Mais
×

Pré-natal: conheça os exames e quando fazê-los

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Introdução

Se você está grávida, a primeira coisa a fazer é procurar um médico, já que é necessário e importante o acompanhamento pré-natal. Com as visitas periódicas ao médico, você vai acompanhando toda a gravidez, fazendo os exames necessários e se certificando de que tudo está correndo bem contigo e com seu bebê. Confira os principais exames do pré-natal e saiba quando fazê-los. Mas não se preocupe, pois se você estiver fazendo o acompanhamento correto com seu médico, ele orientará você quanto às datas e exames necessários. O pré-natal pode ser feito pela rede pública de saúde.

Jupiterimages/liquidlibrary/Getty Images

Hemograma completo

No início da gravidez, seu médico deve pedir um hemograma completo. Informe-se onde você fará o exame sobre a necessidade de jejum, pois, nesse estado, a grávida pode sentir mais enjoos. Pelo exame de sangue, o ginecologista irá verificar se a gestante está saudável, sem anemia. Ele também indica como está o organismo da mãe, se há alguma infecção a ser tratada. Embora o hemograma seja pedido no início da gestação, o médico pode pedir que ele seja repetido mais uma ou duas vezes, nos segundo e terceiro trimestres da gravidez.

George Doyle/Stockbyte/Getty Images

Urina

Os médicos também costumam requisitar o exame de urina para verificar se a mãe tem alguma infecção urinária. Geralmente, ele é pedido no início da gestação para que não haja nenhum problema decorrente de uma eventual infecção ao longo da gravidez. Uma infecção pode complicar-se e se alastrar pelos rins. Em casos graves, pode antecipar o trabalho de parto. O exame costuma ser repetido no segundo e terceiro trimestres. A coleta da urina pode ser feita no laboratório ou em casa, de acordo com a indicação médica. Geralmente, é coletada a primeira urina da manhã, dispensando o primeiro jato.

Creatas Images/Creatas/Getty Images

Fezes

Seu ginecologista e obstetra podem também pedir o exame de fezes para verificar se a futura mãe está com alguma verminose. Como a anemia é mais comum em grávidas, uma verminose agravaria este quadro e poderia prejudicar a gravidez. O exame costuma ser requisitado no início do acompanhamento pré-natal. A preparação para a coleta varia de acordo com o local escolhido. Siga as orientações do laboratório e de seu médico. Faça todos os exames pedidos por ele na época certa para ter certeza de que sua gestação está correndo de acordo com o esperado.

Keith Brofsky/Photodisc/Getty Images

Ultrassonografia

Este é um exame que as futuras mães adoram fazer, porque é um encontro com o bebê. O ultrassom é importante, logo no início da gestação, pois mostra ao médico onde está ocorrendo a gestação e se há apenas um ou mais bebês no ventre materno. Você precisa seguir as orientações do médico para se preparar para o exame, como tomar uma quantidade específica de água. No início, é importante encher a bexiga para facilitar a visualização. O ultrassom será repetido algumas vezes durante a gestação, como entre a 11ª e a 14ª semanas, quando você fará o ultrassom morfológico.

Thinkstock/Comstock/Getty Images

Ultrassom morfológico

Este ultrassom serve para que o médico verifique o desenvolvimento da criança. O médico irá avaliar os membros, o coração, o sistema nervoso do seu bebê. Entre as 20ª e 24ª semanas de gestação, um novo ultrassom é feito para verificar o desenvolvimento dos rins, pulmões, coração e membros. Por meio destes exames, o médico pode verificar se há alguma má formação. É por volta dos quatro meses de gestação que o médico conseguirá ver o sexo do bebê. Na 32ª semana, mais um ultrassom é feito, para verificar se o feto está na posição correta para o nascimento.

Comstock/Comstock/Getty Images

Glicemia

A diabetes gestacional é uma doença perigosa, que pode prejudicar a saúde da gestante e do bebê e atrapalhar o andamento da gravidez. Por meio do exame de glicemia, logo no início da gestação, será possível verificar a quantidade de glicose no sangue da mãe. Se as taxas estiverem acima do normal, o médico pode suspeitar da diabetes gestacional e fazer o acompanhamento da taxa de glicemia. Ele pode pedir ainda o exame de curva glicêmica, que também mede a taxa de açúcar no sangue. Este é pedido no segundo trimestre da gravidez.

Comstock/Comstock/Getty Images

Rubéola e toxoplasmose

Por meio do sangue, é possível que o médico verifique também se a mulher é imune ao vírus da rubéola. Esta doença é grave para o feto e, por esta razão, é importante que a mulher faça a imunização, orientada pelo médico. Por meio do sangue, o médico também poderá saber se a mulher já teve alguma infecção causada pelo protozoário Toxoplasma Gondii. Ele pode causar danos ao feto, como problemas de visão. A toxoplasmose é outra doença grave para a mulher grávida. Portanto, não deixe de fazer os exames orientados pelo seu médico.

Goodshoot/Goodshoot/Getty Images

Sistema ABO e fator Rh

Geralmente na primeira consulta pré-natal, o médico pede o exame de tipo sanguíneo, pelo sistema ABO e pelo fator Rh (positivo ou negativo). É importante saber para eventuais futuras transfusões e também porque as mães que sejam fator negativo e tenham bebês com fator positivo podem ter eritoblastose fetal. Isso significa que, no parto, quando o sangue da mãe e do feto entrarem em contato entre si, ela produzirá anticorpos que podem afetar o próximo bebê com Rh positivo que ela tiver. Com a identificação precoce do Rh da mãe, é possível se medicar para evitar a formação destes anticorpos.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Mais exames

Na 35ª semana, seu médico deve pedir o exame da cultura da secreção vaginal, para verificar se não há nenhuma infecção. É importante verificar se não há nenhuma bactéria no colo do útero, para não contaminar seu bebê no momento do parto normal. Outro exame que você pode fazer, durante a gravidez, é o ecocardiograma do feto. Se detectado algum problema, o tratamento começa antes mesmo do nascimento. Alguns médicos também indicam a amniocentese, que pode detectar alterações como a síndrome de Down. O exame, no entanto, é invasivo, pois tira uma amostra do líquido amniótico do útero.