Fisiopatologia de pneumonia em crianças

Escrito por frank whittemore | Traduzido por mariana dsp
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Fisiopatologia de pneumonia em crianças
A pneumonia em crianças tem muitas causas

A pneumonia é uma doença que afeta os pulmões e sistema respiratório de crianças. Na pneumonia, os alvéolos, pequenos sacos dentro dos pulmões que promovem a troca de gases, se inflamam e incham de fluidos, não deixando que eles funcionem normalmente. A fisiopatologia ou características físicas da pneumonia serão levadas em consideração nesse artigo.

Outras pessoas estão lendo

Causas

Em crianças, a pneumonia pode ter diversas causas, sendo que as mais comuns são infecções bacterianas, virais ou fúngicas. O Streptococcus pneumoniae, uma bactéria, é responsável por até 75% de todos os casos de pneumonia. Ela também pode ser causada pela inalação de produtos químicos ou por lesões físicas no pulmão, como em pneumonia por aspiração ou irritação causada por entubação, quando é colocado um tubo na garganta da criança para auxiliar na respiração. A estase, estagnação no fluxo dos fluidos do pulmão, é outra causa, especialmente em crianças com fibrose cística.

Efeitos da pneumonia

Normalmente, a pneumonia limita as crianças. Aquelas com casos recorrentes de pneumonia devem ser avaliados para descartar doenças crônicas, como fibrose cística ou asma. Complicações da pneumonia podem incluir a formação de fluidos entre o pulmão e a parede do peito, conhecidas com efusão pleural, abcessos do pulmão, septicemia, que é quando os germes são espalhados no sangue, e a presença de ar entre o pulmão e a parede do peito, conhecida como pneumotórax.

As fases da pneumonia

A pneumonia ocorre em quatro estágios primários: a fase de congestão de 24 horas, a fase de hepatização vermelha, a fase de hepatização cinza e a fase de resolução. Cada uma tem achados físicos específicos.

Fase de congestão de 24 horas

A primeira fase se apresenta com ingurgitamento do leito capilar dentro dos alvéolos, com vazamentos de fluidos serosos nos espaços alveolares. A criança pode apresentar alguns sintomas, como febre, calafrios, dor no peito, mal-estar geral e dificuldade para respirar. A criança pode produzir fleuma transparente e aguado. Também pode haver uma contagem elevada de leucócitos.

Fase da hepatização vermelha

Nessa fase, as hemácias e fibrinas começarão a entrar nos alvéolos. O tecido pulmonar ficará avermelhado e firme. A criança pode ter dificuldade para respirar ou fazê-lo rapidamente.

Fase da hepatização cinza

Essa fase é caracterizada pela fibrina e pelas hemácias e leucócitos que estão morrendo ocupando os espaços alveolares. A expectoração produzida pela tosse pode ter sangue ou excreções purulentas. durante esse tempo, pode ocorrer a atelectasia, uma redução na área disponível dentro do pulmão para a troca de gases.

Fase de resolução

Durante a fase de resolução, as enzimas do pulmão irão quebrar os materiais causadores da inflamação. Os agente infecciosos são controlados pelos leucócitos, e qualquer material remanescente poderá ser expelido pela tosse. Também pode haver um pouco de tecido morto do pulmão.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível