Como escrever o primeiro esboço de um roteiro de tirinhas

Escrito por jacob malewitz | Traduzido por josé fabián
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Como escrever o primeiro esboço de um roteiro de tirinhas
Siga este tutorial para escrever um roteiro de tirinhas (three comical characters image by caraman from Fotolia.com)

Então, você está pronto para escrever o primeiro esboço do seu roteiro de tirinhas. Sim, você, quem está desviando o olhar agora, perguntando-se o que é exatamente um roteiro de um livro de tirinhas. Talvez saiba o que é um roteiro de história em quadrinhos, mas eu o explicarei de qualquer forma. Um roteiro de um livro de tirinhas é como o roteiro de um filme, mas com imagens estáticas; há movimento, mas tudo se faz na página. Escrevê-los é como escrever um roteiro de um filme, porém menos parecido com as novelas. Você precisa entender como incorporar imagens e outras coisas ao roteiro. As imagens vendem no mundo das tirinhas. Siga este tutorial para criar seu primeiro esboço para um roteiro.

Outras pessoas estão lendo

Instruções

  1. 1

    Estude seus preferidos e tudo o que você puder ter nas suas mãos antes de começar um roteiro. Pegue uma das suas tirinhas favoritas, um caderno e uma caneta. Vá página por página, painel por painel, detalhando tudo o que estiver acontecendo. Não copie diálogos ou a história, só escreva o que você vê. Não há uma forma errada de fazer isto. Ao analisar as imagens, verá coisas como a localização dos painéis e a quantidade de diálogo na história. Isto pode responder muitas dúvidas.

  2. 2

    Pesquise editoras independentes. Ao preparar seu primeiro esboço, você também pode prestar atenção neste setor que cresce rapidamente. Estas editoras lhe darão uma chance muito maior de publicar do que as duas grandes (Marvel e DC Comics).

  3. 3

    Comece o esboço com uma visão geral. Não comece imediatamente, como faria em uma história curta. O primeiro esboço de um livro de tirinhas não tem que ser perfeito, mas você precisa saber aonde vai a história. Faça um resumo de uma a três páginas dos eventos mais importantes.

  4. 4

    Saia do caminho: Você fez o traçado -- bom trabalho. Agora é momento, como disseram muitos escritores (por exemplo, Chuck Dixon), de "sair do caminho". Separe cada cena que você tiver na história. Tente fazê-la mais fluída. Depois, comece a escrever as cenas.

  5. 5

    Escrever cena por cena: Este é um primeiro esboço. Até mesmo os primeiros esboços do Ernest Hemingway foram ruins (segundo ele). O importante é ter confiança em cada cena que você escrever, sabendo que pode também voltar e editar depois. Não corra para o final, é melhor ir de uma cena para a seguinte.

  6. 6

    Pense bem nos detalhes pequenos: Muitos escritores iniciantes de histórias em quadrinhos não têm noção de coisas como ritmo, transições e atos. Se isto soar estranho para você, comece a ler alguns livros de "como escrever". Um bom começo é o livro do Peter David "Escrevendo para Comics com Peter David", com o qual pode aprender o mais básico sobre criar atos e incitar as ocorrências.

  7. 7

    Acabe o roteiro: Você eventualmente o acabará. Isto pode soar clichê se você já leu muitos livros sobre como escrever, mas eis aqui de qualquer maneira: afaste-se da história pela maior quantidade de tempo possível, semanas ou meses. Pode começar outro roteiro se quiser, melhorando cada um. Depois, quando, houver se distanciado da peça, comece a editar.

Dicas & Advertências

  • Se você viu como um escritor usa páginas de recheio, isto não significa que tenha que fazê-lo. Seja conservador no início. Você quer que os editores vejam o seu talento, não sua habilidade para desenhar.
  • Como você encontra um artista? Pode ser tão simples como assistir a uma convenção ou unir-se a um grupo online. Mas certifique-se de que já tem vários esboços antes disso.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível