A história do Brasil nas Copas do Mundo

Escrito por fábio nascimento
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
A história do Brasil nas Copas do Mundo
A seleção brasileira de 1970 foi uma das maiores da história (Fifa/Divulgação)

Único país a participar de todas as Copas do Mundo, o Brasil é uma potência reconhecida no Esporte Bretão. A seleção pentacampeã obteve glórias incontestáveis e apresentou ao mundo alguns dos maiores gênios da bola, como Pelé, Garrinha e tantos outros. Vitórias acachapantes e atuações irrepreensíveis se somaram, contudo, a derrotas contundentes e grandes fracassos. Conheça um pouco dessa intensa história da Seleção Canarinho, com seus altos e baixos nos mundiais, desde 1930.

Outras pessoas estão lendo

No início, derrotas

Apesar de contar com bons jogadores, o Brasil não conseguiu enviar o que tinha de melhor nas primeiras edições da Copa. Em 1930, no Uruguai, uma briga entre paulistas e cariocas fez com que apenas os atletas de times do Rio de Janeiro disputassem o mundial. Foram eliminados ainda na primeira fase, após duas partidas. Quatro anos depois, na Itália, a seleção contava apenas com boleiros amadores. A eliminação ocorreu logo na estreia.

Enfim, uma boa equipe

Apenas na França, em 1938, o Brasil conseguiu enviar um time completo. E enfim pôde mostrar sua força. Com um time forte na defesa e sensacional no ataque, os brasileiros terminaram o certame em um honroso terceiro lugar, sendo eliminados nas semifinais pela Itália, que acabaria sendo campeã. De quebra, o artilheiro foi um brasileiro: Leônidas da Silva. Ele marcou sete gols em cinco jogos, em um deles estava descalço.

A grande decepção

Em 1950, o Brasil foi escolhido para receber a Copa do Mundo. Para isso, construiu o Maracanã, maior estádio do mundo, e apresentou um time quase imbatível, com craques como Zizinho, Ademir de Meneses e Danilo Alvim. Com uma série de goleadas, a equipe de Flávio Costa empolgou a torcida. Mas na última partida, precisando apenas de um empate, perdeu de virada para o Uruguai, por 2 a 1, diante de 200 mil incrédulos torcedores.

Enfim, campeões

Em 1954, o Brasil foi eliminado pela Hungria. Mas a redenção viria quatro anos depois, na Suécia. Com Pelé, Didi e companhia, o time conquistou o primeiro mundial, ao golear o time da casa por 5 a 2. Quatro anos depois, no Chile, repetiria a dose: o Rei do Futebol se contundiu na segunda partida, mas Mané Garrincha, o gênio das pernas tortas, conduziu o time ao bicampeonato, derrotando a Tchecoslováquia por 3 a 1.

O tricampeonato

O Brasil chegou à Inglaterra, em 1966, como favorito. Mas foi eliminado na primeira fase, após derrotas para Portugal e Hungria. O vexame foi superado quatro anos depois, no México, com um dos maiores times já montados na história: Pelé, Gerson, Jarzinho, Tostão e Rivelino atropelaram os adversários e venceram todas as seis partidas que disputaram, com direito a goleada sobre a Itália (4 a 1) na grande decisão. Um time que ficou na História.

Bons times decepcionam

Após o show em 1970, o Brasil passou 24 longos anos sem levantar o caneco. Em 1974, jogando na Alemanha Ocidental e 1978, na Argentina, foi eliminado nas semifinais. Em 1982 (Espanha) e 1986 (México), levou grandes craques como Zico, Sócrates e Falcão, mas chegou apenas até as quartas de final. Em 1990, levou um time fraco aos gramados da Itália. Pela primeira vez em uma Copa do Mundo, perdeu para a Argentina.

O fim da fila

Na Copa de 1994, nos EUA, o Brasil contava com um time defensivo. Mas Romário, o pequeno gênio da pequena área, levou o Brasil ao título, com grandes atuações e cinco gols. O tetracampeonato veio ao derrotar a Itália nos pênaltis por 3 a 0, após empate sem gols. Em 1998, agora com Ronaldo, o time chegou à final, mas perdeu para a França, o time da casa, por 3 a 0.

O pentacampeonato

O técnico Luiz Felipe Scolari assumiu a seleção em meio às eliminatórias, em 2001. Com o bonde andando, teria de montar um bom time no ano seguinte, na Copa realizada no Japão e na Coreia do Sul. E cumpriu sua missão: o time de Ronaldo e Rivaldo venceu as sete partidas que disputou e mostrou muita garra. Na final, a consagração veio com uma vitória (2 a 0) sobre a Alemanha.

Favoritismo derrubado

Em 2006, o Brasil de Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo e Adriano chegou à Alemanha como favoritíssimo ao título. No entanto, a equipe jogou mal em quase todos os seus jogos e foi eliminada pela França, com direito a show de Zidane. Quatro anos depois, na África do Sul, o Brasil levou um time esforçado, que até empolgou em alguns jogos. Mas acabou derrotado pela Holanda, de virada, após um segundo tempo irreconhecível.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível