Danças da moda da década de vinte

Escrito por nancy hayden | Traduzido por daniela miyano
Danças da moda da década de vinte
Mulheres dos anos 1920 que iam contra o comportamento convencional eram chamadas de petulantes (Hemera Technologies/PhotoObjects.net/Getty Images)

Os anos 1920 foram tempos conturbados e de celebração. Após os sacrifícios da Primeira Guerra Mundial, as pessoas em todo o mundo sentiram a necessidade de se soltar. Elas descobriram um novo senso de liberdade, com as mulheres adotando cortes curtos de cabelo e começando a usar roupas mais curtas e reveladoras. Os novos sons da Era do Jazz inspiraram danças que eram escandalosas para as gerações anteriores.

O Charleston

O Charleston apareceu pela primeira vez em um musical da Broadway de 1923, intitulado "Running Wild". A dança rapidamente se tornou mania nacional e virou sinônimo da música caricata dos anos 1920. O passo básico consiste na dançarina colocar seu peso em um pé e chutar para frente e para trás com o outro. Os movimentos com os braços variam, mas incluem a dançarina fazendo círculos com as mãos na frente do corpo e cruzando uma mão sobre a outra enquanto se inclina sobre os joelhos. Casais dançavam o Charleston juntos segurando uma mão e olhando para a mesma direção.

O Foxtrot e o Lindy Hop

Outras danças agitadas da era do Jazz incluem o Foxtrot e o Lindy Hop. Os casais dançavam esses passos rápidos nos braços um do outro. Danças com tamanha proximidade raramente eram feitas em músicas agitadas antes dos anos 1920, e era ainda mais raro em músicas lentas no começo do século XX. O Foxtrot consiste em passos lentos para frente e para trás, seguidos de passos rápidos para os lados. O Lindy Hop foi assim nomeado por causa do piloto Charles Lindbergh. Seu primeiro voo solo ou "hop" (salto) sobre o Oceano Atlântico inspirou a dança na qual os casais saltitavam em sequências rítmicas. Como parte do Lindy, o parceiro masculino girava sua parceira no ar.

Danças lentas

Danças lentas como a valsa e o tango se tornaram populares na Europa nos anos 1910, com a elegante Paris liderando o caminho. Muitos americanos, principalmente cidadão mais velhos, acharam as danças escandalosas devido o quão próximo os casais ficavam. Por volta dos anos 1920, essas atitudes conservadoras cederam e os casais começaram a encher as pistas de dança para participar da harmoniosa valsa vienense e dos ardentes tangos latinos. Em pouco tempo, até a alta sociedade passou a considerar essas danças como a regra.

Danças da moda em grupo

Dançar era uma atividade tão querida na década de vinte que os colégios regularmente organizavam bailes, e salões de dança abriram por todo o país. Com a lei seca em andamento, muitas boates se utilizavam da música e da dança como suas principais atrações. Maratonas de dança se tornaram tendência, com os casais competindo e dançando por horas, ou até dias, e com pouco descanso. A mais longa maratona de que se tem notícia durou três semanas. No meio da era do Jazz, a improvável tendência da dança de quadrilha se popularizou. Igrejas e escolas sediavam eventos nos quais um locutor liderava um grupo de pessoas na dança de quadrilha, que era feita ao som de música do folk e do oeste.