A importância da eletroterapia na fisioterapia

Escrito por nancy williams | Traduzido por diego feijo cabral silva
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
A importância da eletroterapia na fisioterapia
Dor lombar crônica pode causar a perda de muitos dias de trabalho (back wrap image by Robert Calvillo from Fotolia.com)

Eletroterapia é o uso de eletricidade como parte de um programa de tratamento de fisioterapia ativa. Diversas formas de eletroterapia são usadas desde os tempos da Roma antiga, e ela tem um papel bem estabelecido e de longa data na prática da fisioterapia. Os diferentes métodos de eletroterapia devem ser usados em conjunto com modalidades de tratamento de fisioterapia tais como: massagem, exercícios de amplitude de movimento e a aplicação de bolsas térmicas e compressas de gelo. O uso de eletroterapia como complemento vital à fisioterapia oferece um programa de tratamento mais benéfico e eficaz para o paciente.

Outras pessoas estão lendo

Neuroestimulação elétrica transcutânea (TENS)

O TENS (do inglês "Transcutaneous electrical nerve stimulation") é um pequeno dispositivo que é fácil para o paciente usar em casa. Ele ajuda a aliviar a dor crônica por meio da estimulação dos nervos e músculos através da pele, estimulando a produção dos analgésicos naturais do cérebro, as endorfinas. Os elétrodos podem ser colocados nos lugares em que eles são mais eficazes: diretamente sobre a área dolorida ou nervo causador do problema, ou mesmo no lado oposto do corpo. A intensidade da estimulação pode ser ajustada pelo paciente; algumas unidades possuem capacidades de frequência de 60 a 200 Hz ou estimulação de baixa frequência: menos de 10 Hz. Estudos demonstraram que a estimulação de baixa frequência pode se tornar desconfortável, mas fornece alívio mais duradouro da dor.

A importância da eletroterapia na fisioterapia
Massagem é uma modalidade de tratamento eficaz (procedure image by Mykola Velychko from Fotolia.com)

Estimulação galvânica (GS)

Guillaume Duchenne, o criador da eletroterapia, aprendeu que a aplicação de correntes alternadas no músculo produzia fortes contrações, independentemente da condição do próprio músculo. Durante a Segunda Guerra Mundial, foi descoberto que isto impedia a atrofia (deterioração) muscular e era útil na restauração da massa muscular após ferimentos e lesões. GS de alta voltagem reduz espasmos musculares e edemas do tecido mole, reduzindo assim a dor. Ela é mais eficaz durante os estágios iniciais de tratamento, quando combinada com outras formas de fisioterapia, como gelo, calor e exercícios de reforço e de amplitude de movimento.

A importância da eletroterapia na fisioterapia
Combinar estimulação galvânica com fisioterapia é eficaz contra novas lesões (bodyboarder qui s'échauffe image by bacalao from Fotolia.com)

Corrente interferencial (IFC)

Esta forma de eletroterapia é similar à TENS, mas oferece uma frequência maior (4000 Hz), formas de onda que penetram mais profundamente na pele, causando menos desconforto. Ela bloqueia a transmissão dos sinais de dor juntos aos nervos enquanto estimula a produção de endorfina. A IFC frequentemente alivia a dor lombar crônica de pacientes que não foram ajudados pela TENS.

A importância da eletroterapia na fisioterapia
Fisioterapia e eletroterapia se unem para tratar estiramentos musculares de forma bem-sucedida (the leg image by Rich Johnson from Fotolia.com)

Ultrassom

Este método de eletroterapia alivia de maneira eficaz a dor nas articulações profundas e nos tecidos musculares. Seu calor intenso amacia e alonga o tecido conjuntivo, aumentando a mobilidade e o pleno uso das articulações. O Ultrassom é eficaz no tratamento de dor lombar crônica e recorrente, e amplitude de movimento reduzida em um segmento da espinha. Ele é mais eficaz quando usado em conjunto com um regime gradual de exercícios e alongamento dos músculos.

A importância da eletroterapia na fisioterapia
Programas de exercícios são parte do plano de tratamento (leg extension 3 image by redrex from Fotolia.com)

Efeitos colaterais e precauções

Efeitos colaterais são raros, mas ocasionalmente pode haver dor transitória após o uso de unidades TENS e IFC. As pás adesivas das unidades podem causar leve irritação cutânea. As pás dos elétrodos de TENS, IFC ou GS nunca devem ser colocadas sobre o coração ou sobre o marca-passo e seus elétrodos, pois isto pode causar arritmia cardíaca. Colocar as pás sobre a garganta pode causar a queda da pressão sanguínea, e colocá-las sobre um útero na gravidez pode prejudicar o feto.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível