Mais
×

Efeitos psicológicos do encarceramento nos prisioneiros

Atualizado em 17 abril, 2017

Muitas vezes, passar um tempo em uma prisão exerce intensos efeitos psicológicos sobre os encarcerados. As conseqüências desses efeitos frequentemente tornam a volta ao mundo livre extremamente difícil ou impossível.

Procurando por alguém

Função

O objetivo das prisões é servir como um local de correção do indivíduo. No entanto, as recentes mudanças na legislação e o sistema de justiça criminal têm intensificado os desafios enfrentados pelos presos que vivenciam essa realidade.

Políticas punitivas

A incorporação de regras mais punitivas para com os prisioneiros e o abandono de programas de reabilitação nas últimas décadas têm aumentado as tensões, o medo e o perigo entre os encarcerados.

Dependência e desconfiança

Com o tempo, a estrutura restritiva da vida na prisão cria uma perda de independência de pensamento e uma dependência do sistema. Por causa da natureza violenta das prisões, o preso desenvolve um sentimento de desconfiança.

Segurança máxima

De acordo com um relatório antropológico, o extremo isolamento de prisões de segurança máxima muitas vezes provoca a deterioração psicológica grave. O preso não está mais equipado para interagir socialmente e, ao invés de melhorar, alimenta fantasias violentas que muitas vezes se manifestam na realidade.

Alerta

A pesquisas indicam que a prisão cria perigosas e graves conseqüências psicológicas, que muitas vezes se apresentam em comportamentos antissociais mais extremos.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article