Mais
×

Mulheres artistas do período Renascentista

Atualizado em 21 novembro, 2016

Durante o Renascimento, um estilo artístico distinto emergiu da reinterpretação de temas clássicos e religiosos com o "renascimento" do conhecimento clássico que foi suprimido durante a Idade Média. Artistas prosperam durante este período e a cultura europeia foi inundada com as obras-primas de mestres como Michelangelo e Leonardo da Vinci. Esses acontecimentos grandiosos na arte da Renascença não se restringiram a artistas do sexo masculino, também havendo algumas mulheres artistas.

Os homens não eram os únicos artistas do Renascimento (Hemera Technologies/PhotoObjects.net/Getty Images)

Catherine de Vigri

Catherine de Vigri (1413-1463), mais conhecida como Santa Catarina de Bolonha, é a santa padroeira dos pintores. Ela era abadessa de um convento rigoroso da ordem das Clarissas em Bolonha e ficou conhecida por viver uma vida religiosa austera e ter visões de Maria. Durante o tempo em que foi abadessa, ela era uma ilustradora prolífica de cenas religiosas, muitas das quais foram visões que ela mesma teve. Catherine de Vigri também dedicou seu tempo para pinturas maiores de Jesus, de Maria e dos santos, e escreveu várias obras devocionais também.

Sofonisba Anguissola

Sofonisba Anguissola (1532-1625) estudou com Bernardo Campi devido à crença de seu pai de que o ensino máximo de uma mulher deveria incluir as artes. Sob a tutela de Campi, ela criou uma série de autorretratos e representações da Virgem Maria. Suas pinturas refletem a castidade de Anguissola e sua devoção religiosa. Ela tornou-se um membro da corte espanhola e, como tutora de artes da rainha, ela foi uma das pintoras mais famosas entre a nobreza da Espanha. Apesar de sua notoriedade, as pinturas de Anguissola não eram vendidas; na verdade, ela nunca vendeu um quadro.

Lavinia Fontana

Lavinia Fontana (1552-1614), filha do artista Prospero Fontana, é lembrada como a primeira artista profissional do sexo feminino porque a sua carreira se consolidou nas artes. Ela foi especialmente conhecida por seu trabalho como retratista, embora tenha feito outros trabalhos criativos também. Entre as mulheres nobres de Bolonha, Fontana foi a escolha popular para retratos. Mais tarde, ela começou a criar grandes quadros de altar, que a tornaram conhecida no Vaticano. Em 1604, ela se mudou para Roma, a fim de ser uma retratista na corte do Papa Paulo V.

Artemisia Gentilheschi

Artemisia Gentileschi (1593-1692) aprendeu a arte da pintura originalmente com seu pai, Orazio Gentileschi, embora ela tenha sido muito influenciada por outros artistas, como Michelangelo Merisi da Caravaggio. Suas pinturas, das quais sobreviveram apenas 34, demonstram uma visão original de temas tradicionais e uma atenção excepcional para o contraste entre luz e sombra. Ela foi membro da Academia de Design, uma honra prodigiosa. Mais tarde, ela também produziu pinturas para a família Medici em Florença, e por fim se agregou à corte do rei Charles I da Inglaterra. "Susanna e os anciões" e "Judite matando Holofernes" estão entre suas obras mais conhecidas.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article