Mais
×

Dentes do juízo: mitos e verdades sobre a retirada dos sisos

Digital Vision./Digital Vision/Getty Images

Introdução

O siso, também conhecido como dente do juízo, é chamado assim por ser o último a se desenvolver. Isso acontece entre os 16 anos e os 21 anos de idade. Eles são os terceiros molares e estão localizados no fundo da boca. Devido a mudanças na dieta humana, eles não encontram espaço na arcada dentária para se desenvolver e sua extração se torna necessária. Por causa disso, muitas histórias são inventadas. Algumas delas são verdades, mas existem alguns "contos da carochinha" neste meio. Vamos desvendar alguns mitos e verdades. Assim, não será tão assustador quando você for ao dentista.

Thinkstock Images/Comstock/Getty Images

Todo mundo tem os sisos

O ser humano está em constante evolução, ainda que você não perceba. Devido ao aumento do calor, é mais comum que hoje tenhamos menos pelo, por exemplo. Mudanças na conforrmação bucal também ocorreram ao longo do tempo. Algumas pessoas têm maior espaço bucal que outras. A verdade é que existem pessoas que têm os sisos e não sabem. E outras, nunca os verão. Portanto, se você estiver nessa idade ou já passou e não sentiu dor alguma, você se encaixa no seleto grupo que não fará a visita ao dentista. Pelo menos, não por causa dos sisos.

Thinkstock/Comstock/Getty Images

Existe idade certa para retirar os sisos?

Algumas pessoas acham que os dentes devem ser retirados logo após sua aparição. Caso isso aconteça ainda na adolescência, o melhor é removê-los por volta dos 17 anos, mas somente se necessário. Nesta idade, a posição dos outros dentes facilita a extração. Se não comprometer o alinhamento da arcada dentária, não há necessidade de arrancá-los. Sem contar que a recuperação é mais segura quando somos mais jovens do que quando temos 40 anos, por exemplo. Também é mais saudável que sua retirada seja antes de seu total desenvolvimento.

BananaStock/BananaStock/Getty Images

É preciso arrancar os quatro dentes?

Não necessariamente é preciso extrair todos os sisos. Às vezes, sua boca pode ser maior de um lado do que de outro. Desta forma, você terá um espaço do lado direito, e não no lado esquerdo, por exemplo. Seu dentista será o responsável por essa análise e dirá o que é melhor para sua saúde. O que não pode acontecer é a retirada de um siso superior e a manutenção do seu correspondente inferior. Isso pode acarretar problemas na mordida e tornar este pequeno inconveniente um verdadeiro problema.

Digital Vision./Digital Vision/Getty Images

Posso arrancar os quatro de uma só vez?

Se você é daquelas pessoas que morrem de medo de sentar na cadeira do dentista, essa pode ser uma solução. Na maioria dos casos, os profissionais removem os dentes de um lado primeiro e, noutra ocasião, os do outro. Eles fazem isso para que os pacientes possam continuar se alimentando de maneira normal. Mas, para a alegria dos "odontófobos", arrancar os quatros sisos de uma só vez é possível e não traz grandes complicações. Além de passar pela cirurgia uma só vez, eles se recuperarão mais rápido.

Hemera Technologies/PhotoObjects.net/Getty Images

O que fazer com as raízes?

Acredita-se que as raízes dos sisos devem ser mantidas na boca, extraindo-se somente os dentes. Mas isso não é normal. Caso o dentista escolha deixar as raízes, é necessário fazer um acompanhamento periódico. Dependendo da região, do tamanho das raízes e se o local está ou não infeccionado, pode haver complicações sérias. Edema, hemorragia, fratura da mandíbula, lesões da gengiva, nervos ou dentes e parestesia (formigamento ou sensação de pressão com ausência de estimulação). Esta última é comum que seja temporária, voltando ao normal em três dias.

Medioimages/Photodisc/Photodisc/Getty Images

Repouso pós-operatório

Como toda cirurgia, a extração dos sisos exige um repouso mínimo de três dias. A alimentação deve ser à base de líquidos ou purês, dando preferência a bebidas frias durante os dois primeiros dias. É necessário descansar todo o corpo. Atividades físicas, nem pensar. Durante uma semana, nada de ver a cor da bola, a piscina ou a esteira para correr. Não se deve deixar de higienizar a boca com escovação, tomando cuidado com a parte impactada, conforme orientado por seu dentista. Em caso de dor ou inchaço, é aconselhável aplicar compressas de gelo na parte externa da área lesionada. Caso sangre, não se desespere, é normal.

Medioimages/Photodisc/Photodisc/Getty Images

Complicações

Complicações podem ocorrer em alguns pacientes. Dificuldade para abrir a boca é uma das mais recorrentes. Isso é conhecido como trismo. Algumas vezes também é acompanhado de dores. Neste caso, o profissional deve receitar anti-inflamatórios, bochecho com água morna e sal ou compressa externa. Também é possível que só ocorra dor alguns dias após a cirurgia. Trata-se da alveolite, que acomete 20% dos operados. Ela é causada pela saída de um coágulo ou entrada de comida no orifício de onde foi extraído o dente ou, ainda, pelo organismo estar tentando eliminar um pedaço de osso deixado no local, por exemplo. Se houver complicações, consulte seu dentista.