Por que o estrôncio 90 é prejudicial para seres humanos?

Escrito por karen s. garvin | Traduzido por fernanda de assis
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Por que o estrôncio 90 é prejudicial para seres humanos?
O estrôncio possui isótopos radioativos que podem causar graves problemas de saúde (radioactive image by Soja Andrzej from Fotolia.com)

O estrôncio-90 (Sr-90) é um dos isótopos radioativos do estrôncio, um elemento encontrado na natureza. O estrôncio-90 é um produto da fissão nuclear e é altamente radioativo. O estrôncio radioativo é prejudicial para humanos, pois é facilmente absorvido pelo corpo humano, acumulando-se nos ossos e dentes. A exposição aos isótopos radioativos do estrôncio também pode aumentar o risco de câncer.

Outras pessoas estão lendo

O elemento estrôncio (Sr)

O estrôncio é um elemento químico natural, de símbolo Sr e número atômico 38 na tabela periódica. É um metal de coloração prateada brilhante à temperatura ambiente, que rapidamente oxida-se na presença de oxigênio do ar, adquirindo uma tonalidade amarelada. O estrôncio é altamente reativo e, quando cortado em pedaços pequenos, inflama-se quando exposto ao ar. Na forma dos compostos carbonato de estrôncio e nitrato de estrôncio é usado para adicionar uma cor vermelha viva à fogos de artifício.

Isótopo do estrôncio

O estrôncio possui 28 isótopos conhecidos. Isótopos são diferentes átomos do mesmo elemento, que possuem o mesmo número de prótons, mas um número diferente de nêutrons em seus núcleos atômicos. Apenas quatro dos isótopos do estrôncios são elementos estáveis. Destes, o mais comum é estrôncio-88, que possui 88 nêutrons em seu núcleo.

Estrôncio-90

Embora o estrôncio possua 24 isótopos radioativos, o mais forte deles e aquele que é mais perigoso para humanos é o estrôncio-90. Este isótopo é um subproduto da fissão em reatores nucleares e é produzido quando os átomos do urânio e do plutônio quebram-se. O estrôncio-90 possui uma meia-vida de 29.1 anos e é uma fonte potente de radioatividade. Embora estrôncio-90 tenha sido encontrado na precipitação nuclear durante os anos 1950 e 1960, a maior parte desse material já se deteriorou e já não é a principal fonte de radiação. No entanto, a explosão em Chernobyl liberou grandes quantidades de estrôncio-90 no ar, sobre partes da Rússia e da Europa.

Estrôncio no meio ambiente

O estrôncio é altamente reativo quimicamente e pode formar vários tipos diferentes de compostos químicos. Isso significa que é muito fácil que um ser humano entre em contato com um composto que contenha estrôncio. O elemento radioativo pode ser inalado, mas é mais provável que ele seja ingerido em alimentos ou água contaminados.

Efeitos à saúde

Quimicamente, o estrôncio radioativo comporta-se de forma semelhante ao cálcio, então, o corpo humano tende a usá-lo da mesma forma que usaria o cálcio e o isótopo acaba parando nos ossos e dentes. O estrôncio-90 acumula-se na medula óssea e interfere com a habilidade do corpo de produzir células sanguíneas saudáveis. Isso leva a anemia e interfere com a capacidade do sangue de coagular corretamente. Como o estrôncio torna-se parte dos ossos, não é eliminado do corpo e continua a causar danos. Embora baixos níveis de exposição possam não ser prejudiciais, exposição a longo prazo ao estrôncio radioativo pode aumentar o risco de câncer, como a leucemia.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível