Projeto de ciências com gelatina que brilha no escuro

Escrito por tony myles Google | Traduzido por andressa v. da nobrega
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Projeto de ciências com gelatina que brilha no escuro
A gelatina é geralmente usada para criar sobremesas (Jupiterimages/Comstock/Getty Images)

A gelatina pode ser comprada em pó ou em forma sólida, e é geralmente usada para criar sobremesas, como pudins de frutas, tortas geladas, ponches e parfaits cremosos. A forma em pó também pode ser usada para criar projetos de ciências que usam elementos adicionais, como quinina em água tônica ou fósforo em vaselina, que se revelam melhor ao serem iluminadas com uma luz negra.

Outras pessoas estão lendo

Projeto comestível

O método mais comum para fazer gelatina em pó é aquecer água, misturá-la ao pó, adicionar uma xícara de água fria e despejar o líquido em uma fôrma, molde ou tigela. Se você substituir a água comum por água tônica, vai introduzir a quinina, que faz a gelatina brilhar no escuro sob a luz negra.

Projeto potável

A gelatina pode ser usada para fazer ponche após ser misturada com água fervida e suco de frutas, para dar sabor. Uma maneira de criar brilho sob a luz negra é usar água tônica ao invés da água normal. Entretanto, a quinina da água tônica vai dar um sabor amargo ao ponche. Experimente diferentes adoçantes, como concentrado de limão, açúcar ou refrigerantes de limão, para eliminar o sabor amargo.

Projeto com a marca da mão

A vaselina contém fósforo, que absorve a radiação e a emite sob a forma de luz visível. Se você mergulhar sua mão nela e então em pó de gelatina, pode criar marcas com a mão sobre papel ou outro objeto sólido, que são reveladas sob uma luz negra. Os grânulos aleatórios de gelatina criam padrões que refletem a luz negra em uma intensidade distinta da vaselina.

Medindo o rendimento de quantum

Os experimentos já mencionados resultarão em um brilho intenso e azulado que têm um efeito óptico mensurável. A quinina e o fósforo emitem fótons que criam um rendimento de quantum fluorescente, que é a medida do quanto a luz eficazmente absorvida cria um brilho sob uma luz ultra-violeta. Variar as quantidades de água tônica ou de vaselina mudará a intensidade das emissões, e pode ser matematicamente medida determinando-se o número de fótons emitidos em relação ao número de fótons absorvidos.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível