As consequências do biocombustível

Escrito por laura scott | Traduzido por erick vasconcelos
As consequências do biocombustível
Os biocombustíveis como o etanol são acrescentados à gasolina para produzir um combustível mais limpo (Thinkstock Images/Comstock/Getty Images)

Os biocombustíveis — ou aditivos ao combustível feitos principalmente com plantas como milho, cana de açúcar, palmeiras e soja — são parte da equação para reduzir a dependência do mundo sobre combustíveis fósseis e diminuir as emissões de carbono que causam o aquecimento global. Contudo, estudos mostram que a produção de biocombustíveis criou um novo conjunto de problemas ambientais e pode produzir tanto (talvez mais) dióxido de carbono quanto o petróleo e o carvão. Os defensores dos biocombustíveis reconhecem alguns problemas, mas acreditam que eles serão resolvidos com o desenvolvimento da indústria e das tecnologias.

Questões com a terra e a água

O cultivo de lavouras para produzir biocombustíveis causa grandes problemas sobre os recursos naturais e o meio ambiente. O milho, a cana de açúcar, a soja e outras lavouras de biocombustíveis requerem enormes quantidades de água que podem potencialmente causar escassez em comunidades rurais. Fazendeiros usam pesticidas químicos nessas plantações que podem danificar os habitats de animais e ferir aves e insetos benéficos. As plantações voltadas para combustíveis também requerem grandes quantidades de fertilizantes ricos em nitrogênio, que acabam drenados em córregos que os carregam para oceanos e lagos. O fertilizante leva ao florescimento de algas que podem ser tóxicas para peixes e outros animais. Com a morte e decomposição das algas, elas usam a maior parte do oxigênio disponível na água, criando uma zona morta em que outras formas de vida não são capazes de sobreviver.

Combustível versus alimentos

Cientistas já lançaram advertências sobre o fato de que a mudança do foco das plantações de alimentos para combustíveis piorou os problemas de escassez de comida ao redor do mundo. Mesmo em áreas em que não há escassez, a ênfase em lavouras voltadas ao biocombustível causou um aumento nos preços de grãos e alimentos baseados em grãos.

Uso da terra

Limpar terras ociosas para plantações de biocombustível também causa problemas. Os fazendeiros que cultivam terras inutilizadas soltam o carbono enterrado no solo e o liberam na atmosfera. Eles também podem estar destruindo habitats de animais selvagens. Em outras partes do mundo, como Bornéu, grandes áreas da floresta tropical foram desmatadas para plantar palmeiras a fim de produzir óleo biocombustível. Não só habitats importantes foram perdidos, mas os fazendeiros também queimaram os pântanos turfosos para limpar as áreas para plantações de palmeiras. As queimadas também liberaram grandes quantidades de dióxido de carbono na atmosfera.

Custos

Os legisladores da área da energia adotaram os biocombustíveis como alternativas renováveis para cortar as emissões de carbono e reduzir o aquecimento global. Mas estudos mostram que a produção e o transporte de biocombustíveis, particularmente o biodiesel feito de soja, pode gerar até quatro vezes a quantidade de dióxido de carbono liberado durante a produção de biocombustíveis tradicionais. Outros estudos apontam para os riscos de saúde associados com a amônia que evapora a partir de grandes quantidades de fertilizante usados em lavouras de combustíveis. As partículas de amônia presas na poeira são dispersadas pelo vento e podem causar uma grande gama de problemas respiratórios.