O que as mulheres faziam no front doméstico na Primeira Guerra Mundial

Escrito por carolyn robbins | Traduzido por bianca amorim
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
O que as mulheres faziam no front doméstico na Primeira Guerra Mundial
No momento em que a Primeira Guerra Mundial terminou em 1918, as mulheres estavam trabalhando em muitas áreas fora de casa (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)

Durante o curso da Grande Guerra (como era conhecida na época), que começou em julho de 1914 e terminou em novembro de 1918, 262.725 soldados americanos foram enviados para o front. Destes, aproximadamente 70 mil foram mortos ou desaparecidos em ação e 189.955 soldados ficaram feridos. Com a saída de tantos jovens, a dinâmica na casa mudou consideravelmente. As mulheres eram chamadas para trabalhar em campos tradicionalmente dominados por homens, continuando os seus deveres como donas de casa e mães.

Outras pessoas estão lendo

Fora de casa

Com milhares de jovens soldados indo para a guerra, as mulheres foram chamadas para participar da força de trabalho. As mulheres tornaram-se caixas de banco, funcionárias de fábrica, estenógrafas, telefonistas, condutoras de carros de rua, fazendeiras e comissárias de estrada de ferro. A Women's Defense League (Liga de Defesa das Mulheres), nos EUA, coordenou os trabalhos mais diretamente relacionados com o esforço de guerra, incluindo operar o telégrafo e o telefone e posições estenógrafa. O "Seattle Post Intelligencer", observou, em 1917, que as mulheres telegrafistas e taquigrafas eram "... mais aptas do que os homens nessa linha de trabalho".

Em casa

Cuidados com a casa e a maternidade também passaram por uma mudança como resultado do deslocamento das mulheres, de casa para o mercado de trabalho, durante a Primeira Guerra Mundial. Como muitos empregos não forneciam creches para as crianças, cargos para as mulheres mais velhas que poderiam servir como babás e empregadas domésticas tornaram-se mais comuns. Mulheres de todas as classes que tinham trabalhado exclusivamente no âmbito doméstico, cuidando de sua própria cozinha, da limpeza e criação dos filhos, agora chamavam uma geração mais velha de senhoras para cuidar de seus filhos enquanto trabalhavam.

Patriotismo

As mulheres americanas foram o músculo por trás do apoio patriótico do esforço de guerra oferecidos por organizações como a Cruz Vermelha, Liga Patriótica e Associação Cristã de Moças (YWCA). As integrantes destes grupos fizeram tudo, desde tricotar meias para os soldados a trabalhar em hospitais militares. Além disso, as mulheres eram encorajadas a recrutar homens que ainda não se inscreveram para servir como soldados.

Condições de trabalho

As condições nas fábricas, particularmente naquelas que produziam munições, eram perigosas para trabalhadoras do sexo feminino. A maioria dos empregadores fazia pouco esforço para acomodar as necessidades das mulheres -- nenhum banheiro era reservado para seu uso e creches raramente estavam disponíveis. Levou tempo para os sindicatos das mulheres ganhar impulso e, durante a guerra, as mulheres eram, em geral, pagas apenas com metade do salário dos trabalhadores do sexo masculino. Embora em tempo de guerra as leis de igualdade de remuneração estivessem em vigor, os empregadores se esquivavam delas com a contratação de várias mulheres para trabalhar meio expediente, substituindo, assim, um trabalhador de tempo integral.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível