O que as crianças dos anos do século 19 faziam diariamente?

Escrito por daniel francis | Traduzido por ana simoes
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
O que as crianças dos anos do século 19 faziam diariamente?
A maioria das crianças do século 19 trabalhava (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

As primeiras leis sobre trabalho infantil começaram a surgir em meados do século 20, regulamentando o comércio de bens produzidos por crianças. Em alguns locais, havia requisitos obrigatórios para que as crianças frequentassem a escola, mas a maioria não o fazia. Apesar de crianças de origem rica irem à escola todos os dias, as outras crianças trabalhavam diariamente no século 19. O tipo de trabalho realizado variava de acordo com o local onde as crianças viviam.

Outras pessoas estão lendo

A vida na cidade

A Revolução Industrial mudou a economia no século 19. Muitas crianças que viviam nas cidades trabalhavam em fábricas. Elas podiam ser comumente encontradas em fábricas de algodão, de lã e de papel. No geral, constituíam 50% dos trabalhadores em fábricas de algodão, aproximadamente 41% dos que trabalhavam em fábricas de lã e 24% dos que estavam nas fábricas de papel. Elas muitas vezes trabalhavam diversas horas durante o dia e a noite. Muitas delas trabalhavam em regime de exploração infantil.

A vida rural

As famílias que possuíam ou alugavam terras agrícolas geralmente trabalhavam como uma família. As crianças começavam a ajudar com o trabalho já com cinco anos de idade. A participação da criança em trabalhos agrícolas crescia à medida que ela ficava mais velha. Assim que um menino amadurecia e ficava mais forte, começava a fazer trabalhos mais árduos. As meninas, assim que cresciam, passavam a ficar responsáveis por tarefas domésticas, em preparação para o casamento. A jovem normalmente se casava aos 15 anos. Algumas crianças em ambientes rurais eram educadas em casa pelos pais ou em pequenas escolas organizadas por igrejas, mas a alfabetização era incomum.

A vida pioneira

As famílias pioneiras viviam em territórios fora da cultura e da economia estabelecida dos estados. Devido à falta de estrutura, a vida diária de uma criança nas pradarias no século 19 poderia ser mais dura que a vida nas cidades industriais. Para uma criança, a vida na pradaria se assemelhava à vida em uma fazenda, com o trabalho diário e as tarefas de cultivar a terra para a sobrevivência da família. Muitas vezes, havia confrontos violentos entre pioneiros e nativos reassentados nas pradarias e em outras regiões do país em desenvolvimento. Além de trabalhar na terra, as crianças tinham que saber como defendê-la.

Infância

No início dos anos do século 19, a educação era reservada aos ricos. Isso começou a mudar perto de 1830. As leis começaram a surgir, proibindo o emprego de crianças com idades inferiores a 15 anos que não tivessem recebido pelo menos três meses de escolaridade no ano anterior. Em 1850, leis semelhantes passaram a ser adotadas, regulamentando para 10 o número total de horas que uma criança poderia trabalhar por dia. Com o crescimento da psicologia como ciência, na segunda metade do século 19, o conceito de infância como uma fase de desenvolvimento da vida foi introduzido na cultura das pessoas. O conceito de leis de trabalho infantil cresceu em popularidade à medida que o século 19 terminou e o 20 começou.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível