Encare a internet em [segurança]

Escrito por michael cox | Traduzido por lara scheffer

O mundo cibernético dos vírus, robôs e malwares é real — a segurança deve ser sua primeira preocupação

Encare a internet em [segurança]
Para um criminoso cibernético, seu computador é um caixa eletrônico (Getty Images)

As pessoas não percebem o que realmente acontece quando seus computadores são infectados ou quando clicam em um link mal intencionado. Elas nem sempre percebem as ameaças: suas identidades, credenciais bancárias, contas de redes sociais — tudo pode acabar comprometido com apenas um clique.

— Ryan Naraine, jornalista especializado em Internet e questões de segurança cibernética

Existe uma guerra secreta acontecendo dentro do seu computador, e o prêmio é a sua conta bancária. Não era assim no começo. Muitos dos primeiros vírus de computador eram apenas brincadeiras. Um dos primeiros, caprichosamente chamado de Elk Cloner, simplesmente exibia um poema escrito por seu criador. Infelizmente, os vírus e outros ataques atuais — coletivamente conhecidos como malwares — claramente buscam atingir seu bolso, revela Brendan Ziolo, vice-presidente de marketing da Kindsight, uma empresa de segurança de Ottawa, no Canadá. "O que mudou é que todo o mercado de ameaças cibernéticas se transformou em um grande negócio para os hackers". No ano que antecedeu julho de 2012, a empresa de segurança Symantec estimava que os malwares e outros crimes cibernéticos custavam mais de 110 bilhões de dólares aos usuários da Internet em todo o mundo. O que os malwares fazem e como você pode impedi-los? "É bom que todos tenham pelo menos o conhecimento básico das ameaças e problemas que podem encontrar na Internet", afirma Ryan Naraine, jornalista e entusiasta de mídias sociais especializado em internet e questões de segurança cibernética. Em outras palavras, conheça seu inimigo.

Vírus

O que é: O termo "vírus" geralmente é usado para falar de tudo, mas a Symantec diz que um vírus de verdade afeta aplicativos ou documentos.

O que faz: Quando arquivos infectados são compartilhados, o vírus pega uma carona. Quando o arquivo é aberto, ele infecta outros arquivos do mesmo computador.

Por que é ruim: Os arquivos infectados podem ser inutilizados. Os vírus também podem infectar arquivos do sistema ou instalar aplicativos mal intencionados. "Se seu computador tem um vírus, ele não vai se sentir bem e não vai funcionar adequadamente", explica Brendan.

Worm

O que é: Embora um vírus geralmente precise de ajuda humana para se espalhar, um worm se propaga sozinho — e pode fazer isso bem rápido. Em 2001, um worm conhecido como Code Red infectou mais de 250.000 computadores em nove horas.

O que faz: Pense em um worm como um mensageiro: é a "carga" dele que causa o caos.

Por que é ruim: Essa carga pode ser qualquer coisa, desde um vírus que danifica seu sistema até um keylogger que rouba senhas quando você as digita.

Cavalo de Troia

O que é: Como o nome sugere, um cavalo de troia parece ser um aplicativo ou site que você deseja usar, escondendo suas verdadeiras intenções.

O que faz: Quando você executa o programa, o cavalo de troia começa a executar seu plano secreto de infectar seu computador ou roubar dados.

Por que é ruim: Os cavalos de troia abrigam praticamente todos os tipos de malware imagináveis, de keyloggers a infecções por botnets. Um cavalo de troia abominável conhecido como Zeus transportou várias cargas, incluindo botnets e softwares que roubam informações bancárias.

Botnet

O que é: Um botnet é uma rede de computadores controlados remotamente, às vezes chegando à casa dos milhões.

O que faz: A infecção por botnets transforma seu computador em um zumbi, permitindo que um hacker o controle sem que você saiba.

Por que é ruim: Um botnet cria um exército virtual de zumbis capaz de causar o maior caos. "Cada computador manda alguns e-mails, mas se há milhões de computadores em um botnet, é muito spam", explica Brendan. "Milhões de computadores realizando uma fraude de cliques em anúncios podem gerar milhões de dólares".

Rootkit

O que é: Um rootkit recebe esse nome porque dá a um hacker o "acesso ao root" do seu computador — em outras palavras, controle total.

O que faz: Enquanto uma infecção por botnet dá ao hacker um certo controle do computador, um rootkit permite o controle total, como se o hacker fosse dono do computador.

Por que é ruim: Difícil de detectar ou remover, um rootkit dá a um ladrão livre acesso para instalar outros malwares ou obter arquivos importantes. A maioria das pessoas descobriu os rootkits quando a Sony secretamente incluiu um em CDs de música para instalar um software de proteção contra cópias nos PCs.

Adware e spyware

O que é: Muitas vezes baixado como parte de um software gratuito ou uma barra de ferramentas para seu navegador, o adware exibe anúncios dentro do aplicativo ou do navegador enquanto o spyware acompanha seu comportamento.

O que faz: O adware pode exibir anúncios dentro de um aplicativo ou cobrir anúncios de concorrentes em um site com os seus próprios anúncios. O spyware geralmente acompanha seus hábitos de navegação na internet, mas pode registrar informações pessoais também.

Por que é ruim: O que transforma esses programas em malwares é a falta de consentimento. "O que define o spyware ou adware é que eles fazem algo sem que o usuário saiba", disse Brendan.

Scareware e ransomware

O que é: Às vezes, a ameaça de danos ao seu computador é o que falta para que uma pessoa inescrupulosa ataque, e é exatamente isso que esses programas fazem.

O que faz: O scareware exibe uma mensagem em pop-up alertando sobre um vírus prejudicial que está presente em seu sistema, e então se oferece para salvar o dia — se você comprar esse antivírus imediatamente. O ransomware é pior — ele pode encriptar seus arquivos ou bloquear o acesso ao seu sistema, exigindo um pagamento para permitir que você utilize novamente seu próprio computador.

Por que é ruim: Preciso mesmo dizer o que isto tem de errado?

Proteja-se

Essas ameaças não ficam mais apenas em seu computador. A proteção anti-malware é tão importante em seus aparelhos móveis quanto em seu laptop. "Seu smartphone, seu tablet, seu videogame — todos estão vulneráveis", diz Brendan. "Qualquer dispositivo conectado à internet corre o risco".

A solução? Prepare-se com conhecimento, para começar. E utilize uma abordagem de proteção em camadas que inclua atenção, softwares de segurança e seguir as melhores práticas na Internet para evitar os malwares.

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível