Efeitos colaterais do tratamento de esclerose múltipla com Copaxone

Escrito por faith davies | Traduzido por rodrigo bittencourt
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • E-mail

Copaxone é o nome da marca de uma medicação injetável de acetato de glatirâmer que é comumente prescrita como um tratamento para a esclerose múltipla. Apesar de sua eficácia em reduzir a frequência dos sintomas causados ​​pela doença remitente-recorrente, o Copaxone apresenta um risco de efeitos colaterais em alguns pacientes.

Outras pessoas estão lendo

Importância

Os efeitos colaterais mais expressivos ou comuns do Copaxone ocorrem no local da injeção e incluem vermelhidão, dor, inchaço e formação de um nódulo sob a pele. Esses efeitos secundários ocorrem entre 26 a 43% dos utilizadores, de acordo com estudos publicados no RxList pelo órgão de controle americano FDA.

Tipos de efeitos colaterais

Os possíveis efeitos colaterais do Copaxone incluem náuseas, dores no peito, aumento da incidência de infecções bacterianas e virais, gripe, dor nas costas, ansiedade, falta de ar e urticária.

Reações à medicação

Muitos dos efeitos colaterais do Copaxone diminuem ao longo do curso do tratamento contra a esclerose múltipla conforme o corpo se adapta aos efeitos do medicamento, relata a Mayo Clinic.

Riscos

Raramente, as reações no local da injeção do Copaxone são muito graves e causam necrose, adverte o RxList.

Considerações

Visto que a droga é conhecida por causar dano fetal em animais de laboratório, os médicos limitam o uso de Copaxone em mulheres grávidas a situações em que não há alternativa segura de tratamento. Se você tem um histórico de infecções recorrentes, pode não ser seguro tomar Copaxone, já que a droga reduz o sistema imunológico e pode torná-lo mais suscetível a doenças, adverte a Mayo Clinic.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível