A importância do ácido estomacal

Escrito por kate lane | Traduzido por vivian rocha
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
A importância do ácido estomacal
Como entender a acidez estomacal (Stockbyte/Stockbyte/Getty Images)

O ácido gástrico, ou estomacal, é composto basicamente de ácido hidroclorídrico, a uma molaridade de cerca de 0,16 M. Embora não seja diretamente responsável pela maior parte da digestão que acontece no estômago, ele tem um importante papel na eliminação de microrganismos potencialmente perigosos e também ajuda na quebra de proteínas.

Outras pessoas estão lendo

Significado

O ácido estomacal sofre estresses constantes, situação incentivada pela indústria farmacêutica. Ele é uma parte indispensável do processo digestivo. Sem ele, o estômago não pode "derreter" ou quebrar corretamente as moléculas do alimento ingerido, resultando em uma má nutrição, já que o intestino delgado não consegue absorver as moléculas menores. Ele também ajuda a evitar que os microrganismos que possam ter sido ingeridos com os alimentos entrem no intestino delgado, onde poderiam matar os que vivem lá e ajudam na digestão e absorção de nutrientes.

Função

A função do ácido estomacal é -- com o perdão da redundância -- atuar como um ácido. Seu pH extremamente baixo transforma o estômago em um ambiente inóspito para microrganismos indesejados e evita sua proliferação. A tendência dos íons de separar outras moléculas é o que faz com que o ácido gástrico comece a desmantelar as proteínas, facilitando o trabalho da pepsina. A pepsina é a enzima responsável pela maior parte da digestão de proteínas, e só é ativada quando o pH está baixo -- uma outra razão pela qual o ácido é importante.

Efeitos

Por ser extremamente forte, o ácido estomacal pode causar uma variedade de problemas quando é mal administrado ou fica fora de controle. Um dos mais comuns é refluxo de ácido, especialmente quando se manifesta como azia. Essa condição ocorre quando o conteúdo do estômago, especialmente os ácidos biliares, passam pelo esfíncter esofágico inferior, irritando o esôfago. Estima-se que 10% dos brasileiros sofrem com a azia diariamente e 40% já a experienciou em algum momento da vida. Outro problema comum são as úlceras, causadas ​​quando o ácido corrói a camada mucosa protetora do estômago (ou do início do intestino delgado), e começa a erodir as paredes.

Considerações

Embora haja quantidades significativas de ácido hidroclorídrico no estômago, ele não deve ser consumido. O equilíbrio dessa substância no revestimento do muco protetor deve ser mantido cuidadosamente, e ingeri-lo em qualquer quantidade irá resultar em uma rápida visita ao hospital. Ele também causa danos em todo o caminho até o estômago -- essa é a mesma razão pela qual o vômito normal, como ocorre em bulímicos ou alcoólatras, faz tão mal ao trato digestivo superior, só que no caminho inverso. Essas regiões não têm as mesmas proteções que o estômago.

Aviso

Existem inúmeros fatores que podem tornar uma pessoa mais susceptível a doenças relacionadas ao ácido gástrico. Atividades como fumar, consumir álcool (já que o próprio álcool é ácido!) e manter hábitos alimentares irregulares, como pular refeições, são alguns. Certos remédios, como aspirinas e corticoides também podem causar problemas; outras condições, como doenças no fígado, enfisema e artrite reumatoide também parecem aumentar esse risco -- assim como ter sangue tipo O!

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível