Diferenças entre timbres de baixo relativos à madeira utilizada

Escrito por lee johnson Google | Traduzido por carolina pires
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Diferenças entre timbres de baixo relativos à madeira utilizada
As madeiras utilizadas para o corpo, braço e as casas do baixo determinam suas qualidades sonoras (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)

A madeira utilizada para fazer seu baixo tem um grande efeito no timbre que você pode conseguir com seu instrumento. Baixos geralmente são feitos de dois ou três tipos diferentes de madeira, usando um deles para o corpo do instrumento, um para o braço, e um para as casas do braço ("fretboard"). Normalmente, fabricantes de baixo vão escolher madeiras que se complementem, resultando em um timbre redondo e uniforme.

Outras pessoas estão lendo

Madeiras para o corpo

As madeiras que podem ser utilizadas no corpo de um baixo incluem madeira de bordo ("maple"), sikta spruce, jacarandá ("rosewood"), koa, nogueira ("walnut"), swamp ash, mogno ("mahogany"), basswood e alder. Alder, basswood, koa e sikta spruce tem um timbre relativamente parecido, com um equilíbrio entre brilhante e encorpado. Basswood e koa tem o timbre ligeiramente mais encorpado do que o da alder e sikta spruce, mas são todas relativamente equilibradas em termos de timbre. Mogno e jacarandá fornecem os melhores timbres encorpados, escuros e ressonantes. O mogno tende a ser o material mais comum para o corpo, por ser mais barato que jacarandá. Swamp ash, nogueira e bordo produzem um timbre mais claro e penetrante. Bordo tem o timbre mais claro dos três, seguido de nogueira e swamp ash, que tem timbres mais escuros e aveludados. O corpo do baixo contém a ponte, os captadores e os botões de tone ("timbre") e volume.

Madeiras para o braço

Muitas das madeiras utilizadas para fazer o corpo do baixo também podem ser usadas no braço. Essas incluem bordo, koa, rosewood e mogno, juntamente com wedge, uma madeira frequentemente utilizada para fazer particularmente braços de baixo. Wenge tem boas frequências médias em seu timbre, mas corta algumas das frequências agudas mais claras. Wenge é uma madeira de lei escura, com uma construção em tiras que cria ressonância para as frequências médias e graves de um baixo. Novamente, mogno e rosewood tem timbres mais encorpados, enquanto maple fornece o timbre mais brilhante e penetrante. Koa, uma madeira havaiana, é relativamente rara, mas fornece um timbre com muitos médios. O braço de um baixo é a parte longa que sai do braço, e serve de superfície para as casas do instrumento.

Madeiras para as casas ("fretboard")

Madeiras que podem ser utilizadas nas casas de um baixo incluem rosewood, ébano e bordo. Esta madeira é escolhida a fim de complementar a madeira utilizada no braço do instrumento, já que as casas ("fretboard") são a superfície achatada na parte da frente do braço. Rosewood é a madeira mais comum para as casas, com um timbre equilibrado de agudos abafados. Bordo é menos escolhido como material para o baixo por conta de seu timbre claro e penetrante. Ébano é uma madeira muito mais cara, e precisa ser colocada à mão no braço do instrumento por conta da sua natureza frágil. O ébano fornece uma boa sustentação de som ("sustain"; o tempo em que uma nota continua soando) e um timbre claro e agressivo.

Regra básica

Madeiras de lei ("hardwood") como bordo, ébano, wenge e nogueira tem um timbre claro, com ataque penetrante. Isto faz com que madeiras de lei sejam boas para sons percussivos. Rosewood pode ser classificada como madeira de lei, mas tem um timbre mais escuro e encorpado que a maioria das outras. As madeiras "softwood" ("madeira macia") representam o contrário, no espectro de frequências, e possuem timbres aveludados e ressonantes. Alder, swamp ash e basswood são bons exemplos de madeiras para baixo classificáveis como "softwoods".

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível