Forma segura de parar de tomar Effexor XR 75

Escrito por rebecca s. mcclinton | Traduzido por fellipe jardim
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Forma segura de parar de tomar Effexor XR 75
A interrupção do Effexor deverá ser feita com acompanhamento médico (Creatas Images/Creatas/Getty Images)

Effexor, cujo medicamento genérico é venlafaxina, é um antidepressivo usado para tratar problemas psiquiátricos como ansiedade, depressão e distúrbio de pânico. Ele permite que as partes do cérebro que enviam mensagens sobre as emoções, o comportamento e a fome, por exemplo, fluam livremente ao estabilizar um componente químico cerebral denominado serotonina.

O Effexor é um medicamento difícil de parar de tomar em virtude dos sintomas desagradáveis ​​de abstinência, muitas vezes de natureza grave, relacionados ao desequilíbrio súbito de serotonina. Será necessária ajuda médica para superar a abstinência do Effexor com segurança.

Outras pessoas estão lendo

O que esperar

A serotonina também afeta a parte cerebral do sistema nervoso central e esse fator é responsável por muitos dos sintomas de abstinência.

Os sintomas podem incluir dores de cabeça, tonturas, agitação ou tremor, diarreia, taquicardia, alucinações, aumento da temperatura corporal, perda de coordenação, náuseas, reflexos hiperativos, mudanças rápidas na pressão arterial e vômitos.

Pacientes que interrompem gradualmente estão menos propensos a experimentar abstinência grave e a técnica de retirada pode ter um efeito direto sobre o quão ruim os sintomas se tornam.

A importância de monitoramento

O primeiro passo que os pacientes devem tomar é reunir-se com o médico que tiver feito a prescrição para discutir a interrupção do Effexor. Os pacientes não devem tentar fazê-lo sem a supervisão de um médico.

O paciente deve conversar com o médico sobre sua vida diária, crianças, trabalho e se o trabalho envolve dirigir. Esses fatores são importantes na determinação do ritmo de interrupção. A melhor solução sobre a qual paciente e médico podem concordar seria aquela que permita que o paciente leve uma vida diária normal, sem muita interferência pelos sintomas de abstinência.

Interrompendo eficaz e seguramente o Effexor

Uma técnica conhecida como ponte envolve o uso de outro antidepressivo enquanto interrompe o Effexor. A ideia subjacente a esse método é que o cérebro ainda estará quimicamente equilibrado com o fármaco de ponte, permitindo que o Effexor seja interrompido com segurança para o sistema nervoso central do paciente.

Semana por semana

Durante as duas primeiras semanas, tome 75 mg de Effexor uma vez por dia e adicione uma dose menor do fármaco de ponte.

Durante a terceira e quarta semanas, continue a tomar 75 mg de Effexor e aumente a dose do fármaco de ponte para o próximo nível se necessário e se o médico aprovar.

Na quinta e sexta semanas, diminua a dose de Effexor para 37,5 mg por dia e continue a dose do fármaco de ponte usada nas semanas três e quatro. Se tiver mais efeitos colaterais do que o suportável, o médico pode aumentar a dose do fármaco de ponte, dependendo das diretrizes para essa medicação. Pergunte ao médico sobre medicação anti-náuseas, se necessário.

Durante semanas sete e oito, comece a tomar 37,5 mg de Effexor todos os dias e continue com a mesma dose do fármaco de ponte.

Nas semanas nove e dez, tome 37,5 mg a cada três dias e continue na dose atual do fármaco de ponte.

Durante as semanas 11 e 12, esteja pronto para interromper o Effexor completamente. Continue com o fármaco de ponte, uma vez que ele ajuda com o humor.

A interrupção não acontece tão rapidamente quanto se pensava anteriormente. É preciso paciência, tempo e supervisão rigorosa. Se tiver mais sintomas de abstinência do que deseja ou se os sintomas interferem com as atividades diárias, prolongue o tempo para o processo de interrupção.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível