Mais
×

Os maiores mistérios da ciência

A escala do universo é incompreensível, e os cientistas ainda estão lutando para compreender seus muitos mistérios
Getty Images

Introdução

Pode-se dizer que a ciência começou a existir no momento em que o ser humano se tornou inteligente o suficiente para fazer algumas perguntas muito simples. O que estamos fazendo aqui? Todas essas coisas que eu posso ver aqui: o que são? O que é aquela bola brilhante e quente no céu? Por que eu posso fazer essa pergunta? Ao longo de milênios, essas questões foram gradualmente sendo respondidas, mas muitas ainda persistem. Os mistérios da vida, o universo e tudo mais são a força motriz por trás da ciência, as coisas que obrigam as pessoas a dedicarem suas vidas à busca da verdade. Nesse sentido, a ciência existe no mistério e ainda há muito dele em toda parte.

Hemera Technologies/AbleStock.com/Getty Images

Como começou a vida?

A origem da vida é o mistério mais próximo de nossos corações, pois ele explica o que nos fez existir em primeiro lugar. O principal obstáculo para chegar a uma resposta é que isso aconteceu há mais de 3,5 bilhões de anos atrás. A ideia dominante é que a vida foi despertada em uma mistura primordial através de algumas reações químicas desconhecidas. Algo fez com que redes complexas de átomos começassem a processar energia e se reproduzissem e nós não sabemos o que é. Alguns cientistas ainda pensam que a vida poderia ter sido trazida a este planeta em um asteróide antigo.

NASA/Getty Images News/Getty Images

Estamos sozinhos no universo?

A pergunta seguinte a como a vida veio a existir é se ela poderia ou não correr em outro lugar. Essa questão é extremamente difícil de responder, mas com trilhões de estrelas em cada galáxia e mais de 100 bilhões de galáxias no universo, parece haver algo mais. Existe o SETI (sigla em inglês para Busca por Inteligência Extraterrestre), que verifica sinais de rádio enviados através do espaço, mas eles ainda nos devem respostas (nós enviamos sinais para o espaço o tempo todo, então a vida inteligente em outros lugares provavelmente deveria fazer o mesmo). A missão Viking a Marte recebeu alguns poucos sinais, mas outro escaneamento informou que essa área é completamente desprovida de vida. É extremamente improvável que nós sejamos a única forma de vida no universo, mas ainda temos que encontrar suficiente evidência de outras vidas e coisas improváveis acontecem o tempo todo.

Steffen Kugler/Getty Images News/Getty Images

Matéria escura

Einstein foi incrível. Ele surgiu com a bela teoria da gravidade (a teoria da relatividade geral), que explica os mistérios do seu tempo e ainda serve como nosso melhor modelo para a força que esculpiu o universo. No entanto, há um problema. Se aplicarmos seu modelo para a velocidade com que as estrelas se movem ao redor de seus centros galácticos, os números não batem. A teoria é que a velocidade extra significa gravidade extra, e a gravidade extra significa que há mais coisas lá fora do que pensávamos. Isso representa 90% do nosso universo, mas ainda não podemos vê-lo. É a chamada matéria escura.

Creatas/Creatas/Getty Images

Energia escura

As leis do movimento parecem bastante simples - você aplica alguma força em algo e isso se move a uma distância proporcional à quantidade de energia que recebeu e à quantidade de resistência que encontra. A maior força propulsora que conhecemos é o big bang, então os cientistas finalmente tentaram medir os destroços estelares. Logicamente, assim como uma bola de futebol chutada através de um campo eventualmente desacelera, o universo também teria gradualmente desacelerado após sua expansão de massa. Infelizmente, ele está na verdade acelerando, devido a uma força desconhecida chamada de energia escura. Você já deve ter percebido que os físicos gostam de usar a palavra "escuro" como um código para "coisas que não entendemos".

Michael Blann/Lifesize/Getty Images

O problema do horizonte

Ligue a TV, mas ligue em um canal que não esteja sintonizado. O que você pode ver é a radiação de fundo de microondas (não o eletrodoméstico) criada no big bang. Está em todo o universo, então os cientistas mediram sua temperatura como um meio de estudar as consequências da grande explosão. Eles descobriram que é exatamente a mesma temperatura em todos os sentidos, que não é certamente o que você esperaria na sequência de uma explosão. O calor só pode viajar na velocidade da luz, então ele não poderia ter viajado 28 bilhões de anos-luz em todo nosso universo nos 14 bilhões de anos que ele existe. Para explicar isso, cosmólogos têm sugerido a inflação cósmica (um período de rápida expansão no início do universo), mas a teoria só cria mais perguntas.