Por que meu filho se apega mais a mãe do que a mim?

Escrito por monica beyer Google | Traduzido por carolina rico
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Por que meu filho se apega mais a mãe do que a mim?
Não se preocupe se a criança procurar a mãe por consolo (Hemera Technologies/AbleStock.com/Getty Images)

As crianças geralmente se apegam a suas mães quando estão chateadas, machucadas ou assustadas. Mas não é por não gostarem de seus pais ou outros adultos em suas vida, e sim pelo forte laço que as elas têm com suas mães, que geralmente foram as primeiras a cuidar delas desde o nascimento. Os humanos são geneticamente dispostos a cuidar e nutrir seus filhos, e os bebês criarão um forte laço com a pessoa que tomar conta dele por mais tempo.

Outras pessoas estão lendo

Primeira voz

Um bebê passa nove meses empacotado no ventre de sua mãe. No segundo trimestre, por volta da 18 semana, sua audição começa a se desenvolver. Os primeiros sons que são filtrados para seu mundo são do corpo da mãe -- seu coração batendo e a comida sendo digerida. Logo, seus pequenos ouvidos captam os sons da voz de sua mãe. Isso vira um som constante e suave em seu ambiente escuro. Ele ouvirá outras vozes, mas a da mãe será a mais ouvida.

Primeiros laços

Quando um bebê nasce, sua mãe geralmente vira a primeira cuidadora. A mãe responde às necessidades do bebê e, se estiver amamentando, é a única fornecedora de nutrição. A voz que o bebê ouve no útero é agora alta e clara e muito confortante para ele. A relação mãe-filho é uma resposta genética que garante o bem estar do pequeno.

Ansiedade estranha

Quando o bebê tem quase 9 meses, uma estranha ansiedade aparece. Um bebê bem apegado começará a se apegar as pessoas que são familiares quando confrontada por adultos que não conhece, ou em situações barulhentas e estressantes. Ele procurará conforto com sua mãe ou pai, mas geralmente preferirá os braços de sua mãe. Esse comportamento pode continuar pela infância da criança com o pequeno preferindo a mãe em vez de qualquer outro.

Como ajudar a confortá-lo

Outros adultos na vida da criança podem ajudar a confortá-la quando estiver triste. As crianças procurarão conforto quando a mãe estiver longe, por exemplo, e podem formar fortes laços com seus pais, avós ou babás. Outra ideia é sentar com a criança e sua mãe durante a hora de estresse e dar batidinhas em suas costas enquanto ela abraça a mãe. Ela notará e irá registrar sua presença, mesmo que não o buque por conforto inicialmente.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível