Mais
×

O homoerotismo na tela grande

Getty Images

Introdução

A homossexualidade é um tema que começou a ser amplamente explorado no cinema a partir dos anos 1950. Desde então, vários roteiros chegaram à tela grande, mostrando grandes romances, relacionamentos conturbados, drama e, claro, cenas calientes envolvendo pessoas do mesmo sexo. Outras produções, por sua vez, encampam um tom político, alertando para a importância da igualdade entre as pessoas, independente de sua orientação sexual. Alguns atores se notabilizaram por grandes papéis, como o jovem Heath Ledger, em “O Segredo de Brokeback Mountain”. Conheça este e outros grandes filmes enfocando o amor entre dois homens ou entre duas mulheres, lutando contra os preconceitos.

Divulgação

Garotas Selvagens

O filme de 1997, dirigido por John McNaughton, traz uma das cenas de sexo lésbico mais interessantes do cinema. Neve Campbell e Denise Richards protagonizam uma tórrida cena na piscina, devidamente registradas por Kevin Bacon. “Garotas Selvagens” (“Wild Things”), é ambientado em Blue Bay, uma cidade localizada no litoral da Flórida. Um professor é acusado de estuprar uma jovem e, logo depois, uma outra mulher faz a mesma denúncia. O início das investigações mostra uma rede de mentiras, complôs e conflitos diversos que envolve uma das famílias mais poderosas da região. O desempenho das garotas no filme, obviamente, é o ponto alto.

Warren Little/Getty Images Entertainment/Getty Images

O Talentoso Ripley

Um dos maiores sucessos da escritora norte-americana Patricia Highsmith, “O Talentoso Ripley”, já havia sido vertido para o cinema em 1959, com o nome de “O Sol por Testemunha” e com Alain Delon no papel principal. Toda a carga homossexual do livro acabou sendo deixada de lado nesta película. A história mudou totalmente quando o diretor Anthony Minghella lançou sua versão em 2000, mantendo o nome original da obra e tendo Matt Damon (foto) como ator principal. Tom Ripley é enviado à Europa por um empresário para trazer seu filho de volta. Chegando lá, se apaixona por ele. A tensão sexual entre os dois personagens se tornou clássica e deu vigor à história.

Brenda Chase/Getty Images Entertainment/Getty Images

Gia - Fama e Destruição

Hoje, Angelina Jolie aparece nas telas interpretando personagens mais comportados e sua imagem é a de uma jovem e respeitável senhora. Mas em um passado não tão distante ela se destacava pelos papéis sensuais. Exemplo deste “Gia – Fama e Destruição”, em que interpreta a personagem-título, uma jovem modelo que se torna uma das mais famosas do mundo. Ao mesmo tempo em que na carreira faz grande sucesso, ela se envolve com Linda (Elizabeth Mitchell), em uma paixão avassaladora. As cenas de sexo no filme são quentes, chamaram a atenção do público e até hoje são referência de lesbianismo no cinema. Dirigido por Michael Cristofer.

Divulgação

Fome de Viver

Vampira se mantém bela para sempre sugando o sangue de seus amantes, que permanecem jovens por séculos. Quando seu atual namorado começa a envelhecer rapidamente, ela procura substituí-lo e passa a se relacionar com uma médica. Este é o roteiro de “Fome de Viver” (“The Hunger”), filme de 1983 estrelado por Catherine Deneuve, David Bowie e Susan Sarandon. Estreante no cinema, o diretor Tony Scott caprichou no clima de suspense e, especialmente, na cena de sexo entre as duas protagonistas. A história de amor nasceu em meio à macabra história. O clima noir, devidamente acompanhado pelo som das bandas góticas dos anos 1980, completa o filme.

Divulgação

Plata Quemada

Lançado em 2000 pelo diretor Marcelo Piñeyro, “Plata Quemada” é um dos grandes filmes argentinos dos últimos anos. Antecedeu a Buena Onda, fértil período para o cinema local, com lançamentos de grande qualidade e reconhecidos internacionalmente. É baseado na história real de criminosos portenhos que realizam um grande assalto e se refugiam no Uruguai, onde são descobertos. Dois destes bandidos, Nene e Ángel, são amantes e conhecidos como “Os Gêmeos”. Logo no início do filme, fazem sexo e passam a viver uma grande e conturbada história de amor. O filme ganhou vários prêmios no exterior e cativou pela sensibilidade com que tratou o tema, em meio à ação típica de um filme policial.

Vince Bucci/Getty Images Entertainment/Getty Images

Femme Fatale

Em 2002, o diretor Brian de Palma lançou este interessante filme baseado no livro de James Ellroy. Rebecca Romijn (foto) interpreta Laure, uma jovem mulher que vive de aplicar golpes em seus parceiros. Em dado momento, ela foge com alguns diamantes, se casa com um embaixador e passa a morar na França. Ali, um inusitado fato faz com que ela tenha de lidar com todos os problemas do passado. Um dos momentos mais interessantes do filme é a cena de sexo com Veronica (Rie Rasmussen) que aparece no banheiro cheio de joias. Enquanto ambas transam, um comparsa vai trocando as peças por réplicas falsas.

Getty Images/Getty Images Entertainment/Getty Images

Garotos Não Choram

Filme denso e que trata conflitos sexuais com bastante profundidade, “Garotos não Choram” (“Boys don’t Cry”) foi lançado em 1999. O diretor Kimberly Peirce adaptou esta tocante história, baseada na história real de Brandon Teena. Jovem garota se traveste de homem para se relacionar com outras mulheres. Ela acaba se apaixonando por uma moça de uma pequena cidade e o relacionamento entre elas choca a vizinhança conservadora. O fantástico desempenho no papel principal valeu a Hilary Swank seu primeiro Oscar. Chloe Sevigny foi indicada como Melhor Atriz Coadjuvante. A cena em que ambas interagem sexualmente é sensual e ao mesmo tempo tocante.

Divulgação

Alexandre, o Grande

Quando se fala em Alexandre, o Grande, vem à mente o genial estrategista militar. Partindo da Macedônia, conquistou todos os povos que encontrou pela frente e criou o mais fantástico império já visto até então. Pouco se fala de sua vida pessoal, em que teve relacionamentos amorosos profundos com mulheres e também com homens. Essa faceta é bem explorada no filme “Alexandre”, dirigido em 2004 por Oliver Stone e protagonizado por Colin Farrel. Em meio às grandes batalhas, ele se relaciona com outros homens. A opção em mostrar a bissexualidade do imperador gerou grande polêmica e rendeu críticas e elogios intensos.

Katy Winn/Getty Images Entertainment/Getty Images

Garota Infernal

Lançado em 2009, “Garota Infernal” (Jennifer’s Body”) é uma comédia de humor negro, feita para explorar a imagem “sexy e má” da jovem Megan Fox (foto). A história dirigida por Karyn Kusama mostra uma líder de torcida que, após um trágico acidente em um bar, começa a se comportar de maneira estranha. O que ninguém sabe é que ela foi possuída por um espírito demoníaco. Em dado momento, ela passa a seduzir os colegas da escola para, logo em seguida, devorá-los. Todo o sex appeal da atriz é devidamente destacado durante o filme, especialmente na cena de amor lésbico com a amiga Anita (Amanda Seyfried) no quarto.

Justin Sullivan/Getty Images News/Getty Images

Milk - A Voz da Igualdade

Aqui, o tom é altamente politizado e militante em prol da igualdade de direitos para os homossexuais. O filme foi lançado em 2008 por Gus Van Sant e traz Sean Penn (foto) como o personagem título, em uma performance arrebatadora. O roteiro é baseado na história real de Harvey Milk, primeiro gay assumido a se eleger para um cargo público na Califórnia. Tudo começa quando ele se muda de Nova York para San Francisco, mas começa a enfrentar a resistência dos moradores e comerciantes da rua Castro, onde pretende abrir uma loja de fotografia. Ele luta para manter seus objetivos e ganha espaço como líder político, inclusive em nível nacional.

Divulgação

Um Quarto em Roma

O sensualíssimo filme de 2008, dirigido por Julio Medem, é estrelado pelas belas atrizes Elena Anaya e Natasha Yarovenko. Duas jovens se conhecem na capital italiana, durante o verão, e dividem um quarto de hotel. Elas passam 12 horas juntas e, neste período, deixam de lado suas vidas e relacionamentos para viver um romance tão rápido quanto tórrido. Trata-se de um momento especial para ambas, que experimentam uma liberdade nunca antes vivida por elas. As cenas de sexo, muito bem filmadas, são de muito bom gosto e beleza. Infelizmente, tudo acaba no dia seguinte, quando elas as jovens precisam retornar às suas vidas cotidianas.

Carlos Alvarez/Getty Images Entertainment/Getty Images

E Sua Mãe Também

Dois garotos resolvem realizar sua própria road trip, se aventurando em uma empolgante viagem pelo México. Menores de idade, eles viajam acompanhados de uma mulher mais velha, que os inicia no mundo do sexo. Tudo caminha com relativa normalidade, até que em uma noite a três, os rapazes acabam se envolvendo entre si. A partir daí, a tensão cresce. Este é o roteiro de “E sua mãe também”, dirigido em 2001 por Alfonso Cuarón. A produção revelou os jovens Diego Luna e Gael García Bernal (foto), figurinhas carimbadas em vários filmes latino-americanos e também em Hollywood. Foi indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Divulgação

A Má Educação

Este é mais um filme com o ator mexicano Gael García Bernal. Desta vez, dirigido pelo diretor espanhol Pedro Almodóvar e lançado em 2004. Um cineasta, que sofre de um profundo bloqueio criativo, recebe um antigo colega, que o procura em busca de trabalho como ator. Ambos tiveram uma relação amorosa na adolescência, quando estudavam em um colégio comandado por um padre pedófilo. Eles resolvem então filmar a história que viveram juntos. No entanto, uma surpreendente revelação surgirá, mudando o rumo da vida de todos. Especialista em filmes com alta voltagem sexual, Almodóvar investiu bastante nas cenas de sexo entre os protagonistas.

Frank Micelotta/Getty Images Entertainment/Getty Images

Monster

Em 2002, a ex-prostituta Aileen Wuornos foi executada pelo assassinado de sete homens. Esta história real foi retratada no filme “Monster – Desejo Assassino”, dirigido por Patty Jenkins em 2003. Wuornos desiste da prostituição e conhece a jovem Selby Wall, por quem se apaixona. Sem conseguir um emprego, ela volta a se prostituir, mas apenas para roubar e matar seus clientes. A personagem principal foi interpretada pela sul-africana Charlize Teron, que ganhou o Oscar de Melhor Atriz em 2004 pela sua atuação. Durante todo o filme, o clima de tensão está presente, mesmo durante as cenas de amor entre as duas namoradas.

Divulgação

O Segredo de Brokeback Mountain

O diretor Ang Lee ganhou o Oscar de melhor direção em 2006 por este filme, lançado no ano anterior. “O Segredo de Brokeback Mountain” (“Brokeback Mountain”) conta a história de dois caubóis que conseguem um trabalho como pastores de ovelhas. Eles acabam se apaixonando, dando início a uma história que irá se estender pelos 18 anos seguintes. Ambos vivem relacionamentos paralelos, casam-se e têm filhos, mas nunca esquecem o que sentem um pelo outro. Ao final, o relacionamento termina de forma dramática. A produção tem como ponto forte a ótima performance dos atores Heath Ledger e Jake Gyllenhaal (foto) nos papéis principais.