Mais
×

Qual a importância do liberalismo durante a Revolução Francesa

Atualizado em 23 março, 2017

O período entre o final do século 18 e início do século 19 foi de muita turbulência na Europa, pois a maioria dos Estados sofreu algum tipo de mudança governamental. Na França, assim como na maior parte do continente europeu, a mudança se baseou na alteração da monarquia ditatorial para o surgimento das repúblicas democráticas. Esse movimento político estava de acordo o liberalismo econômico, apesar de não ter sido realizado de forma simples. Justamente pelo contrário, a Revolução Francesa se caracterizou por uma série de revoltas violentas, visando atingir a almejada reforma política.

A Revolução Francesa ocorreu a partir de uma sangrenta evolução política em direção à democracia, impulsionada por tumultos entre as pessoas comuns (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

O liberalismo no século 19

Para compreender a importância do liberalismo durante a Revolução Francesa, o ideal é definir a palavra "liberal" de acordo com o significado dado durante os séculos 18 e 19. Os iluministas liberais estavam interessados em proporcionar a liberdade e a autonomia privada às classes secundárias, retirando o poder das mãos do monarca. Eles apoiavam as liberdades civis para todos, apesar de reconhecer o direito de voto apenas para aqueles detentores de propriedades. Em relação às relações econômicas, os liberais defendiam a economia de mercado, conforme disposto no livro de Adam Smith, intitulado "A Riqueza das Nações".

Pré-Revolução Francesa

Antes da Revolução ocorrer, a forma de governo na França era a monarquia absolutista, marcada pela rigidez e pelo forte controle estatal. O rei ditava a religião oficial do Estado, que era o catolicismo romano. Até o ano de 1787, o monarca detinha o controle do país em suas mãos. Os primeiros movimentos contrários surgiram quando Luis XVI instituiu um imposto sobre todas a propriedades, a fim de somar uma grande quantia de valores para os cofres estatais. Os proprietários de imóveis, denominados burgueses, se recusaram a pagar o tributo, pois eles não concordavam com a falta de transparência quanto à destinação do montante arrecadado. Foi nesse época que Luis XVI convocou a primeira assembleia representativa, denominada Assembleia dos Estados Gerais.

Ideais da Revolução

Ocorreram dois grandes períodos na Revolução Francesa: a maioria das revoluções que se iniciaram em 1789 e um grupo secundário de revoluções durante o ano de 1848. Nos dois momentos, a discussão principal era a mesma: quem exerceria o poder no país. A revolução primária de 1789 foi impulsionada por pessoas comuns, denominadas de o Terceiro Estado. Eles defendiam a ideia de que cada cidadão deveria ter o poder de influenciar na vida política do país através do voto, exigindo ainda a promulgação de uma constituição escrita. Esses movimentos, e aqueles que se seguiram, baseavam-se diretamente nos ideais liberais de liberdade individual e democracia.

O triunfo do liberalismo

A mudança da monarquia para a república democrática não ocorreu da noite para o dia na França. Na realidade, essa alteração política levou cerca de 100 anos para consolidar um sistema republicano realmente estável. Durante esse período, os liberais continuavam lutando para efetivar uma governo representativo, que apoiasse um sistema de justiça igualitário e justo, bem como um regime econômico que sustentasse a economia de mercado. Esses ideais não se limitaram a produzir efeitos apenas na França, mas sim, estimularam processos revolucionários em quase toda a Europa, estabelecendo os modelos de governos representativos conhecidos atualmente.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article