Orçamento baseado em atividades

Escrito por neil kokemuller Google | Traduzido por elia regina previato
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Orçamento baseado em atividades
Os orçamentos das empresas são normalmente divididos em fatores de custo (Thinkstock/Comstock/Getty Images)

O orçamento baseado em atividades é uma ruptura com as estruturas orçamentárias organizacionais tradicionais, onde os orçamentos da empresa são normalmente divididos em fatores de custo, tais como salários, viagens e treinamento. Com esse tipo de orçamentação, os orçamentos são separados em atividades, então os produtos e serviços vendidos ou entregues a clientes são apresentados dentro de cada atividade.

Outras pessoas estão lendo

As bases da orçamentação baseada em atividades

A orçamentação baseada em atividades é similar à estrutura do orçamento governamental conhecido como programa básico de orçamento. O conceito facilita a conexão do rendimento com as despesas para calcular o retorno do investimento e facilitar a explanação aos clientes onde o dinheiro está sendo gasto. Essa orçamentação é destinada a organizações que vendem produtos e serviços externos a clientes ou consumidores. Uma agência de propaganda, por exemplo, apresentaria uma proposta de orçamento a um cliente que esboçasse cada área de atividade, como o gerenciamento da contabilidade, criação, relações públicas e despesas com a mídia. Dentro de cada área, seriam orçados os custos específicos associados com a entrega desses serviços.

Benefícios

Muitos analistas concordam que a intenção e o conceito da orçamentação baseada em atividades é saudável. Associando todos os custo com os produtos e serviços que uma organização oferece é altamente positivo, de acordo com N. Dean Meyer em seu artigo de agosto de 2007, "Activity-Based Budgeting Aims for the Right Target." (Orçamentação baseada em atividades visa o alvo certo). Ele observa que é uma abordagem de mais senso comum ao orçamento proposto que simplesmente determinar os custos dos fatores que não possuem bases identificáveis, os quais levam os clientes a questionar para onde está indo o dinheiro.

Desvantagens

Meyer, cuja empresa N. Dean Meyer e Associates Inc. vende softwares de contabilidade de custos e serviços de consultoria, aponta algumas das maiores deficiências da estrutura de orçamentação baseada em atividades. Uma é cultural. Uma vez que apenas atividades e serviços e produtos diretamente ligados aos clientes são incluídos, equipes de suporte interno são algumas vezes tratados como "cidadãos de segunda classe". Seu valor não é tão tangível dados os custos associados não serem fatorados no orçamento dos clientes. Meyer também aponta a imperfeição técnica onde as empresas se sentem tentadas a repassar ao cliente a infraestrutura interna e os custos operacionais contabilizando-os como serviços, quando na verdade são custos internos.

Valor direcionado

Em sua descrição do livro de James A. Brimson e John Antos "Driving Value Using Activity-Based Budgeting" (Orçamentação baseada em atividades de valor direcionado), o editor John Wiley & Sons enfatiza que os programas de pleno direito da ABB aumentam o valor da companhia ao ligar estratégias de longo prazo aos sistemas orçamentários. As empresas têm acesso a soluções de software que são verdadeiras "obras de arte" para uso no planejamento, e podem ligar estratégias às atividades orçamentárias internas, tais como previsão de receitas, gerenciamento de capacidade e análises de intervalos. Um sistema orçamentário como o da ABB (Activity-Based Budgeting) se torna uma força mais poderosa na empresa se estiver alinhado com a visão corporativa.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível