Mais
×

O perfil do internauta brasileiro

Getty Images

Introdução

Mais de 89 milhões de pessoas utilizam a internet no território brasileiro. Não é pouco. Pelo contrário, o número nos coloca como o quinto maior mercado online do mundo, atrás apenas da China, dos Estados Unidos, da Índia e do Japão. Essa grande quantidade de internautas começa a ditar o comportamento da sociedade e até mesmo a reger os caminhos da economia. Com o passar do tempo, essa massa de brasileiros passou a ter uma cara própria, muito mais nítida, com padrões de comportamento definidos. Pesquisas realizadas pelos institutos Ibope e IAB Brasil traçaram o perfil do internauta brasileiro. Conheça um pouco desses números.

Pixland/Pixland/Getty Images

Sexo e faixa etária

Como era de se esperar, a população adulta ocupa a maior fatia dos internautas em território brasileiro, acompanhado de perto pelos jovens. A supremacia está na faixa etária entre 25 e 34 anos, com 25,6% do total. Logo em seguida, aparece o grupo das pessoas com 35 a 49 anos (25,5%). De acordo com a pesquisa divulgada pelo Ibope, 11,6% dos brasileiros que utilizam a internet têm entre 18 e 24 anos e 10,5% são adolescentes (entre 12 e 17 anos). Chama a atenção a boa cotação da faixa com mais de 50 anos (15,6%). Os homens são maioria, com 53%, contra 47% de mulheres.

Creatas/Creatas/Getty Images

Por região

A região Sudeste, mais populosa e rica do País, detém a liderança no número de internautas: concentra 54,9% do total de usuários da web. O Sul, por sua vez, aparece em segundo lugar, com 18% do total. O Nordeste aparece em seguida, com 13%, contra 9% no Centro-Oeste e apenas 4,7% dos estados do Norte. A distribuição segue a lógica das diferenças econômicas e sociais dessas regiões brasileiras. Por unidade da federação, a liderança cabe a São Paulo (32,1%), seguido por Rio de Janeiro (13,1%), Minas Gerais (8,1%), Paraná (7%), Rio Grande do Sul (6,7%) e Santa Catarina (4,5%).

Pixland/Pixland/Getty Images

Classes sociais

As classes A e B ainda possuem o maior alcance de acesso à internet. Nada menos que 92% das pessoas que integram a fatia mais privilegiada da população utiliza a rede. Na categoria mais abaixo, a web é utilizada por 79%. A crescente evolução econômica - e consequente inclusão digital - trouxe novidades à pesquisa: 54% dos integrantes da classe C já estão devidamente conectados. Entre as classes D e E, as dificuldades ainda são grandes e apenas 25% das pessoas são internautas. A expectativa, no entanto, é que essa porcentagem cresça consideravelmente nos próximos anos, segundo os especialistas.

Creatas/Creatas/Getty Images

Vídeos

Na escola, no trabalho, com os vizinhos ou a família, não tem erro: sempre tem alguém querendo mostrar mais um número de humor, uma mensagem de autoajuda ou os gols da rodada. A impressão de que o internauta brasileiro prefere ver vídeos se comprova ao analisar os dados das pesquisas: nada menos que 80% assiste a vídeos online. A liderança fica com a faixa etária de 25 a 34 anos (mais de 13 milhões de visitantes), seguida daqueles com 35 e 44 anos (9 milhões). Jovens entre 15 e 24 anos aparecem em terceiro lugar no ranking (8,3 milhões).

Chris Jackson/Getty Images Entertainment/Getty Images

Redes sociais ganham espaço

Twitter, Facebook, Google +, Orkut, Linkedin... As redes sociais se tornaram uma coqueluche em todo o mundo pela facilidade para manter contatos e também se manter bem informado. É grande o número de pessoas que criam perfis nessas redes. No Brasil, não é diferente: 30% dos sites visitados pertencem a essa categoria. Em segundo lugar, mas a grande distância, estão os sites de música, visitados por 8% dos internautas. Os de jogos aparecem em seguida, com 5,08%. Mais atrás no ranking estão portais (3,42%) e páginas de educação (2,06%). Blogs e sites pessoais ficam com apenas 1,9% da totalidade.

Sean Gallup/Getty Images News/Getty Images

Sites de busca

Outros levantamentos, agora delimitando mais as categorias, mostram que os sites de busca são os mais acessados pelos internautas brasileiros. Correr a eles para encontrar o endereço que procura ou alguma informação especial faz com que eles liderem o ranking, com mais de 50 milhões de visitantes. Em segundo lugar, aparecem os sítios de telecomunicações (46,8 milhões), com a medalha de bronze para o entretenimento (46,6 milhões). Em seguida aparecem as páginas de produtos eletrônicos e os portais de informações. Viagens, estilo de vida e finanças são outros dos assuntos muito buscados na web, de acordo com os levantamentos realizados.

Jupiterimages/Brand X Pictures/Getty Images

Compras

Boas opções de produtos e serviços, segurança e melhores preços fizeram com que os consumidores abraçassem de vez o chamado e-commerce. Cerca de 42 milhões de brasileiros já fizeram compras online ao menos uma vez, o que equivale a 47% do total de internautas. Eletrodomésticos são os itens mais procurados, seguidos por roupas, produtos de saúde e beleza, tecnologia e decoração residencial. A mudança de hábitos fez com que 74% buscassem informações na web antes de adquirir algum bem. Nada menos que 68% afirma usar mais o meio virtual que a televisão para decidir o que comprar.

Jupiterimages/Creatas/Getty Images

Dispositivos móveis avançam

Foi-se o tempo em que a maior parte das pessoas acessava a internet apenas pelo computador de mesa. Os dispositivos móveis se tornaram, definitivamente, uma opção viável, especialmente pelo advento da conexão 3G. Segundo as pesquisas, 52 milhões de pessoas no Brasil podem utilizar a web por smartphones, sendo que ao menos 20 milhões efetivamente o fazem. Em 2012, 40% dos internautas acessaram a web por meio de laptops, notes e similares, contra 15% em 2009. As pessoas que se conectam via smartphones e tablets somam 8% do total. Notícias, música e vídeos estão entre os produtos mais consumidos nestas novas plataformas.

Pixland/Pixland/Getty Images

Velocidade

Os primórdios da internet, nos anos 1990, eram tempos difíceis. A conexão era discada, resultando em serviço de péssima qualidade e, ainda assim, preço muito elevado. A situação melhorou desde então. Hoje, a velocidade de conexão atingiu bons níveis e uma grande fatia da população já tem acesso a esses serviços. A faixa entre 512 kb e 2 mb já atende a 40,7% dos internautas. Em seguida, vem o estrato entre 2 e 8 mb (32,3%). O número de pessoas com "superinternet" também atingiu níveis bem razoáveis: 15,4% dos usuários brasileiros já utilizam a rede com mais de 8 mb. Os demais ainda sofrem com conexões mais lentas.

Jupiterimages, Brand X Pictures/Brand X Pictures/Getty Images

Consumo simultâneo

Com pouco tempo para cumprir todas as tarefas do dia, não é raro uma pessoa realizar duas atividades ao mesmo tempo, mesmo que sejam nas horas de lazer. Um dado curioso é que o ato de acessar à internet já se moldou a esse padrão de vida. Pesquisa sobre o assunto mostra que 39% das pessoas tem o hábito de navegar e assistir a televisão simultaneamente, índice superior ao de pessoas que consomem jornal e TV (24%). Em terceiro lugar, com 22% da totalidade, estão os que acessam a web enquanto ouvem rádio. O consumo de meios eletrônicos está devidamente inserido no dia a dia.