Diferenças entre fusíves de cerâmica e vidro

Escrito por parul gupta | Traduzido por marcelo couto
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Diferenças entre fusíves de cerâmica e vidro
Os fusíves são colocados em circuitos elétricos para proteger aparelhos e equipamentos (fusibles image by serge simo from Fotolia.com)

Os fusíveis protegem aparelhos e equipamentos elétricos, interrompendo o circuito elétrico no caso de uma sobrecarga de corrente ou um curto circuito. Existem muitos tipos de fusíveis disponíveis, diferindo em tamanho, forma e material de que são feitos. Os materiais mais utilizados são cerâmica e vidro.

Outras pessoas estão lendo

Como fusíveis funcionam

Quando um problema acontece, tal como uma sobrecarga ou curto-circuito, a alta corrente passando pelo fusível derrete o filamento interno, interrompendo assim seu fluxo e desligando o circuito. Isso previne que o aparelho estrague devido ao excesso de corrente.

História

Os primeiros fusíveis eram simples fios abertos introduzidos em um circuito elétrico para romper o fluxo de corrente quando necessário. O primeiro fusível fechado foi criado por Edison em 1890. Desde lá, ele se desenvolveu e se diversificou em muitos tipos diferentes.

Tipos

Embora o objetivo de todos fusíveis seja o mesmo, sejam eles de vidro ou cerâmica, cada um possui uma maneira única de funcionar e uma resposta única sobre sobrecorrente. Os fusíveis disponíveis são classificados em ultrarrápidos, rápidos, médios, lentos e retardados.

Cada fusível responde de maneira diferente ao fluxo de corrente e a surtos, possuindo tempos de resposta diferentes; por isso é importante escolher o fusível correto para cada tipo de circuito. Um tipo inadequado não irá fornecer proteção, pois pode não funcionar no momento certo ou ficar super-sensitivo e abrindo repetidamente sem motivo. Por exemplo, se um fusível ultrarrápido é colocado em um circuito que necessita de muita corrente logo quando ligado, abrirá mesmo sem haver ameaça real de algum problema. Geralmente, para uma sobrecarga de 500%, um fusível ultrarrápido demora 1/10 do tempo que um fusível rápido levaria para funcionar, enquanto que um lento levaria mais de 200 vezes esse tempo.

Construção

O corpo de um fusível é feito de vidro, cerâmica, plástico ou fibra de vidro. O corpo é chamado de "barril" e tem terminais feitos de cobre ou bronze em cada ponta. Esses terminais estão conectados pelo filamento, que é feito de cobre, alumínio, zinco ou prata. Pode possuir um ou mais filamentos internos. No segundo caso, os múltiplos filamentos podem ser colocados de maneiras diferentes, fazendo com que o fusível se comporte de maneira diferente. Às vezes, enche-se o corpo do fusível com areia ou pó de quartzo para alterar seu funcionamento. Esse, geralmente, é o caso de um fusível de cerâmica.

Diferenças

Em um fusível de vidro, o filamento interno é visível, tornando fácil sua inspeção, enquanto que o de cerâmica é opaco. Um fusível de vidro tem uma baixa capacidade de se quebrar ou romper, ou seja, o filamento derrete quando há uma corrente ou tensão alta. Portanto, não é recomendado para equipamentos e aparelhos que necessitam de muita corrente. Por outro lado, fusíveis de cerâmica tem uma alta capacidade de quebra ou ruptura, indicados para circuitos de alta tensão e corrente. Alguns fusíveis de cerâmica ACR (Alta Capacidade de Ruptura) podem interromper seguramente mais de 300.000 A de corrente, enquanto que os de vidro têm capacidade muito inferior, às vezes menor do que 15 A.

Os fusíveis de vidro possuem estabilidade térmica baixa e se rompem em altas temperaturas. Os de cerâmica, por outro lado, aguentam altas temperaturas e são mais estáveis. Por vezes os fusíveis de cerâmica são preenchidos com areia para prevenir a formação de uma película condutora. Quando há um curto-circuito, o filamento derrete e vaporiza, formando uma película dentro do corpo. Em fusíveis de vidro, o corpo continua a aquecer e essa película passa a conduzir eletricidade, tornando-o ineficaz. A areia em um fusível de cerâmica absorve o calor e previne que ele continue aquecendo e, por consequência, volte a conduzir.

Considerações

É importante considerar os seguintes fatores antes de instalar um fusível: a taxa máxima de corrente contínua, que indica o máximo de corrente que pode passar através dele; a capacidade de quebra ou ruptura, que informa o máximo de corrente que pode ser interrompida sem causar danos; e a taxa de tensão -- o fusível deve ser usado em um valor menor do que a sua tensão nominal.

Avisos

Certifique-se de escolher o fusível mais adequado para o seus aparelhos e equipamentos, para protegê-los corretamente e reduzir o risco de superaquecimento e fogo. Se você não tiver certeza, consulte um eletricista.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível