Influências do homem sobre a floresta temperada

Escrito por yasmin zinni | Traduzido por carol matos
Influências do homem sobre a floresta temperada
As forestas temperadas estão restritas a pequenas áreas, muitas vezes perto das áreas costeiras (Ryan McVay/Lifesize/Getty Images)

Embora as florestas temperadas sejam encontradas em variadas latitudes entre os círculos polares e os trópicos, elas estão restritas a pequenas áreas onde os níveis de precipitação variam de 200 cm a 400 cm. Agricultura, mineração, caça, exploração madeireira e urbanização são algumas das atividades humanas que afetaram negativamente este bioma, resultando na destruição da biodiversidade, poluição, desmatamento, além de perda e fragmentação de habitats. As florestas temperadas, habitat de muitas espécies ameaçadas e endêmicas, podem ser vistas em áreas do sul do Chile, na costa oeste do Canadá e dos EUA, norte da Espanha e de Portugal, Irlanda, sul da Noruega, Japão, sul da China, Tasmânia e Vitória, na Austrália e na Nova Zelândia.

Desmatamento

O desmatamento é o efeito das atividades agrícolas, mineração, exploração madeireira e outras atividades humanas, que afetam muitas florestas em todo o mundo, incluindo a floresta temperada. A exploração madeireira intensiva reduziu a menos de 10% a floresta temperada nativa da Califórnia, de Washington e do Oregon. O desmatamento da floresta para cultivo da terra reduziu drasticamente o seu número na Europa. Na Austrália, menos de 3% da floresta temperada original permanece.

Perda da biodiversidade

A Picea sitchensis, a sequoia e a Western hemlock são algumas das espécies de árvores da floresta temperada, que são enormes e produzem madeira de valor comercial. Além do desmatamento, a exploração madeireira também contribui para a perda de espécies de plantas, tais como a sequoia, que agora está ameaçada de extinção. Tanto a caça legalizada quanto a furtiva contribuem para a perda da biodiversidade e a extinção de espécies animais ameaçadas, como o tigre, que habita a floresta temperada da China. A introdução de espécies invasoras também são uma ameaça à biodiversidade nativa. Nas florestas temperadas da Noruega, o vison-americano escapou das fazendas de peles, e é hoje uma espécie invasora que ameaça as colônias de aves marinhas. Na América do Norte, existem mais de duzentas espécies introduzidas em áreas da floresta tropical temperada, trinta delas consideradas invasoras, incluindo o tojo comum (Ulex europaeus), a Cortaderia jubata e o capim-dos-pampas (Cortaderia selloana).

Poluição

A poluição dos grandes centros urbanos também afeta as florestas temperadas remanescentes. A poluição doméstica e industrial contamina as fontes de água, contribuindo para o desequilíbrio ecológico entre as espécies na cadeia alimentar. O dióxido de carbono e outros poluentes liberados na atmosfera provocam a acidificação dos rios e lagos, afetando não somente as espécies aquáticas, mas também os seus predadores.

Perda de habitat e fragmentação

As atividades humanas contribuem para a perda e a fragmentação do habitat nas florestas temperadas. Ao perder seus habitats naturais, algumas espécies ficam ameaçadas e podem migrar para outras áreas, afetando o equilíbrio das populações locais. Nas florestas temperadas da América do Sul, o pequeno marsupial monito del monte, e o pudus, um pequeno tipo de veado, sofreram a fragmentação do habitat. O Menura alberti, na Austrália, e as corujas-pintadas, na América do Norte também perderam parte de seus habitats, o que contribuiu para a diminuição de suas populações.