O que você precisa saber para dar os primeiros passos no frevo

Escrito por pedro santos
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
O que você precisa saber para dar os primeiros passos no frevo
O frevo é uma das expressões artísticas mais ricas do Brasil (Foto: Hesíodo Góes/ PCR | Atribuição-NãoComercial 2.0 Genérica (CC BY-NC 2.0))

Difícil de definir, o frevo é ao mesmo tempo um ritmo musical, uma dança brasileira, um estilo de vida e Patrimônio Imaterial da Humanidade, de acordo com a Unesco. Esbanja cores e alegria por onde passa, mas é na época do Carnaval que o frevo vira notícia no mundo inteiro. E tem sido assim desde o finalzinho do século 19, quando ele foi criado no Recife, a capital pernambucana. De lá para cá, ele se desenvolveu como uma dança típica que faz parte da essência do Brasil. Confira nossas dicas para virar um expert na arte de dançar o frevo.

Outras pessoas estão lendo

Como começou

No final do século 19, o Brasil vivia um momento característico de efervescência social, sobretudo no que diz respeito às expressões de uma nova classe social que surgiu depois da Abolição da Escravatura, em 1888. Nesse contexto, o frevo se consolidou como expressão artística particular de Pernambuco. A palavra frevo é uma abreviação para efervescência. Representa agitação, rebuliço, confusão. Como expressão cultural, ele teve, direta ou indiretamente, a influência de outros estilos musicais. Sua batida rápida e frenética tem ligação com a capoeira, o maxixe, o dobrado e a polca.

A dança

É possível reconhecer a dança de longe, sobretudo no jogo coordenado de braços e pernas. Característico pelas roupas bem coloridas e pela sombrinha, o frevo surgiu como uma dança acrobática e estilizada. São mais de 120 passos que, combinados com a multidão do Carnaval pernambucano, promovem um espetáculo apreciado no mundo todo. A dança tem muita influência da capoeira, herdada pelos escravos e seus descendentes. Como expressão cultural, faz referência à perseguição da polícia aos chamados "capoeiras". A sombrinha é uma referência às armas usadas pelos perseguidores.

O ritmo

A dança inventiva é acompanhada por um ritmo único, produzido por cordas, metais e percussão em uma mistura harmônica e alegre. No que se refere ao ritmo, há três tipos de frevo. O chamado frevo de rua é o ritmo instrumental, tocado apenas pela orquestra sem acompanhamento vocal. Já o frevo-canção tem ritmo mais lento e é acompanhado por uma melodia mais cantável. Por sua vez, o frevo de bloco carnavalesco, mais conhecido, é tocado por uma orquestra completa de flautas, bandolins, trombone, trompetes e saxofone, simultaneamente acompanhada por um coro feminino.

Carnaval

A expressão máxima do frevo explode mesmo é no Carnaval pernambucano, quando é possível ver uma multidão nos blocos de rua "frevando", expressão que os pernambucanos usam para definir quem dança ao som do ritmo. À frente dos blocos carnavalescos pernambucanos sempre vai o estandarte, herança da Idade Média quando as Cruzadas carregavam bandeiras com símbolos militares e religiosos. Nos blocos carnavalescos é possível ver muitas sombrinhas, que, com o passar dos anos, se transformaram em uma tradição do frevo ao representar as armas utilizadas pelos policiais e pelos capoeiras durante o século 19.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível