Que condições cardíacas podem causar convulsões?

Escrito por charlotte johnson | Traduzido por joão vitor testi ferreira
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Que condições cardíacas podem causar convulsões?
Saiba a diferença entre síncope cardíaca e convulsões (Jupiterimages/BananaStock/Getty Images)

Muitas pessoas que têm crises de convulsão são diagnosticadas como epilépticas. No entanto, quando são realizados mais testes, os médicos descobrem que algumas dessas pessoas, na verdade, têm síncope cardiovascular, uma condição resultante de ritmos cardíacos e fluxo de sangue irregulares. A síncope cardíaca pode ser caracterizada como um "desmaio" ou perda de consciência.

Outras pessoas estão lendo

Ritmo cardíaco interrompido

A arritmia cardíaca é o termo dado a um batimento cardíaco irregular. De acordo com a Faculdade de Cardiologia Americana, a arritmia pode ocorrer em cinco formas diferentes: extra-sístoles, fibrilação atrial, bradicardia, taquicardia e arritmias ventriculares. Batimentos prematuros geralmente não são perigosos e podem ser induzidos por fatores como estresse e cafeína. A fibrilação atrial é um distúrbio elétrico no qual duas válvulas do coração não bombeiam sangue adequadamente, fazendo com que ele se acumule e às vezes coagule. A bradicardia é uma redução na velocidade do batimento cardíaco, o que pode provocar tonturas, desmaios e fadiga. A taquicardia é uma pulsação cardíaca rápida demais, o que pode causar problemas no fluxo sanguíneo. As arritmias ventriculares são a forma mais perigosa de arritmia e ocorrem quando os ventrículos do coração não bombeiam sangue adequadamente. Destas cinco categorias principais, a atrial, a bradicardia e as arritmias atriais ventriculares podem causar "síncopes" ou desmaios.

Síncopes e convulsões

Algumas convulsões parecem ser semelhantes às sensações causadas em um episódio de desmaio ou de síncope cardíaca, uma vez que também envolvem a perda de consciência. No entanto, existem várias diferenças. Em casos de síncope, normalmente a consciência é recuperada mais rapidamente que em casos de convulsão. Nestes, a pessoa afetada tende a urinar numa frequência maior, assim como de ter sintomas de cefaleia, sonolência e desorientação. Convulsões parecem suspender temporariamente os reflexos de proteção, resultando em uma maior probabilidade de queda e lesões. Já na síncope cardíaca, não é apresentada a suspensão desses reflexos. Um sintoma ocasional de síncopes e convulsões é o tremor nas mãos, o que torna um diagnóstico definitivo mais difícil de ser feito. A única maneira de distinguir positivamente entre os dois é fazendo mais exames médicos.

Diagnóstico

Para diagnosticar um provável caso de síncope cardíaca, o médico irá investigar seu histórico pessoal e familiar. Após esta investigação inicial, outros exames médicos que você pode fazer são um eletrocardiograma (ECG), um teste de inclinação, um monitoramento da atividade cardíaca, massagem do seio carótico ou um estudo eletrofisiológico (EPS). Estes testes permitem aos médicos verificar se há anormalidades físicas ou elétricas no coração do paciente, bem como observar as reação do miocárdio a alterações na pressão, atividade e estimulação elétrica do sangue.

Tratamento

Uma vez diagnosticado o tipo de disfunção cardíaca causadora da síncope cardíaca, o medico irá prescrever um tratamento que seja adequado ao problema encontrado. Os tratamentos incluem uso de um marca-passo ou desfibrilador se o coração não estiver batendo no ritmo correto. A ablação cardíaca também é uma opção de tratamento para problemas elétricos no coração. Por vezes, o uso de medicação sem o uso de procedimentos invasivos pode ser suficiente para controlar o quadro clínico.

Controlando um ataque de convulsão ou síncope

Caso você observe alguém que pareça estar tendo uma convulsão ou um desmaio, posicione a pessoa ao seu lado. Não tente contê-la ou colocar a mão na boca da mesma. Remova todos os objetos da área que possam ser perigosos. Certifique-se de que as vias aéreas estejam desobstruídas e que a pessoa possa respirar livremente. No caso da convulsão ou desmaio durar mais que cinco minutos, chame uma ambulância.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível