Mais
×

Os erros mais dramáticos cometidos por árbitros nas Copas do Mundo

Getty Images

Introdução

A história da Copa do Mundo é escrita por times imbatíveis, resultados inesperados, jogadas incríveis e, infelizmente, erros arbitrais muito determinantes. Neste texto, você conhecerá dez dos piores erros cometidos na competição esportiva mais importante do mundo. Algumas decisões acabaram em raiva para os jogadores afetados, resultados injustos e profundas tristezas para os torcedores.

Inglaterra 1966
focus.de

Inglaterra 1966: Inglaterra x Alemanha

O árbitro suíço Gottfried Dienst validou um gol inexistente para a Inglaterra na final da Copa do Mundo de 1966. No primeiro tempo da prorrogação, Geoff Hurst chutou em direção à rede e a bola quicou exatamente no meio da linha de fundo, depois de bater no travessão. Quando ela saiu em direção ao campo, um zagueiro alemão a afastou com a cabeça. No entanto, o árbitro apitou dando o ponto para os ingleses. Na verdade, Dienst não viu que a bola ultrapassou a linha, mas foi o bandeirinha quem indicou, erroneamente, que ela tinha entrado. Finalmente, os locais ganharam por 4 a 2 e obtiveram sua primeira Copa do Mundo.

Espanha 1982
mundialistasymitos.com

Espanha 1982: França x Alemanha

Charles Corver ficou na história negra do futebol pelo seu papel protagonista no “roubo do século”. O árbitro holandês fingiu não ver uma terrível falta do goleiro alemão Harald Schumacher sobre Patrick Battiston, da França. Quando ambos foram em direção à bola dentro da área, Schumacher bateu violentamente na cabeça do adversário com o quadril. Battiston caiu inconsciente no campo e foi retirado instantes depois em uma maca. Nessa jogada, o francês perdeu dois dentes e sofreu fratura de costelas, ficando fora do campo por nove meses. O que Crover resolveu cobrar? Segundo ele, não houve falta, também não houve pênalti e muito menos expulsão. Marcou tiro de meta a favor da Alemanha.

México 1986
teoriasperiodismo.sociales.uba.ar

México 1986: Argentina x Inglaterra

Diego Maradona imortalizou a famosa “Mão de Deus” durante o jogo contra a Inglaterra nas quartas de final no México, em 1986. O árbitro Ali Bennaceur não cobrou o golpe de mão que o argentino utilizou para ganhar no salto contra Peter Shilton, levando a bola para o fundo da rede e marcando 1 a 0 a favor da Argentina. A maioria dos jogadores ingleses correu desesperada para indicar ao árbitro o que nem ele e nem os assistentes tinham visto, mas tudo foi em vão e o gol foi validado. Os sul-americanos, finalmente, acabaram ganhando por 2 a 1 com outro gol do Maradona. Esse último foi considerado o gol mais lindo na história das Copas do Mundo.

Itália 1990
elmundo.es

Itália 1990: Argentina x Alemanha

Dessa vez, a seleção argentina foi prejudicada por um erro do árbitro. Durante a final contra a Alemanha, o zagueiro Roberto Sensini fez um carrinho para tirar a posse de bola do jogador Rudi Völler. O atacante alemão, apesar de não ter sido tocado, decidiu se jogar no chão e acabou enganando o árbitro Edgardo Codesal, que apitou e validou um pênalti para a Alemanha. Andreas Brehme converteu a oportunidade em gol. Com esse único ponto, os europeus ganharam a Copa do Mundo da Itália em 1990. Ao finalizar a competição, Brehme confessou que não havia ocorrido falta.

Estados Unidos 1994
mundodeportivo.com

Estados Unidos 1994: Espanha x Itália

O húngaro Sandor Puhl ficará para sempre na memória dos espanhóis por não ter cobrado um claro pênalti sobre Luis Enrique no jogo contra a Itália. O zagueiro italiano Mauro Tassotti deu um forte golpe com o cotovelo dentro da área e o volante espanhol caiu na grama segurando o rosto. O árbitro, no entanto, continuou como se nada tivesse acontecido. Luis Enrique, notavelmente furioso, mostrou o sangue que saía dele como evidência da agressão, mas Puhl não mudou de opinião, não expulsou Tassotti e não cobrou o pênalti que poderia ter significado um empate para a Espanha. O resto é história: Itália venceu por 2 a 1, chegou até as semifinais e o volante espanhol acabou com o septo nasal quebrado.

Coreia-Japão 2002
jotdown.es

Coreia-Japão 2002: Coreia do Sul x Itália

Os anfitriões da Copa do Mundo de 2006 foram amplamente favorecidos pela arbitragem de Byron Moreno durante o jogo contra a Itália, nas oitavas de final. O árbitro equatoriano teve um péssimo desempenho e as suspeitas em torno da classificação dos coreanos não demoraram para aparecer. Primeiro, foi anulado um gol legítimo do volante Damiano Tomassi, por um impedimento que nunca existiu. Alguns minutos mais tarde, Francesco Totti caiu dentro da área após uma clara falta de um zagueiro coreano. O que o árbitro fez? Exibiu o cartão amarelo pela segunda vez para o jogador italiano, por “fingir”, e o expulsou. Também permitiu um excessivo jogo violento dos asiáticos.

Coreia-Japão 2002
hotcdchange / Flickr.com

Coreia-Japão 2002: Coreia do Sul x Espanha

O desempenho de Al-Ghandour criou ainda mais suspeitas sobre os árbitros na Copa do Mundo de 2002. Durante o jogo entre Espanha e Coreia do Sul, nas quartas de final, o árbitro egípcio anulou dois gols legítimos dos europeus. O primeiro foi por uma suposta falta de Iván Helguera antes de Rubén Baraja enviar a bola para o fundo da rede. O segundo erro foi bem mais evidente: Joaquín fez um escanteio e Fernando Morientes fez o gol. Entretanto, o árbitro e os bandeirinhas interpretaram que a bola tinha saído e anularam o ponto. O encontro acabou empatado, no zero a zero, e os coreanos venceram por 5 a 3 nos pênaltis.

Alemanha 2006
foubister / Flickr.com

Alemanha 2006: Austrália x Croácia

Para alguns, um grave erro durante a Copa do Mundo pode significar o final da carreira como árbitro. Isso foi o que aconteceu com Graham Poll depois do jogo entre Austrália e Croácia na Copa do Mundo de 2006. O árbitro inglês mostrou o cartão amarelo três vezes a um mesmo jogador. O croata Josip Simunic se dedicou a fazer faltas durante todo o jogo e só foi expulso no tempo extra. Além disso, Poll não validou dois pênaltis claros dos alemães, anulou um gol dos australianos e permitiu excesso de violência durante os 90 minutos. Esse foi seu último jogo como árbitro oficial.

Alemanha 2006
ALEXANDRE BATTIBUGLI / Flickr.com

Alemanha 2006: Itália x Austrália

Itália e Austrália estavam no zero a zero nas oitavas de final da Alemanha, em 2006. Já no terceiro minuto do tempo extra, Fabio Grosso entrou na área e se jogou propositalmente após um carrinho de um zagueiro australiano. O espanhol Luis Medina Cantalejo foi enganado pelo italiano e validou o pênalti para os europeus. Francesco Totti fez um gol que ajudou a seleção a chegar às quartas de final e ganhar a Copa do Mundo. Se o árbitro não tivesse cobrado essa falta no último instante e os times tivessem passado para prorrogação, a história teria mudado?

África do Sul 2010
theepochtimes.com

África do Sul 2010: Alemanha x Inglaterra

A história e os árbitros repetiram uma mesma situação entre os dois rivais. Dessa vez, a seleção prejudicada foi a Inglaterra. O jogo de quartas de final estava sendo ganho pela Alemanha por 2 a 1, quando Frank Lampard lançou um potente chute que superou o goleiro alemão, bateu no travessão e quicou meio metro dentro da rede. O árbitro uruguaio Jorge Larrionda não percebeu que a bola havia entrado e continuou o jogo como se nada tivesse acontecido (os bandeirinhas tampouco ajudaram). O jogo acabou 4 a 1 a favor dos alemães e a Inglaterra ficou fora da Copa.