Como usar mandalas na meditação

Escrito por contributing writer | Traduzido por lean pereira
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Como usar mandalas na meditação
A meditação visa acalmar e limpar a mente

A prática oriental da meditação com mandala tem sido usada por séculos como uma poderosa ferramenta para acalmar a alma e limpar a mente de impurezas. A meditação com mandala é tanto para iniciantes quanto experientes. Pode ser de especial utilidade aos que têm dificuldade em sentar-se imóveis e manter-se presos ao momento, já que concentrar-se em um objeto lhe ajuda a focar energia dentro de si mesmo. Como em toda a prática de meditação, não há certo ou errado. Sua prática deve servir às suas necessidades particulares, e estar demasiado preso a regras destrói o propósito original de suspender a mente lógica. Os passos abaixo foram criados como uma introdução à prática da meditação com mandala.

Nível de dificuldade:
Moderado

Outras pessoas estão lendo

O que você precisa?

  • Mandala

Lista completaMinimizar

Instruções

  1. 1

    Pendure sua mandala na parede em um ponto bem iluminado, no qual você possa realizar sua meditação tranquilamente. O centro da mandala deve estar à altura dos olhos, aproximadamente a um metro de você em posição sentada. Você pode também escolher colocar sua mandala em um cavalete caso deseje a opção de mobilidade, mas acabará descobrindo que criar um espaço sagrado lhe ajudará a obter o padrão de mente adequado. Na tradição oriental, diversos objetos, arranjados de acordo com os princípios do feng shui, têm sido usados em espaços de meditação. Estes normalmente incluem um equilíbrio de itens com qualidades masculinas e femininas, flores, incenso e velas. Inclua quaisquer objetos que têm um significado pessoal para você, ou que lhe sirva para aquietar a mente.

  2. 2

    Sente-se com uma postura confortável. A posição de lótus é ideal para a prática de meditação, uma vez que se crê trazer a mente e o corpo à harmonia. Para fazê-la, sente-se com as pernas cruzadas e a coluna reta. Se o fizer de forma correta, deverá sentir uma linha imaginária correndo diretamente dos ossos sacros até a ponta de sua cabeça. Os ombros deverão estar relaxados, mas não encurvados. Relaxe as mãos em seus joelhos, com as palmas para cima. Um travesseiro ou lençol dobrado pode ser usado para se sentar, se desejado. Caso a posição de lótus seja dolorosa, não se force a fazê-la. Alternativamente, você pode sentar-se na ponta de uma cadeira com a coluna ereta. Use qualquer postura que lhe seja confortável, pelo tempo em que consiga mantê-la adequada. Se você tiver dificuldades mantendo a coluna ereta, tente sentar-se com as costas contra a parede.

  3. 3

    Feche seus olhos. Inspire pelo nariz, permitindo que o ar suba naturalmente com o diafragma, enchendo os pulmões e espalhando-o pela cabeça antes de expirar pela boca. Respire de forma profunda e constante, sentindo o lento ritmo de seu corpo enquanto o faz. Sinta seu corpo se relaxar e deixe as tensões irem embora. Quando os pensamentos surgem ou você se torna ciente de distrações físicas, simplesmente note-os e deixe-os ir. Não tente forçar pensamentos de sua cabeça ou sentimentos de seu corpo. Aceite-os como parte da experiência. Visualize a mandala e foque sua energia em seu coração, até sentir sua energia fluindo entre ele e o centro da mandala. Mantenha sua respiração e permaneça imóvel e centrado até que esteja pronto para abrir os olhos.

  4. 4

    Contemple sua mandala com um olhar levemente desfocado. Mantenha sua respiração profunda e constante, permitindo que o fluxo de oxigênio entre e as toxinas saiam. Olhe profundamente para o centro da mandala, tentando piscar o mínimo possível. Não atente aos detalhes da mandala, mas mantenha o olhar em seu centro e observe-a como um todo. Depois, permita-se observar os diversos elementos da mandala. Você pode estar atraído por certas imagens, padrões e cores. Deixe que seus pensamentos possam ir e voltar à medida em que você contempla.

  5. 5

    Foque seus olhos e comece a explorar visualmente a mandala, começando com as partes externas e movendo em direção ao centro. Vá lentamente, o mais lentamente possível. A mandala tem o poder da unidade, cura, equilíbrio e completude. O centro é onde o ponto crucial deste poder reside. Use quaisquer conceitos que falem com você à medida em que se foca intensamente no centro. Uma vez mais, explore o fluxo de energia entre o coração e o centro da mandala. Feche seus olhos e sinta a harmonia interior. Permita-se sentir o que a mandala envia a você. Abra seus olhos quando se sentir pronto. Repita sua jornada pela mandala uma vez mais, se desejar.

Dicas & Advertências

  • Tente manter um diário de pensamentos que surjam durante a meditação e que pareçam necessitar de uma maior exploração futura.
  • Se você tiver dificuldades fazendo as seções diárias de 15 a 30 minutos, tenha em mente que mesmo um minuto de contemplação pode ser benéfico. A meditação não pode ser forçada, e leva tempo até treinar a mente a praticá-la. É chamada uma prática porque a meditação é uma jornada infinda de auto-descobrimento. Não é algo para se dominar. Continue tentando manter o foco no tempo presente, e não se sinta desencorajado se as coisas não saírem como você pensa que deveriam.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível