efeitos negativos são uma provável possibilidade e o contato próximo a alguém usando uma pulseira magnética também pode causar problemas.

Outras pessoas estão lendo

Efeitos colaterais

O aumento na temperatura corporal foi relatado por alguns usuários, mas isso foi atribuído à crescente circulação de sangue oxigenado. A tontura leve é outro efeito colateral relatado que também foi atribuído ao crescente fluxo sanguíneo. Alguns usuários desenvolveram uma assadura onde a pulseira estava localizada. Isto pode ser devido aos materiais usados na pulseira, mas não há evidência que sugira que é um resultado dos magnetos. Ainda, náusea foi relatada por alguns usuários. Ela diminuiu depois da remoção do bracelete. Não se sabe a razão para a náusea, mas ela pode ser um resultado da tontura causada pelo crescente fluxo sanguíneo.

Marcapassos e desfribiladores internos

Pessoas com marcapassos e desfibriladores internos estão em sério risco de repercussões médicas se escolherem usar as pulseiras magnéticas. Os sinais do marcapasso podem ser interrompidos pelas pulseiras. Se o sinal for interrompido, uma arritmia pode desenvolver-se rapidamente, o que pode levar a uma angina, um ataque ou insuficiência cardíaca ou derrame. Com um desfibrilador interno, os sinais do coração podem ser mal interpretados, resultando em uma desfibrilação de um coração que está batendo ou em uma ausência de desfibrilação quando necessária. É importante entender a natureza sensível destes instrumentos e mantê-los o mais longe possível de pulseiras magnéticas.

Bombas de insulina internas

O equilíbrio de insulina em um diabético é difícil de controlar e, algumas vezes, a precisão de uma bomba de insulina interna é necessária. As pulseiras magnéticas podem interromper o sistema de medição da bomba ou seu sistema de distribuição. Esta interrupção pode fazer com que o usuário receba uma pequena dose de insulina ou uma overdose. A overdose pode ser causada por uma dosagem muito alta ou com uma medição inapropriada ou uma série de pequenas ou regulares doses administradas em um curto período de tempo.

Mulheres grávidas

A escolha de uma mulher grávida é muito importante para a saúde do bebê. Os fetos são delicados e suscetíveis a defeitos de nascença. Campos magnéticos positivos, também conhecidos como polos norte magnéticos, têm sido ligados ao crescimento celular. Células fetais estão crescendo e se reproduzindo rapidamente. Apesar de não verificados, há uma preocupação de que os polos norte magnéticos podem criar um crescimento celular excessivo nos fetos, resultando em defeitos e anormalidades de nascença. Para evitar estas complicações, é recomendado que as pulseiras magnéticas não sejam usadas por mulheres grávidas.

Quimioterapia e radiação

A ideia por trás dos tratamentos de quimioterapia e radiação é matar as células cancerígenas. Foi descoberto que os polos norte magnéticos encontrados em algumas pulseiras magnéticas estimulam o crescimento celular. É lógico, então, que pacientes com câncer devem evitar usar as pulseiras para assegurar que não estimulem o crescimento de células cancerígenas. Alguns estudos sugeriram que um campo magnético forte o suficiente pode, na verdade, inibir o crescimento de células cancerígenas, mas tais reivindicações não foram suficientemente estudadas para provar sua validade.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível