on-load-remove-class="default-font">
×
Loading ...

Desastres aéreos marcados pelo mistério

Getty Images

Introdução

Desde o início do século 20 que os homens viajam longas distâncias pelos céus em aviões. Infelizmente, não demorou para que ocorressem acidentes com as novas máquinas. A primeira com vítimas fatais ocorreu em 1908, nos Estados Unidos. Desde então, milhares de pessoas perdem a vida em tragédias provocadas por diversos motivos. Há ainda registros de aviões que desapareceram por razões desconhecidas e nunca mais foram encontrados, assim como seus ocupantes. Um exemplo foi o ocorrido com o avião da Malaysia Airlines, em 2014. Confira uma lista de dez dos mais intrigantes casos da aviação mundial.

Getty Images/Getty Images News/Getty Images

Oceano Pacífico, 1937

Um dos mitos da aviação, a escritora norte-americana Amelia Earhart, se notabilizou por ser a primeira mulher a voar sozinha sobre o Oceano Atlântico, sem escalas, em 1932. Cinco anos depois, ela se notabilizaria por um acidente misterioso. A bordo de uma Lockheed Electra, ela e o navegador Fred Noonan iniciaram em 1º de junho uma viagem ao redor do mundo. Eles partiram de Miami, nos Estados Unidos, e fizeram várias escalas até Nova Guiné, no Oceano Pacífico. No dia 2 de julho, o avião desapareceu perto da Ilha de Howland e nunca mais foi encontrado.

Hulton Archive/Hulton Archive/Getty Images

Canal da Mancha, 1944

Um dos mais populares músicos de seu tempo, o trombonista Glenn Miller fez grande sucesso como músico de jazz nas décadas de 1930 e 1940. Em 1942, resolveu dar sua contribuição às forças aliadas na Segunda Guerra Mundial, realizando números musicais para os soldados. Em 15 de dezembro de 1944, ele partiu de uma base da Força Aérea Britânica rumo a Paris, em um Norseman C-64. O avião, infelizmente, não conseguiu chegar a seu destino. Desde então, surgiram várias teses para explicar o desaparecimento, inclusive a de que seu avião teria sido abatido por "fogo amigo". Seu corpo jamais foi encontrado.

Getty Images

Triângulo das Bermudas, 1945

Situado entre a Flórida, Porto Rico e o arquipélago das Bermudas, o Triângulo das Bermudas é uma área do Caribe que se notabilizou pelos seguidos acidentes misteriosos envolvendo aviões e embarcações. Os primeiros registros datam do século 19, mas foi a partir dos anos 1940 que os casos passaram a ocorrer com incrível frequência, com as vítimas sumindo sem deixar vestígios. O primeiro evento desse período ocorreu em 5 de dezembro de 1945. Nada menos que cinco aviões de combate norte-americanos partindo da Flórida sumiram após cruzar a região. Um avião de resgate foi enviado em seguida, mas também desapareceu.

Getty Images

Estados Unidos, 1950

Um dos mais intrigantes casos de desaparecimento de aeronaves ocorreu em junho de 1950, nos Estados Unidos. Um DC-4 da companhia Northwest Airlines partiu de Nova York rumo ao estado de Minnesota, quando sobrevoou o gigantesco Lago Michigan. Foi nesse momento que a aeronave perdeu altitude e caiu. As equipes de busca fizeram uma grande varredura na região, mas não conseguiram encontrar nenhum pedaço do avião. Das 58 pessoas que estavam a bordo, quase nada foi encontrado. As razões para a queda do avião permanecem um mistério até os dias de hoje.

Getty Images

Estados Unidos, 1951

Um ano após o desaparecimento do avião da Northwest Airlines, outro DC-4 se envolveu em um misterioso acidente nos Estados Unidos. Dessa vez, a aeronave pertencia à Canadian Pacific. Ela deixou a cidade canadense de Vancouver no dia 21 de julho rumo a Tóquio (Japão). Ao sobrevoar o Alasca, o avião desapareceu. O último relatório emitido pela tripulação informou que as condições do tempo eram extremamente adversas, com chuva forte e baixa visibilidade. Durante vários dias, foram realizadas buscas para encontrar destroços da aeronave ou os corpos dos 37 ocupantes (31 passageiros e seis tripulantes), sem sucesso.

Getty Images

Guam, 1962

A Guerra do Vietnã tinha acabado de começar quando um grupo de militares norte-americanos deixou a Califórnia rumo às Filipinas. O primeiro trecho da viagem, entre os EUA e a ilha de Guam, no Oceano Pacífico, correu sem sobressaltos. A segunda parte do percurso, no entanto, foi fatal. A aeronave modelo Super Constellation desapareceu sem deixar vestígios e nenhum dos 107 ocupantes (96 passageiros e 11 tripulantes) foi encontrado. Uma intensa investigação foi realizada pelas forças armadas, mas nunca se chegou a um consenso sobre as razões do desaparecimento.

Getty Images

Oceano Pacífico, 1964

Este é mais um caso de sumiço envolvendo um exemplar dos antigos DC-4. O caso ocorreu em 1964, quando a aeronave deixou a Ilha de Wake (no Oceano Pacífico) rumo a Los Angeles, nos Estados Unidos. Quando estava a apenas 500 quilômetros de seu destino, o comandante informou que enfrentava problemas no motor. O avião e seus nove ocupantes nunca foram encontrados. O máximo que as equipes de buscas conseguiram encontrar foi uma mancha de óleo no meio do mar, mas nem isso serviu para identificar as vítimas ou a fuselagem da aeronave.

Getty Images

Japão, 1979

Este acidente envolveu o avião da companhia aérea brasileira Varig, em 30 de janeiro de 1979. O Boeing 707, de carga, deixou Tóquio rumo ao Rio de Janeiro, com uma escala em Los Angeles (EUA). Quando estava a 500 quilômetros do local de partida, o avião não emitiu mais sinais para os controladores de voo em solo nipônico. A aeronave e os seis tripulantes jamais foram encontrados. Especulou-se que o Boeing teria sido sequestrado, já que transportava 150 quadros do artista plástico japonês Manabu Mabe (que custavam mais de US$ 1 milhão à época), mas nada foi constatado.

Getty Images

Angola, 2003

Este talvez tenha sido o mais espetacular dos desaparecimentos de aviões. Ao contrário dos demais casos citados, a razão do sumiço deste é claramente conhecida: ele simplesmente foi roubado. O caso aconteceu em 25 de maio de 2003, no Aeroporto Quatro de Fevereiro, em Luanda (Angola). O Boeing 727-223 estava sob controle da companhia aérea TAAG Angola Airlines, quando decolou de forma irregular. Naquele momento, a aeronave era ocupada por apenas dois funcionários da companhia, que não tinham experiência para pilotar um avião daquele porte. O que aconteceu a partir de então é um completo mistério.

Stockbyte/Valueline/Getty Images

Sudeste Asiático, 2014

Em 8 de março de 2014, o Boeing 777 da Malaysia Arlines deixava o Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, na Malásia, com destino à capital chinesa, Pequim. O voo 370 transportava 239 pessoas, sendo 227 passageiros e 12 tripulantes. Uma hora após a decolagem, a aeronave não foi mais detectada pelos controladores de voo. Seu último sinal fora dado ao sobrevoar as proximidades do Vietnã. O curioso é que nenhuma mensagem de socorro foi emitida pela tripulação. Desde o sumiço, 26 países vêm colaborando nos esforços para localizar o avião (ou o que restou dele), mas nada foi encontrado até agora.

Getty Images

Outras tragédias marcantes

Apesar de menos misteriosos, outros desastres aéreos entraram para a história. Seja pela gravidade desses acidentes ou pelas personalidades que vitimizaram. Em 2 de fevereiro de 1996, todos os integrantes da banda Mamonas Assassinas morreram quando o avião que ocupavam caiu na Serra da Cantareira, em São Paulo. Os ataques terroristas do 11 de setembro de 2001 resultaram nas mortes de 2.977 pessoas, além dos 19 sequestradores responsáveis pelos atos. Em 13 de agosto de 2014, o jatinho ocupado pelo então candidato a presidente Eduardo Campos caiu no município de Santos, no litoral de São Paulo, resultando na morte de todos os ocupantes.