Mais
×

As dez raças mais comuns de cachorro

damedeeso/iStock/Getty Images

Introdução

Quem nunca ouviu a frase "o cão é o melhor amigo do homem"? Originárias dos lobos, as inúmeras raças hoje existentes compreendem animais de personalidades distintas, que servem tanto para ser companhia de seus donos como para guardar a casa ou alertar caso algo estranho esteja acontecendo. Se você deseja adotar um cãozinho para ser membro da família, veja as dez raças mais comuns eleitas pela American Kennel Club (clube de registro de genealogias de cachorro de sangue puro dos Estados Unidos). Mas não se esqueça de oferecer ao bichinho um lar cheio de afeto, carinho e disciplina.

Ciaran Griffin/Stockbyte/Getty Images

Labrador Retriever

O Labrador Retriever, um tipo de cão de caça, teve sua origem na Grã-Bretanha e auxiliava pescadores puxando redes de pesca, mas hoje é um cão de companhia. Brincalhões, simpáticos e facilmente adestráveis, são frequentemente treinados para auxiliar pessoas cegas e autistas, além de ser uma das raças mais usadas em terapias. Ele pode ser encontrado nas cores amarelo, preto e chocolate. Essa raça pode ser criada tanto em casa como apartamento, mas, como tem tendência à obesidade, precisa fazer exercícios diariamente para evitar o sobrepeso. Com expectativa de vida de 10 a 12 anos, pode pesar até 36 kg.

George Doyle & Ciaran Griffin/Stockbyte/Getty Images

Golden Retriever

Assim como os Labradores, os Golden Retriever também eram criados como cães de caça, mas no caso deles, de aves aquáticas e selvagens. Outra semelhança com os Labradores, é seu uso para auxiliar pessoas com deficiências físicas. Com uma expectativa de vida de 10 a 12 anos, o Retriever pode pesar até 32 kg. A raça foi originada do cruzamento de um Yellow Retriever com uma Tweed Water Spaniel (já extinta) feita pelo Lorde Tweedmouth que buscava um cão adaptado ao clima e às águas frias. Extremamente dócil, ele não serve como cão de guarda, mas é uma ótima companhia!

Brand X Pictures/Stockbyte/Getty Images

Yorkshire Terrier

Com tamanho médio de 25 cm, o Yorkshire foi desenvolvido por mineiros que buscavam um cachorro pequeno que pudesse entrar debaixo da terra e caçar roedores. Ele fez sucesso com a realeza e passou a ser cão de companhia das senhoras da aristocracia e da alta burguesia. Apesar do tamanho, não se engane, ele é um Terrier (como o Pitbull), o que faz dele um cão muito desconfiado dos estranhos, pouco sociável com outros animais e um dos que mais mordem. Por essas características e por estar sempre alerta, ele é bom para a função de vigia.

Jupiterimages/Polka Dot/Getty Images

Pastor Alemão

O primeiro registro de um cão dessa raça foi em Hanôver, na Alemanha, em 1882. Devido a sua notável inteligência (está em terceiro lugar no ranking de inteligência do pesquisador Stanley Coren, atrás de Border Collie e Poodle) tem sido usado para inúmeras atividades, inclusive na televisão, onde ganhou fama como Lobo na série "Vigilante Rodoviário". Seu corpo alongado, musculoso e sua coragem o tornam ideal para ser cão policial. Sua obediência e facilidade de aprendizagem também o qualificam como guia de cegos e para fazer resgates. O tipo mais conhecido é o "capa preta", pela coloração preta no dorso.

Noel Hendrickson/Photodisc/Getty Images

Beagle

O Beagle foi desenvolvido para caça e se destaca na busca de coelhos e lebres. Ele ficou mais conhecido a partir do século 16, quando a própria rainha inglesa Elizabeth 1ª teve uma grande matilha de cães dessa raça. O Beagle mais conhecido do mundo é o Snoopy, personagem de Charles Schulz para os quadrinhos "Peanuts". Graças a seu faro apurado, foi usado para farejar alimentos contrabandeados em aeroportos americanos. Por ser dócil, muito sociável e bom com crianças, ele tem sido cachorro de companhia, mas o dono precisa ter muita paciência, pois é extremamente insubordinado e teimoso.

Ivan Mikhaylov/iStock/Getty Images

Dachshund

Segundo historiadores, o Dachshund pode ter surgido há mais de cinco mil anos, já que foram encontradas imagens suas na tumba de um faraó, mas seu primeiro registro oficial foi feito em 1888 na Alemanha. A raça foi desenvolvida por criadores alemães que queriam um cão pequeno o suficiente para entrar em tocas de texugos e coelhos. Esse cãozinho chegou ao Brasil no século 19 com colonizadores europeus que o utilizavam para caçar pacas. Sua popularidade o tornou estrela de uma companhia de amortecedores. Por seu tamanho e facilidade em aprender hábitos de higiene, é ideal para viver em apartamentos.

Ryan McVay/Photodisc/Getty Images

Boxer

O Boxer tem esse nome por ficar em pé sobre as duas patas para brigar com o oponente, parecendo um lutador de boxe. Criado para ser um cão agressivo e para brigar com outros cachorros, hoje ele é conhecido por ser afetuoso, leal, facilmente adestrável e por sua paciência com crianças. Quem pensa em adquirir um filhote, deve levar em consideração o adestramento para evitar problemas de agressividade. Cães dessa raça vivem em média dez anos, podem pesar até 32 kg e ter 63 cm de altura.

Leah McDaniel/iStock/Getty Images

Poodle

Apesar de ter sido criado na Alemanha, o Poodle ganhou grande popularidade na França, principalmente a partir do rei Luis 14. Utilizado no passado para encontrar trufas debaixo da terra e para pegar aves abatidas, hoje ele é famoso por ser um cão de companhia. A grande procura por cães dessa raça trouxe um problema: criadores passaram a fazer cruzamentos não recomendados, gerando Poodles com desvio de temperamento e com problemas físicos. Sua grande inteligência (é o segundo no ranking de Stanley Coren) o torna estrela de circo e de programas de televisão.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Shih Tzu

Uma lenda diz que o Shih Tzu surgiu do amor proibido de uma princesa chinesa com um mongol. Eles teriam decidido cruzar o Pequinês (chinês) com o Lhasa Apso (mongol) para ser símbolo de seu amor impossível. Apesar de ter uma personalidade forte e conseguir dominar seus donos, a raça é aconselhada como cão de companhia por sua sociabilidade e amabilidade. Se você deseja adotar um filhotinho de Shih Tzu, vai receber muito amor em troca, mas vai precisar de muita paciência, já que ele não é muito obediente.

SongTao Liu/iStock/Getty Images

Schnauzer Miniatura

A teoria mais aceita quanto ao desenvolvimento do Schnauzer Miniatura (ou Anão) é o cruzamento do Schnauzer Standart (ou médio) com o Affenpincher. Ele foi reconhecido como raça independente em 1895. De personalidade forte e muito dedicado aos donos, é um excelente cão de companhia, mas também serve como alarme, estando em quinto lugar no ranking de cães de alarme de Stanley Coren. É preciso que ele seja socializado desde cedo com outros cachorros e com crianças para que não fique briguento e agressivo.