Os perigos do EDTA na maionese

Escrito por alane michaelson | Traduzido por ana rodrigues
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Os perigos do EDTA na maionese
A maionese é um condimento comum em sanduíches e saladas (Jupiterimages/liquidlibrary/Getty Images)

O EDTA, ou ácido etilenodiaminotetracético, é um produto químico usado em terapia de quelação, e também como um ingrediente em alguns alimentos, incluindo a maionese. Clinicamente, o EDTA é administrado por via intravenosa para o tratamento do envenenamento por chumbo e remoção dos metais pesados ​​da corrente sanguínea. É utilizado como um conservante e estabilizador em alimentos e para proteger a cor das bebidas. Na maionese, o EDTA é utilizado para evitar a separação. Ele é considerado seguro para os níveis utilizados em alimentos, mas pode representar riscos para a saúde se consumido em grandes quantidades.

Outras pessoas estão lendo

Efeitos tóxicos

O risco do consumo de EDTA em indivíduos saudáveis ​​é baixo, mas doses elevadas do produto químico podem ter um efeito tóxico, que é prejudicial para o fígado e os rins. Os níveis do produto químico são muito abaixo dos níveis tóxicos em alimentos, de modo que seria necessário consumir muitas porções de maionese, a fim de atingir níveis perigosos. Não é seguro consumir mais de 3 g de EDTA por dia, por mais de cinco a sete dias.

Esgotamento de nutrientes

Apesar de alguns metais pesados poderem ser tóxicos para o corpo, nós necessitamos de muitos metais para as reações celulares importantes em nossos corpos. Embora reduza os níveis de metais como o chumbo e mercúrio no corpo, o consumo de EDTA também reduz minerais importantes, tais como o cálcio, potássio e manganês. O cálcio é importante para a produção de ossos, o potássio é um eletrólito e o manganês suporta a função do pâncreas, fígado e rim. Além disso, a redução dos níveis de cálcio no sangue pode causar convulsões.

Complicações com as condições existentes

O consumo excessivo de EDTA pode levar a complicações com diabetes, tuberculose, arritmia cardíaca, hipocalcemia e asma. Doses elevadas de EDTA podem fazer com que os tubos de respiração reduzam em doentes com asma e interajam com a insulina, o que interfere com a gestão de açúcar no sangue de um paciente com diabetes. Se você já teve tuberculose, deve evitar EDTA, pois pode liberar as bactérias anteriormente inativas dentro de seus pulmões.

Desastre ambiental

O EDTA é um poluente orgânico que resiste à biodegradação e é difícil de romper usando meios químicos. O impacto ambiental do produto químico não é conhecido neste momento, mas um acúmulo de EDTA ao longo de décadas pode representar riscos imprevistos no futuro.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível