×
Loading ...

As pessoas mais criativas da História

Hemera Technologies/AbleStock.com/Getty Images

Introdução

O que seria do mundo sem os grandes inventores, as pessoas criativas? Em primeiro lugar, um planeta bem mais chato, sem muitas novidades ou surpresas. Seria um lugar com maiores dificuldades para se locomover, se comunicar ou mesmo para combater algumas doenças. Por outro lado, as guerras seriam menos sangrentas e um número menor de pessoas seria sacrificada nos conflitos. Para o bem ou para o mal, a criatividade e a genialidade de muitos mudaram os rumos da humanidade para sempre. Conheça 15 personalidades, de várias épocas, que moldaram o passado, o presente e talvez o futuro com seu brilhantismo.

Photos.com/Photos.com/Getty Images

Alexandre, o Grande

Alexandre Magno nasceu em 356 a.C. e, com apenas 20 anos, se tornou rei da Macedônia. Dez anos depois, comandava o maior império que o mundo já vira. Era um estado colossal, que ia da Europa à Índia. Para conquistar tal feito, mesmo tão jovem, concebeu novas estratégias militares. Com ataques pelos flancos, derrotava exércitos muito maiores que os seus. Inventou novas armas e aperfeiçoou outras, como a sarissa (uma lança com 7 metros de comprimento). Não se detinha em nenhum obstáculo e chegou a criar uma ponte de um quilômetro de extensão sobre o mar para transportar torres de cerco, que foram usadas para invadir a ilha de Tiro. Morreu em 323 a.C.

Photos.com/Photos.com/Getty Images

Leonardo da Vinci

Pintor, escultor, matemático, cientista, engenheiro civil e militar, arquiteto, botânico, inventor, anatomista, músico e poeta. Apenas a lista de ocupações bastaria para considerar o florentino Leonardo da Vinci, nascido em 1452, como uma das pessoas mais criativas da história. Mais conhecido como o autor dos quadros “Monalisa” e “Última Ceia”, ele também se notabilizou por projetos de edifícios públicos, armas de guerra e muitos inventos. Equipamentos modernos, como o helicóptero, o planador e outros, foram inspirados nos seus esboços, feitos mais de 400 anos antes. Seus estudos de anatomia são tão modernos que apenas séculos depois foi possível comprovar que eles eram perfeitos. Morreu em 1519, celebrado como um mito inigualável.

Photos.com/Photos.com/Getty Images

Santos Dumont

Alberto Santos Dumont, nascido em 1873, é um dos maiores vultos brasileiros. Ele é celebrado como o nosso grande inventor, por ter sido o primeiro a voar com um aparelho mais pesado que o ar, em 1906. Mas anos antes ele já mostrava seu profundo interesse por invenções, praticando balonismo e projetando os primeiros dirigíveis. Em 1900, conseguiu contornar a Torre Eiffel com seu balão moderno. Anos depois ele ainda criaria um precursor do ultraleve, além de reciclar a antiga ideia do relógio de pulso. Apesar de suas grandes aventuras, o inventor prolixo passou os últimos anos de sua vida deprimido com o uso bélico do avião na Primeira Guerra Mundial. Suicidou-se em 1932.

Hemera Technologies/PhotoObjects.net/Getty Images

Thomas Edison

Um dos maiores inventores da história, o norte-americano Thomas Alva Edison nasceu em 1847. Durante toda sua vida, registrou mais de 2 mil patentes, incluindo a da lâmpada elétrica, sua produção mais famosa. No entanto, ele também aperfeiçoou inventos alheios, como a câmera cinematográfica, o telefone e a máquina de escrever. Entre seus projetos, estava a criação de alimentos empacotados a vácuo e até mesmo um aparelho de raios-X. Em 1888, funda a Edison General Electric, em que transforma em realidade muitos de seus inventos, além de fabricar outros produtos elétricos. O gênio morreu em 1931, aos 84 anos, coberto de glórias.

Ryan McVay/Photodisc/Getty Images

Alexander Graham Bell

O escocês Alexander Graham Bell é outro cientista prolixo da virada dos séculos XIX e XX. Nascido em 1847, ele demonstrou tino para as criações tecnológicas desde cedo. Aos 23 anos, já começava a realizar suas primeiras pesquisas para criar um aparelho que transmitisse a fala. Em 1876, apresentou o telefone, pelo qual ficou famoso. Ele ainda teve vários outros inventos registrados em seu nome, como o telégrafo e hidroaviões. No entanto, sua fama foi arranhada pelas acusações de que teria se apropriado de sua invenção mais célebre. O italiano Antonio Meucci alegou ser o real criador, processou Bell e morreu antes da conclusão do julgamento. Em 2002, os Estados Unidos creditaram o invento do aparelho telefônico a Meucci.

Justin Sullivan/Getty Images News/Getty Images

Steve Jobs

Macintosh, iPod, iPhone e iPad, produtos de utilidade inquestionável nos dias de hoje, existem graças ao norte-americano Steve Jobs. Nascido em 1955, ele se tornou um dos nomes mais importantes da indústria tecnológica dos últimos 40 anos. Com Steve Wozniak, criou em 1976 a Apple, que produziu os primeiros computadores pessoais. Nas décadas seguintes, a empresa se destacaria no ramo da informática e da indústria de entretenimento. Seus inventos, além de revolucionários no conteúdo, também se destacavam pela forma. Todos eles vinham com um conceito de design extremamente avançado. De quebra, ainda criou a Pixar, estúdio responsável pela produção de animações espetaculares como "Toy Story", "Monstros S.A" e "Procurando Nemo". Morreu em 2011, vítima de câncer.

ChinaFotoPress/Getty Images News/Getty Images

Bill Gates

Nascido em 1955, o norte-americano Bill Gates é o arquétipo do nerd. Ainda adolescente, trabalhou na produção de vários programas para fliperamas e computadores. Aos 19 anos, fundou com Paul Allen a Microsoft, que revolucionou a indústria da tecnologia. No início dos anos 80, criou o seu primeiro sistema operacional para os CPUs: o MS-DOS. Em 1985, nasce o Windows, com sua interface totalmente colorida e a apresentação dos dados feita por meio de janelas. O mundo da informática jamais seria o mesmo. O sucesso foi tão grande que Gates encabeçou a lista dos homens mais ricos do mundo por 12 anos seguidos. Em 2008, deixou a empresa para se concentrar em seus projetos filantrópicos.

Jennifer Graylock/Getty Images Entertainment/Getty Images

Walt Disney

Um mundo fantástico de sonhos e fantasia se formou graças à criatividade e sensibilidade de Walter Elias Disney, pai de personagens inesquecíveis como Mickey e Minnie (foto), Pato Donald, Pateta e tantos outros. Nascido em 1901, o empresário e artista de mente fértil apresentou suas primeiras criações aos 22 anos, para uma série de curtas de animação. Nos anos 1930, lançou os primeiros desenhos em longas-metragens, como “Branca de Neve e os Sete Anões”, “Pinóquio” e “Bambi”. Recebeu 22 Oscar durante a vida, um recorde absoluto. Em 1955, realizou um sonho ao inaugurar a Disneylândia, um belíssimo parque na Califórnia. Morreu em 1966, cinco anos antes da inauguração da gigantesca Disneyworld, na Flórida.

Creatas/Creatas/Getty Images

Orson Welles

Conta-se de Orson Welles que aprendeu a ler aos dois anos de idade. Verdade ou lenda, a história ilustra a inteligência e sagacidade do norte-americano, nascido em 1915. Ator, diretor, roteirista, produtor e radialista, ele foi um furacão que passou pelos Estados Unidos, sempre causando polêmica e deixando sua marca. Em 1938, produziu uma versão radiofônica do livro “A Guerra dos Mundos”, que narra uma invasão alienígena. O realismo foi tão grande que causou pânico nos ouvintes. Em 1941, produziu e dirigiu um dos maiores filmes da história, “Cidadão Kane”, em que interpretava o protagonista. Enfrentou problemas para concluir outras produções, mas seguiu sua carreira de ator, especialmente no teatro. Morreu em 1985.

Hemera Technologies/Photos.com/Getty Images

J. R. R. Tolkien

"Num buraco no chão vivia um hobbit". Essa frase, curta e inicialmente sem sentido algum, é o marco zero de uma das mais fantásticas sagas já escritas na literatura. A frase foi a abertura do livro “O Hobbit”, escrito pelo sul-africano John Ronald Reuel Tolkien. Nascido em 1892, foi um dos escritores mais criativos do século XX. Foi nesta obra que ele concebeu um reino fantástico, habitado por seres mágicos e misteriosos: a Terra Média. Este universo especial seria explorado com ainda mais intensidade nos três livros da série “O Senhor dos Anéis”, publicado em 1949. Morreu em 1973, quatro anos antes da publicação de seu livro mais querido, “O Silmarillion”.

Paul Marotta/Getty Images Entertainment/Getty Images

Albert Einstein

Laureado com o Prêmio Nobel em 1921, o físico teórico Albert Einstein é tido como o maior gênio do século XX. Nascido em 1879, na Alemanha, ele revolucionou os estudos sobre tempo, espaço, massa e energia. Entre seus principais trabalhos, estão o desenvolvimento da fórmula E=mc2 (energia é igual à massa vezes a velocidade da luz ao quadrado) e, principalmente, da teoria da relatividade. Em 1933, muda-se para os Estados Unidos, fugindo da perseguição nazista aos judeus. Na nova pátria, alertou o então presidente Franklin Roosevelt que os alemães poderiam projetar uma bomba atômica. Morreu em 1955, após ter publicado mais de 300 trabalhos científicos.

Alberto E. Rodriguez/Getty Images Entertainment/Getty Images

George Lucas

O cinema nunca mais foi o mesmo após o primeiro filme da saga “Star Wars”, de 1977. A revolução foi total: um filme de ficção científica, focado no público juvenil, contando a história de guerras realizadas há muito tempo, em uma galáxia distante. Tudo obra do cineasta norte-americano George Lucas, nascido em 1944. Sua mente irrequieta criou uma história fantástica, com personagens fascinantes como Luke Skywalker e Darth Vader. O enredo trazia influências da mitologia nórdica, greco-romana e japonesa. Os seis filmes da série fizeram um sucesso avassalador e influenciaram todos os segmentos culturais desde então. Os efeitos especiais deram um salto incomparável graças a estas produções. Outro de seus grandes sucessos foi a franquia Indiana Jones.

Photos.com/Photos.com/Getty Images

Julio Verne

Se o homem viajou à Lua, mergulhou nas profundezas do oceano e deu a volta ao mundo em algum objeto voador, deve isso a Julio Verne. O escritor francês nascido em 1828 é considerado o pai da ficção científica, tendo criado histórias de qualidade e criatividade incomparável. Suas obras mais famosas são “Volta ao Mundo em 80 Dias”, “Viagem ao Centro da Terra”, “Vinte Mil Léguas Submarinas” e “Da Terra à Lua”, que traziam aventuras fantásticas em ambientes ainda não explorados. Estes e outros livros inspiraram cientistas, arquitetos, projetistas e, claro, outros autores. Muitos inventos, como o submarino ou foguetes espaciais, surgiram pela primeira vez em suas obras. Morreu em 1905, celebrado como gênio criativo.

David De Lossy/Digital Vision/Getty Images

Mauricio de Sousa

Nascido em 1935, Mauricio de Sousa é uma espécie de Walt Disney brasileiro. Criou uma série de personagens carismáticos e divertidos, que encantam crianças e adultos. Graças a eles, arquitetou um império do entretenimento, que inclui revistas em quadrinhos, livros, parques temáticos e centenas de produtos licenciados. Seu primeiro trabalho como cartunista foi com as tiras do cachorro Bidu, em 1959. A partir de então, surgiram criações como Cebolinha, Cascão e Chico Bento, inspirados em seus filhos ou amigos de infância. Em pouco tempo, animações em curta e longa metragem com a Turma da Mônica também ganharam as telas de cinema.

Photos.com/Photos.com/Getty Images

Michelangelo

Ao lado de Leonardo da Vinci, foi o maior nome da Renascença, movimento de efervescência cultural na Europa do século XVI. Michelangelo Buonarroti nasceu em 1475 e se destacou como pintor, escultor, arquiteto e poeta. Algumas das mais famosas obras de arte do mundo ocidental foram realizadas por ele, como as esculturas “Davi” e “Pietá”. Isso sem falar em parte do projeto arquitetônico da Basílica de São Pedro e, principalmente, as fabulosas pinturas localizadas no teto da Capela Sistina (foto). Seu talento sem igual permitiu criar um portfólio gigantesco e riquíssimo, unindo o sagrado ao profano, o suave ao sombrio. Nunca mais haverá um gênio das artes como o toscano, que faleceu em 1564.