Consequências negativas da clonagem

Escrito por courtney watson | Traduzido por pedro santos
Consequências negativas da clonagem
Até mesmo criaturas resultantes de clonagens bem sucedidas podem ter múltiplos problemas. (adn ? image by G.g1 from Fotolia.com)

Por trás dos poucos sucessos obtido com clonagem existem muitos fracassos dos quais você pode não ouvir falar. Mesmo quando um animal clonado é bem sucedido em nascer, alguns problemas podem se desenvolver mais tarde em sua vida, e essa baixa expectativa de vida pode fazer com que seja mais difícil conduzir as pesquisas. Apesar de clonagem ter benefícios, ela também envolve muitos riscos e custos. Clonar é um procedimento caro que dá pouco resultado para muito trabalho.

Alta taxa de falhas

Mais de 90 por cento das tentativas de clonagem falham e podem ser necessárias 100 ou mais implantes nucleares para produzir uma cria viável. A falha no processo de clonagem pode ocorrer por diversos motivos, incluindo combinações incompatíveis entre óvulos e núcleos, falha na implantação do embrião na mãe ou falha na própria gravidez.

Saúde frágil e morte prematura

Animais clonados tendem a ter um sistema imunológico que funciona menos, aumentando a probabilidade de desenvolverem infecções, tumores e outros distúrbios. Os clones geralmente não vivem tempo o bastante para proporcionar dados suficientes sobre como envelhecem e mesmo que pareçam saudáveis quando jovens, não é garantida uma boa expectativa de vida. De acordo com o site do Projeto de Pesquisa do Genoma Humano, a primeira ovelha clonada na Austrália parecia saudável até o dia em que morreu inesperadamente e sua autópsia não revelou uma causa conclusiva para a morte.

Problemas de desenvolvimento

Animais clonados costumam ser muito maiores do que seus sósias. Isso se chama Síndrome da Prole Grande (Large Offspring Syndrome – LOS). Seus órgãos dilatados causam problemas para respirar, problemas no fluxo sanguíneo e em outras funções do corpo. O LOS não acontece em todos os casos, e os cientistas não são capazes de prever quando isso acontecerá. Até clones que não apresentam LOS podem sofrer de má formações nos rins e no cérebro e desenvolver problemas posteriores em suas vidas.

Diferenças nos comprimentos dos telômeros

Cromossomos ou células ficam mais curtos à medida que as células se dividem. Isso porque os telômeros, sequências de DNA em ambas as pontas dos cromossomos encolhem a cada cópia do DNA. Quanto mais velho for o animal, mas curtos eles serão. Isso é parte natural do envelhecimento. Os cromossomos de animais clonados possuem telômeros mais longos do que o normal, apresentando sinais de juventude e parecendo ter vidas de duração mais longas. No entanto, isso é imprevisível, porque, de acordo com o Centro de Aprendizado de Ciência Genética da Universidade de Utah, Dolly, a primeira ovelha clonada, tenha telômeros mais curtos do que o normal.

Anormalidades genéticas

Em embriões criados naturalmente, o DNA está programado para expressar certo conjunto de genes e esse programa muda conforme as células embrióticas começam a se diferenciar. Um núcleo clonado não segue o mesmo programa de um núcleo natural, e cabe ao cientista reprogramá-lo. Uma programação incompleta faz com que o embrião se desenvolva de forma anormal. De acordo com o site do Projeto de Pesquisa do Genoma Humano, pesquisadores do Instituto Whitehead para Pesquisa Biomédica de Cambridge, Massachusetts, descobriu que cerca de 4 por cento dos genes em camundongos clonados funcionam anormalmente. Essas anormalidades não foram causadas por mutações nos próprios genes, mas por mudanças na expressão normal ou ativação de certos genes.