Mais
×

Curiosidades sobre a história do dinheiro

Dinheiro
Medioimages/Photodisc/Photodisc/Getty Images

Introdução

Você já imaginou como seria a vida sem o dinheiro? Nos dias de hoje não dá nem pra pensar nessa possibilidade, afinal faz parte do nosso dia a dia e traz inúmeras facilidades. O dinheiro é usado na compra de bens, serviços, força de trabalho e demais transações financeiras. Mas nem sempre foi assim. Há séculos e séculos atrás, quando não existia o dinheiro (enquanto moeda), tudo era feito por meio da troca. E assim como a civilização, o dinheiro também passou por uma grande evolução. Clique na flecha ao lado da foto para saber como isso aconteceu com o passar do tempo.

Escambo
Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

O escambo

A troca de mercadoria por mercadoria, chamada de escambo, foi a primeira forma de relação comercial no início da Humanidade, quando ainda não havia o dinheiro. Na prática funcionava assim: se uma pessoa tinha carne de sobra e, a outra, milho em excesso, os interessados faziam a troca de um produto pelo outro. Mas nem sempre essas transações eram bem-sucedidas, por conta da dificuldade de se estabelecer o real valor de cada coisa. Tal obstáculo levou cada civilização a encontrar uma maneira de dar valor às mercadorias baseado em algum elemento que tinha um significado importante para aquele povo. Surgiram então as moedas de troca ou moedas-mercadorias.

Boi como moeda de troca
Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

A moeda-mercadoria

Alguns produtos, como boi, pedras e metais, passaram a ser mais procurados do que outros, o que fez com que se tornassem moedas-mercadorias, consideradas por todos como objetos de grande valor. O boi, para se ter uma ideia, foi uma das moedas mais antigas do mundo. Já o sal, usado para conservar os alimentos, também foi utilizado como um valioso instrumento de troca. E você sabia que a palavra "salário" tem como origem a utilização do sal, em Roma, para o pagamento de serviços prestados? E que termos como "pecúnia" (dinheiro) e "pecúlio" (dinheiro acumulado) que usamos no nosso vocabulário são derivadas da palavra latina "pecus", que significa gado? Interessante, não?!

Objetos de metal
Zedcor Wholly Owned/PhotoObjects.net/Getty Images

O metal

Com o tempo as mercadorias perecíveis se tornaram inconvenientes às transações comerciais, porque o valor oscilava muito e não era possível acumular riquezas. Nesse momento, entra em cena o metal -- um material raro, com inúmeras vantagens, como a facilidade de transporte e beleza e, principalmente, a possibilidade de entesouramento. No início, o metal era comercializado em seu estado natural, em barras e até em forma de objetos e joias. Devido à valorização dos instrumentos confeccionados em metal, este passou a ser utilizado como moeda e circulava como dinheiro.

Hemera Technologies/PhotoObjects.net/Getty Images

Moedas

As primeiras moedas, cunhadas em ouro e prata, surgiram na Lídia (atual Turquia), no século VII a.C. Eram parecidas com as que conhecemos hoje, com peso e valor definidos e com a impressão do cunho oficial. Dizem que as moedas revelam a mentalidade de um povo e de sua época. A escolha do que vai ser representado numa moeda não é aleatória: aspectos políticos, econômicos e culturais influenciam nessa decisão. A primeira figura histórica a ter sua imagem registrada numa moeda foi Alexandre, o Grande, da Macedônia, por volta do ano 330 a.C.

Visage/Stockbyte/Getty Images

Moeda de papel

Na Idade Média, havia o costume de deixar os objetos valiosos guardados com um ourives (pessoa que vendia peças de ouro e prata). Ao receber a mercadoria, o negociante entregava à pessoa um recibo da quantia guardada. Com o tempo, esses recibos passaram a circular de mão em mão, sendo utilizados como forma de pagamento. Foi assim que surgiu a moeda de papel. Ao longo dos séculos, as cédulas passaram por várias mudanças em seu aspecto físico. Nos dias de hoje, a confecção de cédulas utiliza papel especialmente preparado e diversos processos de impressão, o que garante a segurança e condições das notas e moedas.