Mais
×

Como descobrir a carreira que tem mais a ver com você?

Getty Images

Introdução

Você está prestes a escolher um curso universitário. No entanto, ainda não se decidiu sobre a profissão que pretende seguir. E agora? Com exceção de um ou outro que descobre sua vocação mais cedo, grande parte dos jovens fica inseguro quanto ao rumo que vai definir sua vida. Um bom meio para facilitar a escolha é por meio de orientação vocacional, feita por psicólogos. A psicóloga Maria Carolina Socreppa, especializada em Psicanálise Clínica da Unicesumar (Centro Universitário Cesumar), traz algumas dicas importantes para seguir antes de partir para a avaliação. Siga os passos e boa sorte!

Digital Vision./Digital Vision/Getty Images

Cuidado com as análises superficiais

Em geral, existe um padrão que liga os gostos pessoais a determinados cursos. Estudantes que gostam de literatura, artes e de acompanhar o noticiário costumam escolher profissões como Jornalismo, Letras ou cursos ligados às artes. Pessoas mais ligadas a cálculos e projetos buscam Arquitetura ou Engenharia. Os detalhistas, que sempre estão atentos aos indícios mais difíceis de encontrar, preferem Direito, Medicina ou Veterinária. No entanto, a psicóloga diz que este tipo de comparação é simplista e perigoso. “Gostar de uma matéria escolar é um bom sinal, mas também pode ser uma armadilha. As profissões são mais complexas que as matérias do colégio.”

Jupiterimages, Brand X Pictures/Brand X Pictures/Getty Images

Estude a si mesmo

Para a psicóloga, mais do que gostos pessoais superficiais, o que definirá a sua profissão ideal é uma análise profunda de si mesmo. Ela recomenda que todos os estudantes, antes de escolher a profissão, façam uma reflexão longa e profunda. “Estude-se e questione: quem sou eu? Qual o meu projeto de vida? Como me vejo no futuro desempenhando o meu trabalho? Quais são os meus principais gostos, interesses e valores?”, recomenda a psicóloga aos jovens. Este tipo de questionamento pode gerar alguma ansiedade, mas é fundamental para chegar a uma resposta objetiva e satisfatória sobre a carreira a ser escolhida.

Creatas Images/Creatas/Getty Images

Pesquise as profissões disponíveis

Após realizar uma profunda análise sobre si mesmo, seus gostos e expectativas, o próximo passo é pesquisar bem as profissões disponíveis no mercado. Procure saber melhor o que cada profissional faz, como e onde. Tente obter algumas outras respostas como, por exemplo, "A remuneração é boa?" ou "É uma área que desempenha algum papel social importante?" "Converse ainda com pessoas já formadas para tirar algumas de suas dúvidas", recomenda Socreppa. Segundo ela, esse papo é muito importante para que você forme uma melhor opinião sobre a profissão que pretende escolher, com informações de quem realmente conhece o caminho das pedras.

Photodisc/Photodisc/Getty Images

Dinheiro não é tudo

Muitas pessoas escolhem uma carreira porque ela permite ganhar altos salários. Segundo Socreppa, este tipo de análise é muito arriscada. "Pensar tendo como base o dinheiro é importante, mas não pode ser a prioridade", explica. "O mercado muda com uma rapidez muito grande e uma profissão que paga bem hoje pode ser uma roubada no futuro", completa. Se houver uma redução da média salarial a médio e longo prazo, diz a psicóloga, o profissional pode se sentir frustrado. Especialmente se a questão financeira for o grande incentivo ao abraçar esta profissão. "Esta é uma decisão importante, para a vida toda. Tudo deve ser medido."

Visage/Stockbyte/Getty Images

Cuidado com os conselhos negativos

Durante toda a nossa vida, passamos por diferentes formas de provação. Constantemente somos avaliados por todos: amigos, familiares, vizinhos e colegas. Esse tipo de relação conflituosa não raro pode resultar na criação de estereótipos, inclusive alguns ligados ao rumo que você quer dar à sua vida. Na hora de escolher uma profissão, por exemplo, não faltará gente a dizer coisas como "Você não tem vocação pra isso". A psicóloga recomenda que este tipo de conselho não seja seguido em hipótese alguma. "Mais importante que alguns conselhos é pensar no seu próprio futuro: você se enxerga seguindo essa carreira no futuro?"

George Doyle/Stockbyte/Getty Images

Esqueça a relação candidato/vaga

Por incrível que pareça, há quem escolha sua profissão tomando como base a facilidade para entrar em determinado curso. Assim, profissões mais concorridas acabam sendo preteridas por outras, onde a relação candidato/vaga do vestibular é bem menor. A psicóloga não recomenda este tipo de atitude. "Pense antes na profissão. Procure saber como vivem os profissionais da carreira escolhida. Muitas delas exigem sacrifícios, como trabalhos nos fins de semana ou em lugares distantes." Ela diz que é valido insistir em carreiras onde há muitos profissionais: "Não descarte uma opção só porque há muitos trabalhando nessa área. Sempre há espaço para as pessoas competentes e comprometidas", orienta.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Enem é coisa séria

A cada ano a nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) ganha mais relevância no ingresso numa boa faculdade. Também vem ganhando importância para conquistar uma bolsa de estudos ou um financiamento estudantil. Por isso, leve a sério a prova. "Estude bastante para obter uma boa pontuação, o que poderá lhe garantir o ingresso nas melhores universidades e bons descontos", afirma Socreppa. Este é um dos passos importantes para que você possa seguir a profissão certa, sem sobressaltos ou problemas de maior magnitude. A partir de então, você estará a um passo de escolher o caminho que irá seguir em sua carreira.

Ryan McVay/Photodisc/Getty Images

Não desista do curso escolhido

Muitas pessoas, no passado, escolheram uma profissão para seguir, mas tiveram de desistir no caminho. A maioria por não poder pagar uma boa universidade. A psicóloga lembra que existem hoje muitas opções para seguir estudando. "Não deixe de fazer um curso de graduação apenas pelo preço da mensalidade. Hoje, existem várias opções de bolsas de estudos, parciais ou integrais e vários sistemas de financiamentos públicos e privados." Um bom exemplo é o Prouni, mantido pelo governo federal, em que o estudante pode realizar todo o curso sem pagar nada, mesmo estando em uma universidade privada. "A escolha da faculdade é fundamental", completa.