Lendas do folclore brasileiro

Escrito por josie ribeiro
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Lendas do folclore brasileiro
A sereia Iara é uma das personagens mais conhecidas do folclore brasileiro (Goodshoot/Goodshoot/Getty Images)

O folclore brasileiro é muito rico e foi constituído com base na cultura e crendice popular. Recebeu influências indígenas, europeias e africanas e revela os costumes e tradições de todo o País. Cada lenda do nosso folclore era contada de forma distinta entre os estados em que ocorria, mostrando a grande mistura e variedade cultural que temos. Descubra mais sobre as quatro de nossas conhecidas lendas folclóricas.

Outras pessoas estão lendo

Saci-Pererê

O Saci-Pererê foi concebido no imaginário de tribos indígenas do sul do País. Ao se espalhar por nosso território, a lenda ganhou influências africanas, que o transformou em um menino negro com um cachimbo e que perdeu a perna em uma luta de capoeira. Os europeus também deram sua contribuição para a criação do mito ao inserir o gorrinho vermelho. Alguns acreditam que ele é um ser maligno, outros que é apenas um brincalhão que gosta de pregar peças.

Curupira

Curupira, um menino de cabelos vermelhos e pés virados para trás, é um protetor da fauna e da flora brasileira. Seu nome tem origem tupi-guarani e quer dizer "corpo de menino". Reza a lenda que ele usa os pés para confundir caçadores e lenhadores, deixando-os perdidos na floresta. Ele também possui poderes mágicos e usa encantamentos para se transformar em outras criaturas, além de ser muito rápido, astuto e forte.

Iara

Outra famosa figura do folclore brasileiro, Iara, ou "mãe das águas", é uma sereia morena de longos cabelos negros e olhos castanhos que atrai os homens com seu canto e que vive no rio Amazonas. A lenda indígena diz que Iara foi jogada no encontro entre os rios Negro e Solimões pelo próprio pai, o pajé da tribo, após ela matar os irmãos, que a invejavam por ser uma excelente guerreira.

Mula sem cabeça

De origem incerta, a mula sem cabeça, fazia parte da crença de comunidades dominadas pela igreja católica. Acreditava-se que qualquer mulher que namorasse ou se casasse com um padre seria transformada em uma mula que, ao invés da cabeça, teria fogo acima do pescoço. Outras crenças diziam que moças que perdiam a virgindade antes do casamento se transformavam no monstro, revelando a influência das famílias tradicionais. Depois de se transformar, a mula passava a correr pela mata assustando pessoas e animais.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível