Mais
×

Dez doenças que afetam as pessoas

ayzek/iStock/Getty Images

Introdução

As doenças humanas são classificadas de acordo com sua origem. Por exemplo, elas podem ser infecciosas, como aquelas causadas por micro-organismos, ou surgirem em consequência de alguma alteração no nosso próprio corpo, como o diabetes, a insuficiência cardíaca e a hipertensão arterial. Além disso, muitas delas possuem várias causas, como os hábitos de alimentação, as atividades diárias, o ambiente de trabalho e os genes. Portanto, a consulta médica frequente é essencial para que possa identificar qualquer doença, caso a tenha, esclarecer dúvidas e tratá-la antes que o quadro evolua para algo mais grave.

Brand X Pictures/Brand X Pictures/Getty Images

Hipertensão arterial sistêmica

É considerada hipertenso uma pessoa cuja pressão arterial, medida por um profissional de saúde treinado, está acima dos valores considerados normais. Além de afetar mais de um bilhão de pessoas no mundo, essa doença aumenta o risco para outras situações graves, como o derrame cerebral e o infarto do coração, que representam risco de morte. A hipertensão arterial também causa danos ao rim ao longo dos anos, sendo necessário, portanto, acompanhamento médico para abaixar a pressão antes que esse órgão seja muito danificado.

Stockbyte/Stockbyte/Getty Images

Insuficiência cardíaca

A insuficiência cardíaca basicamente é a ineficiência do coração de bombear o sangue em quantidades suficientes para atender às necessidades do organismo. Qualquer doença que cause perda de parte da musculatura cardíaca, aumento de pressão ou aumento de volume sanguíneo pode levar a uma insuficiência cardíaca. Os sintomas podem ser falta de ar ao realizar algum tipo de esforço ou ao deitar sem travesseiros, inchaço e dilatação das veias do pescoço.

Jupiterimages/Pixland/Getty Images

Doença do refluxo gastroesofágico

O esôfago é como um tubo que leva o alimento que você engoliu ao estômago, onde será armazenado e parcialmente digerido. Já o refluxo é o retorno do conteúdo ácido estomacal para o esôfago podendo chegar até a boca, causando em seu percurso queimação, tosse, alterações dentárias e gosto ruim. Ele é mais comum quando a pessoa está deitada e, portanto, recomenda-se que se faça a última refeição do dia três horas antes de dormir. Essa doença afeta mais os homens que as mulheres e pode causar ulcerações, sangramento, diminuição do espaço para a passagem do alimento, alterações da superfície do esôfago e até tumores malignos.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Úlcera péptica

Úlceras pépticas são como feridas no estômago causadas pelo desequilíbrio na produção de ácido estomacal. Entre as principais causas dessa doença, estão as infecções pela bactéria Helicobater Pylori (H.pylori) e o uso de certos anti-inflamatórios. A bactéria produz uma inflamação que altera a regulação da liberação do ácido, agredindo a superfície do estômago. Já os anti-inflamatórios, como o ácido acetilsalicílico, diminuem a proteção das paredes do estômago contra a ação destrutiva dos ácidos digestivos. Doenças graves ou cirurgias extensas também podem causar indiretamente pequenas feridas no estômago.

Brand X Pictures/Brand X Pictures/Getty Images

Hepatite viral

Essa doença ocorre, por exemplo, durante a infecção pelo vírus da hepatite e causa mal-estar, náuseas, apetite reduzido, dor na região abdominal e pele amarelada, também chamada de icterícia. A hepatite viral é uma doença variável, podendo ser tanto leve como grave. Ela pode se curar espontaneamente, ser recidivante (períodos de melhoras alternados com de recaídas) ou crônica. O período de incubação, ou seja, o tempo entre o contato com o vírus e a manifestação dos primeiros sintomas, varia de duas a 20 semanas. Essa doença possui duas fases: a pré-ictérica, que cursa com cansaço, náuseas, perda do apetite e dor na região do fígado; e a ictérica, quando a pele fica amarelada, a urina escura, aumento das náuseas e do cansaço e as fezes podem ficar esbranquiçadas.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Esquistossomose

A esquistossomose, popularmente conhecida como barriga d’água, é uma doença comum e problemática nos países subdesenvolvidos. As suas manifestações iniciam com uma inflamação e coceira no local de entrada do micro-organismo após nadar em uma lagoa contaminada. Em seguida, entre 20 a 50 dias após o contato, os micro-organismos começam a pôr ovos nas veias do intestino grosso causando vários sintomas, como febre, calafrios, mal-estar, diarreia, perda de peso, tosse e falta de ar. A doença pode ser crônica, causando danos sérios ao fígado e levando ao acúmulo de líquido conhecido como barriga d'água.

Tom Le Goff/Photodisc/Getty Images

Insuficiência renal

O rim é o órgão responsável por filtrar e retirar do sangue as substâncias que o organismo deseja jogar fora. É nele que a urina é gerada, sendo armazenada na bexiga para logo mais ser eliminada. A perda da função renal pode ser repentina, levando a condições clínicas graves em um curto período, ou pode ser crônica, evoluindo lentamente ao longo dos anos. As principais causas são a diminuição do volume de sangue, a obstrução das vias urinárias pelas pedras nos rins, danos causadas por doenças autoimunes (em que o próprio organismo agride o rim) ou lesão por uso de certos medicamentos. As consequências mais comuns são retenção de líquido, gerando inchaço, e acúmulo de substâncias nocivas ao organismo.

Brand X Pictures/Brand X Pictures/Getty Images

Doença pulmonar obstrutiva crônica

Essa doença, que geralmente está associada ao tabagismo, transcorre com o comprometimento das vias aéreas do pulmão de forma irreversível. Ela se manifesta nas formas de enfisema pulmonar e bronquite crônica. Na primeira, o tecido pulmonar é agredido pela poluição do ar ou pela fumaça do cigarro, diminuindo a sua área funcional e, portanto, reduzindo a eficiência da respiração. Já na bronquite crônica, ocorre maior produção de muco e, por isso, há tosse e produção de escarro (secreção) com frequência. Em ambas as doenças, o principal sintoma é a falta de ar, sendo comum também a tosse, produção aumentada de escarro e sibilos (sons estridentes durante a respiração).

Stockbyte/Stockbyte/Getty Images

Diabetes melito

O diabetes melito, popularmente conhecido apenas como diabetes, consiste em alterações na forma como o corpo utiliza os açúcares, como a glicose, causando hiperglicemia (aumento de glicose no sangue). A insulina, cujo efeito está comprometido, estimula alguns tipos de células no corpo a serem capazes de absorver os açúcares do sangue. O diabetes tipo 1 é caracterizado pela baixa secreção de insulina pelo pâncreas e é mais comum em crianças e em adultos jovens. Já o diabetes tipo 2 é a resistência do organismo à insulina, ou seja, ela não consegue executar seu efeito e é mais comum em pessoas obesas acima dos 40 anos. Portanto, se as células não são capazes de absorver esses açúcares, eles se acumulam no sangue causando, por exemplo, aumento do volume da urina, feridas nos pés e pernas que demoram a cicatrizar, problemas cardíacos e renais e impotência sexual.

Jupiterimages/Pixland/Getty Images

Asma

Embora de causa ainda desconhecida, a asma envolve três mecanismos independentes: obstrução e inflamação das vias aéreas e alta sensibilidade a estímulos que normalmente são inofensivos. É uma condição comum e geralmente aparece antes dos 25 anos. O diagnóstico da asma cresceu muito desde 1970, principalmente em países industrializados, e é uma das causas mais comuns nas consultas médicas. Existe, além dos fatores ambientais, muitos genes que podem influenciar na ocorrência da asma. Durante a crise, ocorre dispneia (falta de ar), tosse, sibilos e ansiedade. O controle das crises é feito com medicamentos que dilatam ou diminuem a inflamação das vias aéreas.